No próximo dia 29 de setembro, a Mafalda comemora 50 anos. Da autoria do argentino Quino, a BD da Mafalda tem, desde maio de 1970, sido apreciada por várias gerações de leitores portugueses em diferentes formatos. As Publicações Dom Quixote lançaram uma primeira antologia denominada 13 Anos com Mafalda, à qual se seguiu o integral Toda a Mafalda, ostentando na capa a frase “da primeira à última tira”, ao longo de 420 páginas. Esta antologia veio a ser engrossada pela Bertrand Editora para 560 páginas, sob o título O Mundo de Mafalda, onde se reuniram as tiras, os inéditos e alguns testemunhos, numa edição alusiva aos 30 anos da personagem.

A última vez que a BD da Mafalda foi publicada em Portugal, foi através de 4 pequenos álbuns editados pela Asa, distribuídos gratuitamente com a revista Visão em maio e junho do ano passado.

Poucas semanas depois do término da exposição “50 Anos de Mafalda” em Viseu, a Verbo regressa ao formato de grande antologia, com Toda a Malfada: Edição Comemorativa dos 50 Anos, na qual, além das tiras, constam artigos de opinião e informação diversa.

Clique nas imagens para as visualizar em toda a sua extensão e com dimensões mais generosas:

Eis a sinopse:
Assinalando os 50 anos de Mafalda, a Verbo reedita em Portugal todas as suas tiras numa nova edição cartonada que, para além de beneficiar de uma capa inédita, conta ainda com artigos de opinião e diversa informação que, guiando o leitor, o ajudam a contextualizar a personagem e os gags nos acontecimentos históricos que a Argentina e o Mundo vivenciaram entre 1964 e 1973.

Mafalda : uma breve biografia
Estávamos a 29 de Setembro de 1964 quando, no semanário Primera Plana, na Argentina, surgiu pela primeira vez uma desconhecida personagem de nome Mafalda, assinada pelo cartoonista argentino Quino. Desde a sua primeira publicação, e até 9 de Março de 1965, apareceram neste jornal duas tiras semanais de Mafalda, as quais tiveram um extraordinário impacto junto dos leitores: ao fim de poucas semanas a esmagadora maioria torna-se verdadeiramente aficionada. Nesta primeira fase de vida da tira só Mafalda e os seus pais se encontram presentes, até que, a 19 de Janeiro de 1965, Filipe faz a sua primeira aparição.
Em Março de 1965, Mafalda “muda-se” do Primera Plana para o El Mundo de Buenos Aires, onde começou a surgir diariamente. As personagens Manelito e Susanita foram publicadas pela primeira vez neste jornal. Em Dezembro de 1967, altura em que a mãe de Mafalda estava grávida, o jornal El Mundo encerra portas, pelo que Gui, o irmão de Mafalda, nunca virá a surgir neste meio.
A publicação de Mafalda recomeçou então seis meses mais tarde, em Junho de 1968, no Siete Días Illustrados, onde permaneceu até Junho de 1973, ano em que Quino decidiu pôr fim à publicação das tiras da sua mais célebre personagem. A partir dessa data Quino desenhou Mafalda muito poucas vezes, e fê-lo sobretudo para promover campanhas sobre os Direitos Humanos (como aconteceu em 1976 quando ilustrou a Declaração Universal dos Direitos da Criança).
Os anos 70 marcam a internacionalização da personagem com publicações por toda a Europa e no resto do Mundo. Portugal não fugiu à regra e em Maio de 1970 a então Publicações Don Quixote edita, ainda em pequeno formato, o primeiro álbum de Mafalda. Actualmente os livros de Mafalda são editados em 50 países, num total de 20 línguas.