Após 7 semanas sem nenhuma série de banda desenhada a ser distribuída com periódicos, esta estratégia de publicação nacional de BD regressa no próximo dia 2 de abril, em mais uma parceria entre a Asa e o jornal Público, desta vez dedicada a Michel Vaillant.

Não é a primeira vez que Michel Vaillant, série publicada por diversas editoras portuguesas em formato de álbum ou seriada em revistas, está presente nas bancas portuguesas sob o formato de álbum a ser distribuído conjuntamente com periódicos. Em 2005 e 2006 foram publicadas duas séries pela AutoSport, com um total de 20 álbuns do piloto de automóveis mais famoso da BD.

Das 15 propostas desta nova série semanal, constam os 2 álbuns da 2.ª série francófona de Michel Vaillant, publicados originalmente em novembro de 2012 e dezembro de 2013. Os restantes 13 álbuns dizem respeitam à série anterior, sendo 6 inéditos e estando os demais esgotados há algum tempo.

Eis a listagem de todos os livros:
01. Em Nome do Filho [2.ª série francófona] (2 de abril) [inédito]
02. Voltagem [2.ª série francófona] (9 de abril) [inédito]
03 . O Piloto sem Rosto (16 de abril) [publicado em Cavaleiro Andante #418 a #462 em 1959-60]
04. O Circuito do Medo (23 de abril) [publicado em Bip Bip #1 a #32 em 1961-62]
05. A Rota Nocturna (30 de abril) [publicado em Zorro #113 a #128 em 1964-65]
06. O Carro n.º 13 (7 de maio) [inédito]
07. A Traição de Steve Warson (14 de maio)  [publicado em 1970 pela Íbis]
08. Os Intrépidos (21 de maio) [inédito]
09. O Regresso de Steve Warson (28 de maio) [inédito]
10. Os Cavaleiros de Königsfeld (4 de junho) [publicado em 1973 pela Bertrand]
11. Rali em Portugal (11 de junho)  [publicado em Tintin (2.º Ano) #16 a #36 em 1969-70; publicado em 1981 pela Bertrand]
12. Em Memória de David (18 de junho) [publicado em 2006 pela AutoSport]
13. Uma Aventura na China (25 de junho) [inédito]
14. Fora de Pista no Inferno (2 de julho) [inédito]
15. 24 Horas sobre Pressão (9 de julho) [inédito]

Eis a sinopse da editora:
Numa nova parceria com o jornal “Público”, a ASA vai trazer de volta a Portugal as aventuras de alta velocidade de Michel Vaillant, personagem criada em 1957 pelo belga Jean Graton. Será já a partir do dia 2 de abril que os leitores deste jornal diário poderão adquirir, por 5,95 Eur, um álbum da famosa série. Até 9 de julho, uma vez por semana, serão disponibilizados novos álbuns sendo que, dos 15 que compõem a colecção, 8 são inéditos em Portugal e os restantes encontram-se há muito indisponíveis no mercado. A história do primeiro livro da colecção – Em Nome do Filho (2ª série), disponibilizado com o “Público” de 2 de abril –, passa-se numa corrida em Portugal, mais precisamente em Portimão, na qual participa o piloto Tiago Monteiro. O segundo livro a ser disponibilizado, no dia 9 de abril, tem o titulo Voltagem (2ª série) e é uma novidade absoluta, tendo sido lançado em França em dezembro de 2013.

EM NOME DO FILHO
É o grande regresso de Michel Vaillant, o célebre piloto dos grandes circuitos automobilísticos internacionais! Confrontado com os novos desafios desportivos e tecnológicos, o clã Vaillant vai ter de fazer face à evolução tanto da indústria automóvel como da própria sociedade em si. Três gerações de homens e mulheres têm agora nas suas mãos o destino da empresa, cujo primeiro desafio é o de regressar às vitórias nas várias competições, a começar pelo WTCC, o disputadíssimo Campeonato do Mundo de Carros de Turismo. E, também, o de manter a família unida, apesar das múltiplas divergências entre os seus membros.

VOLTAGEM
Impedido de competir até ao final da temporada na sequência dos acontecimentos no circuito de Portimão, e abalado com a determinação do seu filho em envolver-se num negócio que ele considera incompatível com os valores da família, Michel Vaillant atravessa um período de dúvidas e incertezas. Decide, então, enfrentar um novo desafio: bater o recorde de velocidade com um automóvel eléctrico no Lago Salgado de Bonneville, nos EUA. A pressão é enorme, já que é a credibilidade e o prestígio das próprias fábricas Vaillante que estão em jogo. Falhar está completamente fora de questão, tanto por causa dos patrocinadores como do seu pai, o patriarca da família, que nunca escondeu o seu desdém pelos automóveis eléctricos.

nota: as imagens foram gentilmente cedidas pela editora, as quais se agradecem e ilustram o texto.