Tudo começou em 1935, com mais uma curta-metragem de animação dedicada ao rato Mickey. Na verdade, Mickey’s Garden apresenta várias particularidades. Trata-se da segunda animação do Mickey a cores, utilizando-se o então inovador processo de Techinicolor. A primeira curta-metragem a cores do Mickey tinha sido o famoso The Band Concert, ao qual se sucederam algumas curtas de animação a preto-e-branco. Como o Pluto não surgiu em The Band Concert, Mickey’s Garden é a primeira curta com o fiel companheiro do Mickey a cores. Outra particularidade é que se trata do primeiro desenho animado em que o Mickey fala, o que acontece quase no final da curta-metragem. A voz é do próprio Walt Disney, sendo a do Pluto do incontornável Pinto Colvig.

Realizado por Wilfred Jackson, conta com as animações de Art Babbitt, Frenchy de Tremaudan e Dick Huemer, coadjuvados por Ollie Johnston. O filme explora os potenciais da animação e procura encontrar soluções visuais interessantes, enquanto o guião oscila entre o humor, a aventura e, eventualmente, o terror. Mas o melhor será ver a animação:

Como puderam verificar, ao inalar acidentalmente inseticida, o Mickey sonhou que ele e o Pluto diminuíram de tamanho e foram perseguidos pelos insetos e outros animais que o Mickey estava a tentar aniquilar.

Avancemos 75 anos, até 2010. Entre abril desse ano e fevereiro de 2011, os autores italianos de banda desenhada Disney exploraram as ideias de vários desenhos animados do Mickey. Uma dessas BD já foi apresentada na Disney Comix #72 (abril de 2014) com o título Estás Atrasado, Mickey! e com argumento de Stefano Ambrosio e arte de Ettore Gula. Era baseada na curta-metragem Mickey’s Delayed Date, uma animação de 1947.

Mas a BD que selecionei para a Disney Comix #99 baseia-se no supramencionado Mickey’s Garden. Com o título original Topolino e i mostri in giardino, a BD tem argumento e arte de Casty. A história teve inclusivamente direito a figurar na capa da revista, também com arte de Casty. A adaptação é livre, introduzindo não só novos personagens na banda desenhada – como o Pateta e novos animais – mas também criando novos problemas e procurando outras soluções. Curiosamente, Casty ilustra representações veramente cinematográficas em muitas sequências, as quais, como se pode constatar, não existiam na curta-metragem. O desenlace é também muito diferente do proposto nos desenhos animados, pelo que a visualização da animação não constitui um spoiler para a banda desenhada.

Em apenas 23 páginas, Casty propõe-nos, deste modo, uma rápida viagem ao pequeno mundo dos insetos, que se pretende divertida, repleta de aventuras e, no final da qual, o Mickey prega uma partida ao Pateta que nenhum leitor conseguirá imaginar de antemão.

A Disney Comix #99 chega às bancas no dia 22 de outubro.

Boas leituras e até breve!

Tio Nuno