Os leitores que não leram o nosso texto de fevereiro a propósito do livro Big Nate: O que É que Podia Correr Mal?, poderão desconhecer que Big Nate é uma tira cómica escrita e ilustrada por Lincoln Peirce, que iniciou a sua publicação em 7 de janeiro de 1991. Com o devido copyright da United Features Syndicate (UFS), a tira tem sido distribuída nos periódicos pela congénere Universal UClick.

Foi graças ao sucesso da tira que a mesma foi sendo transporta para outros formatos, como os álbuns que coligem as tiras, livros infantojuvenis em prosa, livros de atividades e inclusivamente uma peça de teatro musical no Adventure Theatre MTC em Maryland.

Em Portugal, o Big Nate iniciou a sua publicação não pela sua origem, a BD, mas sim pelos livros em prosa, via a Arte Plural Edições, um selo editorial do Grupo BertrandCírculo. Até ao momento, dos 6 livros infantojuvenis publicados nos EUA (e estando um sétimo para 2015), 4 já se encontram publicados no nosso país. Dito isto, fica claro que o aviso constante da capa nacional “Agora em BD!” destina-se em exclusivo aos leitores portugueses.

Em fevereiro deste ano, a Arte Plural lançou pela primeira vez uma compilação das tiras cómicas, a supramencionada O que É que Podia Correr Mal?, que contém as tiras de BD publicadas nos jornais entre 5 de novembro de 2007 e 8 de junho de 2008.  Dos 17 álbuns de BD publicados nos EUA (e estando mais 1 previsto para ser lançado no próximo mês), aquela seria a 9.ª compilação. O facto de ser o primeiro de quatro álbuns de banda desenhada editados pela HarperCollins, a editora que publica os livros infantojuvenis da série, terá certamente influenciado a escolha da Arte Plural (os restantes álbuns têm sido publicados por 3 outras editoras norte-americanas: Topper Books, Andrews McMeel Publishing e United Media). Uma antevisão exclusiva de 8 páginas daquele livro pode ser lida aqui.

Este verão, chegou às livrarias o segundo livro de banda desenhada de Big Nate da Arte Plural. Vamos a Isso! é a 10.ª compilação norte-americana e dá continuidade ao livro publicado em fevereiro, reunindo as tiras publicadas nos jornais norte-americanos entre 9 de junho de 2008 e 9 de janeiro de 2009. Apesar do livro não ser a cores, contém o momento de transição em que a tira diária passou a ser sempre colorida (até 15 de setembro de 2008, somente aos domingos apresentava cor nos EUA).

A tira cómica tem o potencial de agradar a jovens mais velhos e a adultos do que os livros infantojuvenis. Para além das escolas e dos colegas, há toda uma vida retratada fora da escola, seja a relação de Nate com a BD, seja o seu núcleo familiar e a família alargada – da qual o Tio Ted, personagem introduzida neste volume, certamente fará sorrir muitos adultos (a viver em casa dos seus pais em frente à televisão, fã de Battlestar: Galactica ao ponto de saber os diálogos de cor e que é capaz de fazer batota a jogar o Monopólio para vencer as crianças )…

Comparativamente ao anterior, este livro apresenta um pouco mais de cuidado na tradução e revisão.

Eis a sinopse do livro:
Aconteceu a melhor coisa do mundo – a melhor coisa possível e imaginária. Não, a Jenny não se apaixonou pelo Nate. Não, a Prof.ª Godfrey não se reformou… Foi algo melhor ainda. A escola fechou! Não é o sonho de qualquer miúdo? Por causa de um mofo tóxico, a escola do Nate vai ficar fechada durante um bom tempo! Mas, infelizmente, estas notícias não são tão boas como parecem… porque os alunos vão continuar a ter aulas, só que no terrível covil dos seus arqui-inimigos. Sim, isso mesmo: vão para a escola Jefferson! Será que o Nate e os amigos vão conseguir aguentar os miúdos da Jefferson meses a fio? E como serão os novos professores? E o que acontecerá à sua banda? E à equipa de futebol… terão de enfrentar a equipa da Jefferson no território deles?

nota: as imagens foram gentilmente cedidas pela editora, as quais se agradecem e ilustram o texto.