Após cinco primeiras incursões, prosseguimos hoje com a construção da Leitura Recomendada, a segunda versão da bedeteca ideal do site especializado em BD e livros ilustrados bandasdesenhadas.com. Desta biblioteca imaginária constam secções dedicadas às edições de banda desenhada de países de língua portuguesa e edições de banda desenhada de países de língua estrangeira, bem como uma terceira secção dedicada aos livros ilustrados.

leituras recomendadas

Relembra-se que, dado se ter realizado um vero reinício, ao invés de um upgrade, regressou-se a uma fase inicial, repleta de obras obrigatórias em falta, o que não deve ser preocupante, uma vez que, com as novas entradas que forem ocorrendo, será pacientemente construída e focalizada não nas omissões mas no que consta da mesma, pois da abrangência se encarregará o tempo.

Ao invés de atualizações invisíveis duma simples listagem que, com o passar do tempo, se torna de dimensões consideráveis, este novo modelo destaca cada uma das obras que a passam a integrar. Convidamos também os nossos visitantes a manifestarem-se nos comentários destes artigos sobre cada uma das leituras recomendadas.

Em março iniciou-se a construção e respetivas atualizações da lista, com 12 obras em cada uma delas, sendo esta a sexta delas. Parece-nos importante sublinhar que não se pretende que tais obras sejam consideradas as 60 obras fulcrais. Trata-se somente de um início possível para as recomendações, que tem parcialmente em conta obras recentemente lidas e outras que já constavam da primeira versão da nossa bedeteca ideal, bandas desenhadas facilmente encontradas no mercado livreiro e outras de obtenção mais difícil mas cuja leitura se deve manter viva, e publicações quer em edição nacional quer em edição estrangeira… E, tal como na versão anterior, há um capítulo separado dedicado ao livro ilustrado.

Os editores interessados na utilização do logo Leitura Recomendada nas suas publicações, poderão verificar os procedimentos aqui.

BEDETECA (PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA)

Título: A Arte Suprema
Autores: Rui Zink & António Jorge Gonçalves
Editora: Asa, 2007 (5.ª edição)
Apresentação: 160 páginas | preto e branco | capa mole e sobrecapa
Língua: português
Faixa etária alvo: adultos
Descrição: Esta é a história de Idalina, uma mulher-a-dias que não compreende o seu próprio destino, quanto mais o do mundo. É também a história de um político que julga conhecer o seu destino. Num clima de crise internacional que nos coloca a todos à beira do fim, esta mulher invisível talvez seja a única a poder impedir a catástrofe. Isto se Idalina descobrir a tempo a Arte Suprema. Gonçalves experimenta a ilustração, recorte e colagem digital – recorrendo-se por vezes da fotografia -, acompanhada da tinta-da-china num argumento de Zink em que se evocam pontos conhecidos  para tecer uma teia ficcional. As pontes de Ye-Chian e Tai Chi ligam a vida da empregada de limpeza à política internacional com o Oriente. Esta obra foi galardoada com o Prémio de Melhor Álbum Português no Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora.
Nota: A primeira edição, também das Edições Asa, data de 1997, com ilustrações diferentes na capa dura e sobrecapa das apresentadas nesta última edição.

tamayomarinTítulo: A Tempo Inteiro / Full-Time
Autor:
 Tamayo Marín
Editora: Assírio & Alvim, 2011
Apresentação: 144 páginas | cores | capa dura
Língua: português e inglês (obra bilingue)
Faixa etária alvo: adultos
Descrição: Aparentemente constituída por diversos cartoons, rapidamente o leitor se apercebe que não só existe uma sequência real entre algumas das vinhetas – com cada uma a ocupar uma página – mas há também uma narrativa major presente no livro. Com tons que poderão evocar o Día de Muertos, acompanha-se a incursão da mana morte entre os mortais, entre o humor – obrigatoriamente negro? – e o registo mais sorumbático, polvilhado pela crítica política e social.
Nota: Tamayo Marín é o heterónimo  mexicano do português Tiago Manuel. A obra inclui o poema Oh Um Poema Hoje? de Sérgio Godinho e posfácio de João Paulo Cotrim.

goreyTítulo: Quatro Estórias
Autor: Edward Gorey
Editora: Errata, 2003
Apresentação: 132 páginas | preto e branco | capa mole com badanas
Língua: português
Faixa etária alvo: adolescentes e adultos
Descrição: Nesta antologia dedicada à obra de Edward Gorey, são reunidas quatro das suas estórias. Atendendo a que Gorey é um autor raramente publicado no nosso país, este livro reveste-se de dupla importância. Os argumentos e a pena de Gorey transportam frequentemente o leitor para as eras vitoriana e eduardiana. Tal é complementado, apesar da presença de alguns balões de fala, com os textos sob o limite inferior das vinhetas, tão caraterístico da banda desenhada do início do século passado. Entre o nonsense e o macabro, estas narrativas, que não apresentam consenso no que toca às classificações formais, evocam ora o universo infantil, ora o grotesco, a melancolia, o insólito, a violência, ou o alheamento e a indiferença, temperados com a ausência de um propósito moral.
Nota: Compila The Loathsome Couple (O Casal Execrável, 1977), The Doubtful Guest (O Hóspede Suspeito, 1957), The Epiplectic Bycicle (A Bicicleta Epipléctica, 1969), The Remembered Visit (A Visita Relembrada, 1965).

Chernobyl_capaTítulo: Chernobyl – A Zona
Autores:
Francisco Sánchez & Natacha Bustos
Editora: Levoir, 2016
Apresentação: 192 páginas | preto e branco| capa dura
Língua: português
Faixa etária alvo: adolescentes e adultos
Descrição: No dia 26 de abril de 1986, ocorreu o acidente nuclear de Chernobyl na cidade de Pripyat, na então República Socialista Soviética da Ucrânia da União Soviética. Por trás de cada catástrofe, esconde-se uma história humana. Como reagem as pessoas quando são forçadas, de um momento para o outro, a abandonar as suas casas, a terra que sempre conheceram? Este é o relato de uma das muitas famílias que deixaram os seus lares, convencidas de que iriam regressar uns dias depois. Mas um inimigo invisível tinha-se apoderado da sua cidade, das suas terras, das suas casas, e estava disposto a permanecer por muito tempo. Com recurso à analepses e prolepse, e sem recurso ao sensacionalismo, são narradas vidas não só durante o acidente mas também na herança consequente, desde a patologia resultante e a construção do sarcófago  – e o seu substituto, que se espera que termine de ser edificado em 2017 – ao interesse turístico na Zona de Exclusão e os samoselyChernobyl: A Zona foi galardoada com o prémio Tournesol (Girassol) em Angoulême em 2012, o qual distingue as obras mais sensíveis às questões ecológicas ou valores humanos, tais como a justiça social e a defesa das minorias.
Nota: Volume avulso da coleção Novela Gráfica da Levoir. Publicado originalmente pela Glénat espanhola em 2011.
Mais informação: ler aqui e aqui.

historiatragicaTítulo: História Trágica com Final Feliz
Autor:
 Regina Pessoa
Editora: Afrontamento, 2010 (2.ª edição)
Apresentação: 60 páginas | preto e braco | capa dura
Língua: português e inglês (edição bilingue)
Faixa etária alvo: adolescentes e adultos
Descrição: Mais uma obra que dificulta o azo a classificações. Banda desenhada? Livro ilustrado? Como classificar os desenhos que foram realizados para a animação homónima e compilados sequencialmente neste livro, com a ocasional legenda? Deixe-se tal discussão para Academia. Nesta história seguimos uma menina e descobrimos que ela não é igual às outras pessoas, é diferente. O traço que a faz diferir não só incomoda a comunidade a que pertence, como se traduz por um profundo sofrimento individual. A comunidade e a menina reagem à diferença, a primeira manifestando a sua intolerância, a segunda isolando-se. Com o tempo, a comunidade acaba por habituar-se insensivelmente à presença da diferença, distanciando-a, mas ao mesmo tempo integrando-a na voragem do seu quotidiano. Porém as diferenças existem, persistem e são irredutíveis. Certas vezes possuem razão de ser e correspondem a estados temporários de trânsito para outros estados de existência, certas vezes são fatais… Seja como for, devem ser assumidas por quem as vive para a levarem a um melhor conhecimento de si própria e a uma mais intensa consciência do mundo.
Nota: A animação homónima teve direito a 200 participações em festivais e outros eventos, 45 prémios internacionais, 13 edições em DVD e 7 exposições. A edição inclui um DVD com a curta-metragem. A 1.ª edição do livro data de 2007.

palavrasparaquepalavrasparaque2Título: Palavras para Quê? (1+2)
Autor:
 Sergio Aragonés
Editora: Vitamina BD, 2001+2003
Apresentação: 180+172 páginas | preto e braco | capa mole
Língua: português
Faixa etária alvo: crianças, adolescentes e adultos
Descrição: O profícuo Sergio Aragonés, autor de vasta obra, tem raros trabalhos editados em Portugal, tendo a maioria dos leitores do século passado tido contacto com a sua obra através da importação de revistas brasileiras. Os dois volumes de Palavras Para Quê? são um dos raros exemplos de edição portuguesa, reunindo bandas desenhadas mudas do autor, autolimitadas a uma prancha cada e publicadas em duas séries distintas da norte-americana Dark Horse Comics. O humor transversal varia entre as situações do quotidiano e a crítica social.
Nota: O primeiro volume corresponde à série Louder Than Words, originalmente publicada em 1997. O segundo compila a série Actions Speak, originalmente publicada em 2002.

caminhandocomsamuelTítulo: Caminhando com Samuel
Autor:
 Tommi Musturi
Editora: MMMNNNRRRG, 2009
Apresentação: 140 páginas | cores | capa dura
Língua: português
Faixa etária alvo: adolescentes e adultos
Descrição: Esta BD muda do autor finlandês hipnotiza o leitor, seja com a demanda narrativa seja com os variados tons – cromáticos e não só – que assume a viagem. Sublinhe-se ainda a cuidada planificação da disposição quase ubíqua 2×2 da prancha, que, por vezes, é abandonada para se socorrer da página dupla.
Nota: Está planeada uma 2.ª edição com nova capa para este ano.

BEDETECA (PAÍSES DE LÍNGUA ESTRANGEIRA)

weareonourownTítulo: We Are on Our Own
Autores: Miriam Katin
Editora: Drawn & Quarterly, 2006 (Canadá)
Apresentação: 130 páginas | cores | capa dura
Língua: inglês
Faixa etária alvo: adolescentes e adultos
Descrição: Desenhada em grafite, nesta memória gráfica, a autora narra a sua fuga a pé da invasão nazi de Budapeste, na companhia da sua mãe. Com o pai a combater no exército húngaro e as tropas alemãs a aproximarem-se rapidamente, Katin e a sua mãe são obrigadas a fugir para o campo depois de fingir as suas próprias mortes. Tendo deixado para trás todos os seus pertences e familiares e sem a possibilidade de contar a alguém sobre o seu paradeiro, disfarçam-se de uma camponesa e a sua filha ilegítima, mantendo-se literalmente alguns passos à frente dos soldados alemães.

metamausTítulo: MetaMaus
Autores: Art Spiegelman
Editora:  Pantheon, 2011 (EUA)
Apresentação: 300 páginas | cores | capa dura
Língua: inglês
Faixa etária alvo: adultos
Descrição: Neste ensaio, Art Spiegelman regressa à sua obra Maus, evocando as razões de ter escolhido a temática do Holocausto, a banda desenhada como meio e a utilização de animais antropomórficos como personagens. É a oportunidade de ter contacto com todo um novo trabalho do autor focado no processo criativo de então. A edição inclui um DVD com um conjunto de ficheiros que incluem entrevistas audio com o seu pai, sobrevivente do Holocausto, documentos históricos, esboços e caderos do autor.
Nota: Pressupõe a leitura anterior da obra Maus.

ILUSTRAÇÃO

desenhosquotidianoTítulo: Diários de Viagem: Desenhos do Quotidiano – 35 Autores Contemporâneos
Autor:
 Eduardo Salavisa
Editora: Quimera, 2008
Apresentação: 288 páginas | cores | capa dura
Língua: português
Faixa etária alvo: adolescentes e adultos
Descrição: Munidos de cadernos, há muito tempo que os viajantes desenham e escrevem sobre o que observam e as suas reflexões. Para o percurso de alguns ilustradores, os desenhos dessas viagens foram mesmo decisivos. Mas também é possível desenhar, no dia-a-dia, como se viajasse. Autores contemporâneos, de várias profissões e atividades, desenham habitualmente em cadernos transportáveis, a que se dá o nome de Diários de Viagem ou Diários Gráficos. Nesta obra, Eduardo Salavisa faz uma generosa introdução à temática, apresentando ainda relatos de 35 autores contemporâneos que utilizam Diários Gráficos e os mostram ao leitores. Por fim, aborda-se sucintamente a utilização do Diário como método de iniciação ao desenho.
Nota: Após esta obra, têm-se seguido outras de Eduardo Salavisa, a solo ou acompanhado. Recomendam-se igualmente sem reserva as duas publicações seguintes, em formato menor, Diário de Viagem em Cabo Verde (2011) – com ensaio de Ruth Rosengarten – e Diário de Viagem em Lisboa: Sete Colinas, Sete Desenhadores (2011) – na companhia de Filipe Leal de Faria, João Catarino, José Louro, Pedro Cabral, Pedro Fernandes e Richard Câmara, com ensaio de João Seixas.

ainvecaodehugocabretTítulo: A Invenção de Hugo Cabret
Autor:
 Brian Selznick
Editora: Gailivro, 2008
Apresentação: 544 páginas | preto e braco | capa dura com sobrecapa
Língua: português
Faixa etária alvo: adolescentes e adultos
Descrição: Livro híbrido com porções de texto intercaladas com sequências gráficas, que lhe vale, por vezes, a classificação de romance gráfico (ou novela gráfica, quando mal traduzido do inglês), um termo cuja Academia ora luta pela inexistência, ora tenta delimitar o significado ausente ou vago que a indústria norte-americana insiste em popularizar comercialmente e que há muito extravasou fronteiras para diferentes países do globo. Dado não o considerarmos um álbum puro de banda desenhada devido às páginas de texto, optou-se então por colocar este livro constante do Plano Nacional de Leitura para leitura autónoma no 3.º ciclo do ensino básico nos livros ilustrados. Órfão, guardião dos relógios e ladrão, Hugo vive por entre as paredes de uma movimentada estação de comboios parisiense, onde a sua sobrevivência depende de segredos e do anonimato. Mas quando, repentinamente, o seu mundo se encaixa – tal como as rodas dentadas dos relógios que vigia – com o de uma excêntrica rapariga amante de livros e o de um velho amargo, dono de uma lojinha de brinquedos, a vida secreta de Hugo e o seu segredo mais precioso são colocados em risco. Um desenho misterioso, um bloco que vale ouro, uma chave roubada, um homem mecânico e uma mensagem escondida do falecido pai de Hugo formam a espinha dorsal deste intrincado, terno e arrebatador mistério.
Nota: Existe edição posterior da Asa com sobrecapa alusiva à adaptação cinematográfica da obra. Publicado originalmente em 2007.

raven_pt_01_bigTítulo: O Corvo
Autores:
 Edgar Allan Poe & Gustave Doré
Editora: Libri Impressi, 2008
Apresentação: 64 páginas | preto e branco | capa mole
Língua: português, inglês e espanhol (trilingue)
Faixa etária alvo: adolescentes e adultos
Descrição: Este poema norte-americano extremamente popular do século XIX tem sido adaptado para os mais diferentes meios e influenciado diversas gerações desde a sua publicação. Numa fria noite de inverno, sozinho em casa, um homem sofre a dor imensa da morte da sua amada. Prestes a adormecer, parece-lhe ouvir alguém bater à porta e descobre que se trata de um corvo. Invadindo-lhe a casa, a ave acaba por conduzi-lo ao desespero devido à insistente repetição de uma palavra que o faz compreender que nada lhe devolverá Leonore… Nevermore. A edição apresenta dimensões generosas (24 x 33 cm) para a devida apreciação das ilustrações de Doré.
Nota: O poema de Edgar Allan Poe (1809-1849) foi originalmente publicado em 1845 no Evening Mirror. As ilustrações de Gustave Doré (1833-1883) foram o seu último trabalho e publicadas postumamente, sem a sua supervisão do trabalho dos gravadores. A tradução portuguesa apresentada é de Fernando Pessoa.

A mais recente versão da listagem Leitura Recomendada para consulta pode ser obtida aqui. Regressamos em breve com mais recomendações de leitura.