2014 em revista, álbum, fanzine e outras publicações de banda desenhada

1. Biografias

bi·o·gra·fi·a
(bio- + grafia)
substantivo feminino
a. Descrição da vida de alguém.
b. Obra que faz a narração das fases da vida de uma pessoa.
in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/biografia [consultado em 03-01-2015]

Nem sempre a ficção e a biografia são assuntos díspares. Em especial, se uma biografia é descrita nos mesmos moldes que os criados para uma obra de ficção. A História está repleta de liberdades criativas que não respeitam a História.

Este facto é mais difícil de avaliar nas autobiografias, uma vez que existem muitos acontecimentos que somente o autor (e, por vezes, poucos mais) saberão se realmente aconteceram ou se tiveram lugar daquele modo. Sem entrarmos por caminhos esotéricos dos significados da realidade, é relativamente fácil compreendermos que a memória do autor é um facto de extrema importância na elaboração de uma autobiografia, tendo, por vezes, um peso excessivo na mesma. Por outro lado, quando se está a registar diariamente aquilo que se vive com o intuito do contar a terceiros, é impossível separar autor e personagem num distanciamento exequível para ambos.

Deste modo, para a inclusão das obras (auto)biográficas de banda desenhada neste capítulo, utilizei, por vezes, informações que se encontram além das obras. Nos casos em que os autores referem que as obras são de ficção, apesar de conterem elementos autobiográficos, as mesmas não foram incluídas.

Por outro lado, os géneros literários, tais como a vida, não são estanques. Decerto que uma obra colocada numa categoria, poderia também ser colocada noutra. No entanto, tentarei não repetir obras, incluindo-as na categoria que me parece (subjetividade presente, portanto) ser mais significativa.

Sem mais delongas, eis então as obras (auto)biográficas publicadas em BD no nosso país em 2014, ordenadas alfabeticamente:

 7 Vidas: Diário de Vidas Passadas – André Diniz e Antonio Eder (sinopse aqui)
– A Batalha: 14 de Agosto de 1385 – Pedro Massano (antevisão aqui)
– Eusébio: Pantera Negra – Eugénio Silva (reedição) [antevisão aqui]
– João de Deus: La Magie de las Letras – José Ruy (sinopse aqui)
Logicomix: Uma Busca Épica da Verdade – Apostolos Doxiadis, Christos Papadimitriou, Alecos Papadatos e Annie Di Donna (antevisão aqui)
Mondosama – Sama (antevisão aqui)
– Maus – Art Spiegelman (antevisão aqui)
– Portugueses na Grande Guerra (1914-1918) – Carlos Baptista Mendes (sinopse aqui)
– Propaganda – Joana Estrela (sinopse aqui)
– Zona de Desconforto – VA (antevisão aqui)

Este conjunto de obras é extremamente díspar, podendo ser encontrados facilmente diversos subgéneros, mas é minha opinião que aumentar o grau de catalogação não significa um enriquecimento do capítulo dedicado à (auto)biografia.

Para os que desconhecem as obras em questão, fica a indicação de que Maus é incontornável e Logicomix é uma obra deliciosa cuja primeira leitura se faz de um único fôlego para os que anseiam por uma BD intelectualmente estimulante. 7 Vidas, Propaganda e a premiada Zona de Desconforto levantam também questões pertinentes, sendo as duas últimas extremamente atuais.

Faço a ressalva de ainda não ter lido a recente BD Mondosama.

Caso os leitores deste espaço acreditem estar em falta alguma das (auto)biografias publicadas em BD no nosso país em 2014, agradece-se o seu contributo.

No futuro, abordarei outros géneros.