Hoje estreia nas salas de cinema portuguesas Vénus de Vison, o filme francês de Roman Polanski inspirado no romance erótico austríaco Venus im Pelz de 1870 do autor Leopold von Sacher-Masoch, que muito a contragosto viu o termo masoquismo começar a ser utilizado ainda em vida.

O autor italiano Guido Crepax basear-se-ia também nesta obra para realizar a sua adaptação à banda desenhada, publicada em 1985 em França por Les Éditions Albin Michel.

Eis a sinopse do filme:
Sozinho num teatro de Paris depois de um dia a fazer audições a atrizes para a peça que se está a preparar para encenar, Thomas está a queixar-se ao telefone sobre a baixa qualidade das candidatas. Nem uma tinha a qualidade suficiente para interpretar o papel principal. Thomas prepara-se para sair quando chega Vanda: uma desabrida e descarada lufada de energia. Vanda representa tudo o que Thomas detesta. Ela é rude, idiota e nada a fará deter até conseguir o papel. Mas quando Thomas se sente um pouco encurralado e a deixa tentar a sua sorte, fica espantado ao ver como Vanda se transforma. Não só descobriu as roupas e os cenários certos como percebe a personagem (cujo nome partilha) de uma forma íntima, além de saber todos os diálogos de cor. A “audição” vai demorando mais tempo e tornando-se mais intensa. A atracção de Thomas começa a tornar-se uma obsessão… Realizador: Roman Polanski. Com: Emmanuelle Seigner, Mathieu Amalric.

Eis a sinopse do filme:

Hoje também estreia Collider, sobre o qual escrevemos ontem.

Em nota de rodapé, registe-se que hoje também estreia Malavita de Luc Besson, adaptação cinematográfica do romance homónimo de Tonino Benacquista, francês que além de romancista é também um argumentista de banda desenhada, estando os seus álbuns mais comerciais publicados entre nós (Lucky Luke Contra Pinkerton e Lucky Luke: Todos Por Conta Própria).