Emilio_Tomi_Ungerer1

Já se encontra disponível nas livrarias o novo lançamento da Kalandraka, Emílio, o clássico de 1960 de Tomi Ungerer.

Depois da cobra “Crictor” (1958) e do canguru “Adelaide” (1959), Tomi Ungerer volta a escolher um animal pouco convencional para protagonizar uma história heroica, aberta ao humor e à imaginação. Curiosamente, Tomi Ungerer é, desde 1990, presidente honorário da SPCA (Sociedade para a Prevenção contra os Maus-tratos Animais) da Europa.

“Emílio” descreve as aventuras de um valente e nobre polvo. A sua proeza, ao salvar um mergulhador do ataque de um tubarão, é seguida de uma série de outras façanhas, como nadador-salvador e como colaborador dos agentes da autoridade para capturar uns perigosos contrabandistas.

Do ponto de vista plástico, as ilustrações destacam-se pela simplicidade da paleta de cores utilizada, à base de tons verdes e ocres, que fazem com que o leitor se possa deter nos pequenos detalhes, por vezes humorísticos, ou na expressividade das suas personagens.

Eis a sinopse da editora:
O capitão Samofar era um mergulhador famoso. Um dia, enquanto explorava o fundo do oceano, apareceu-lhe um tubarão feroz. O tubarão atacou o Capitão Samofar, mas este foi logo salvo por Emílio, um polvo com bom coração.
Pôs uma pedra dentro da boca do peixe e depois puxou o mergulhador para a superfície…

TOMI UNGERER (Estrasburgo, 1931) os seus primeiros esquiços, de contornos bélicos, refletiam a sua oposição à guerra e ao fascismo. Em 1956 emigrou para Nova Iorque, onde começou a escrever livros infantis que tiveram muito êxito. Publicou em jornais e revistas tão importantes como o The New Yorker, a Esquire, a Life Show ou a Fortune. Já no auge da sua carreira durante os anos 1960, Ungerer plasmou no seu trabalho a sua reação contra a hipocrisia e a superficialidade da sociedade americana. Mudou-se depois para uma quinta no Canadá e no final dos anos 1970 radicou-se na Irlanda com a sua família. A sua produção, que abarca 40 anos de criação, estima-se entre os 30 000 e os 40 000 trabalhos de diferentes estilos, e mais de 120 livros. Entre outras distinções, recebeu a Medalha de Ouro da Sociedade de Ilustradores e o Prémio Hans Christian Andersen em 1998. Depois de se ter retirado como ilustrador, desenvolveu outra faceta como filantropo, vocacionado para causas humanitárias.

Emílio
Tomi Ungerer (texto e ilustrações)
Páginas: 32
Apresentação: capa dura
Formato: 20 x 28 cm
ISBN: 978-989-749-063-7
Preço: 14,00 €