Após a publicação de Freak Scene #1 de André Pereira em abril de 2014, no dia 25 de abril de 2015 foi lançado o #2, na Feira Morta V. Tal como no primeiro, a capa recortada continua a apostar na fluorescência, sucedendo-se agora o rosa ao laranja do primeiro número. Novamente, a improviso domina a construção desta banda desenhada, apesar deste segundo número apresentar uma variante metodológica importante, devido à BD ter conhecido publicação original online no extinto site Darling Sleeper, editado por Jesse R. Lucas.

Clique nas imagens para as visualizar em toda a sua extensão:

Eis o vídeo promocional:

Eis a sinopse:
A Freak Scene continua. Improvisada, claro, porque o que se quer aqui é testar metodologias que sistematizem a produção de banda desenhada; de caminho procura-se experimentar e aperfeiçoar técnicas gráficas que possam ser usadas depois em narrativas mais deliberadas. Enquanto que no primeiro número se simulava o caderno para nele desenhar directamente, neste segundo, e porque a história iria ser publicada primeiro online, o método de produção muda. Cada página do Freak Scene #2 foi pensada isoladamente, fora do conjunto. Nas folhas das pranchas foi impressa previamente uma grelha regular de 3 por 4, em cor azul. Esta estrutura serviu para organizar minimamente as vinhetas na página, mas nunca se quis como um espartilho para a composição final. Usou-se o azul na impressão e nos esboços para mais facilmente os isolar e eliminar na edição final da imagem. A história narra como a investigação de um grande laboratório científico coloca em causa os protocolos religiosos de uma organização encarregue de regular o bom funcionamento da sociedade.

16 páginas a preto e branco, tamanho A5, com capa recortada em rosa fluorescente.
1ª tiragem de 52 exemplares.