Podemos dividir os fanzines a que me tenho referido neste espaço em duas categorias: a) trabalhos individuais ou coletivos de autores nacionais e lusófonos com material maioritariamente inédito; e b) publicações que apresentam obras de autores anglófonos, traduzidos para português e faneditados no nosso país.

Calafrios! pertence a esta segunda categoria, com uma característica na sua apresentação que o distingue das obras publicadas no Fandaventuras Especial – está disponível digitalmente (e gratuitamente), ao invés de um formato em papel.

Não se pretendendo discutir que diferenças sensoriais são processadas a nível da visão nas diferentes apresentações, nem na importância ou não das informações sensoriais do tato e olfato durante a leitura, não há como negar que atualmente a tecnologia nos permite faneditar sem nos preocuparmos com uma série de questões a que a edição em papel obriga, quer a nível de processamento quer de despesa.

Provavelmente, não fosse a ausência de custos após a criação de um formato digital, na ausência da necessidade de impressão de vários exemplares, e eu jamais teria faneditado os números do magazine cultural n-zine (2002-2003) e os do Banda Dezinenhada (2006).

Filipe Azeredo encontra-se entre aqueles bedéfilos que desejam dar a conhecer material praticamente desconhecido em Portugal, com origem na banda desenhada norte-americana de outrora. E, graças ao seu labor e da sua associada na tradução, ofereceu-nos em setembro o primeiro número de Calafrios!, sob o selo A Filactera.

Esta publicação de BD reproduz histórias de terror da década de 50 do século passado, prévias ao Comics Code Authority, que foi colocado em prática em 1954, originando severas restrições quanto ao terror, violência explícita e insinuações de cariz sexual.

Após a leitura de muito material original em domínio público nos EUA, Azeredo – cujas leituras de BD estão quase totalmente dirigidas ao formato digital – teve a difícil escolha da seleção, em especial quando não se está limitado por um número de páginas. Optou pelo formato utilizado nos comics, com 26 páginas, e por uma ilustração de Bernard Bailey para a capa. A inacessibilidade à identificação dos argumentistas não o demoveu do projeto, tendo coligido para o primeiro número duas histórias retiradas da série Out of the Shadows e uma terceira de Weird Mysteries.

A nível de autores, as histórias apresentam o desenho de Alex Toth, Reed Crandall (ambos arte-finalizados por Mike Peep) e Basil Wolverton.

Calafrios! será uma publicação gratuita online bimestral com uma duração prevista de cerca de meia dúzia de números, antes do faneditor iniciar um novo título e género, provavelmente dedicado à ficção científica.

Por enquanto, ficamos a aguardar o segundo número de Calafrios!, previsto para novembro.

O primeiro número pode ser lido online aqui ou descarregado sob a forma de ficheiros pdf ou cbr.