Se há um culpado por termos assistido à antestreia portuguesa da nova série televisiva Legion é Chris Claremont. Não diretamente devido à criação da personagem mas por nos ter confidenciado na entrevista que realizámos que estava entusiasmado com a estreia da série. Leia mais sobre a série e a sua antestreia, sem spoilers.

Criado para a revista New Mutants # 25 em 1985 por Chris Claremont (argumento) e Bill Sienkiewicz (desenho), Legion (o Legião, em português) foi criado enquanto um anti-herói diagnosticado com o distúrbio dissociativo de identidade, filho de Charles Xavier e Gabrielle Haller.

Intrínseco ao universo mutante e às equipas X-Men e derivadas da Marvel, não deixa de ser curiosa a sua escolha para uma série televisiva autónoma. Noah Hawley é o criador da série. Existe um considerável número de produtores executivos, entre os quais alguns bem conhecidos como Bryan Singer, Stan Lee, Jeph Loeb e Joe Quesada.

Foi Noah Hawley que escreveu e realizou o primeiro episódio. Hawley tem no seu currículo a criação da excelente série televisiva Fargo, baseada no filme homónimo dos irmãos Coen. No primeiro episódio de Legion, repleto de analepses e prolepses, o espetador fica provavelmente com mais questões do que respostas. E as poucas respostas que tem, poderão mudar a qualquer momento, pois a série é vista através de um narrador pouco confiável, que altera as cenas ao recontar a história – neste caso, evidente quanto à identidade da personagem que a certo momento sai de uma viatura. Ainda será cedo para o afirmar, mas a música parece ter um papel importante, com uma piscadela de olho aos Pink Floyd na banda sonora original e na escolha do nome de Syd Barrett, mas também na cuidadosa seleção musical. Neste episódio piloto, existe ainda uma homenagem aos musicais – e um design que mistura os anos 60 do século passado com a atualidade. Os apreciadores de efeitos especiais, ficarão contentes em saber que existem num número apreciável, a sua maioria credíveis, apesar deste primeiro episódio ser mais centrado na mente do protagonista do que naquilo que o rodeia.

Não existem muitas pistas neste episódio piloto sobre aquilo em que se tornará a série. No final, parece existir a constituição de uma equipa superpoderosa (de mutantes?), o que contrasta diretamente com os 60 minutos anteriores do diálogo interno e hospitalização de David Haller, o protagonista, com o filme Voando Sobre um Ninho de Cucos, realizado por Miloš Forman em 1977, a assombrar a nossa memória.  Mas a verdade é que o terreno é pantanoso e de pouco se pode ter certeza sobre o que realmente se passa e aquilo que é fruto da mente de Haller.

Sobre a ligação deste David Haller ao personagem de banda desenhada em que foi baseado, também nenhuma pista é referida. Nem quanto à sua filiação, nem quanto aos personagens que com ele privaram nas diferentes bandas desenhadas. As restantes personagens da série são aparentemente originais e prevê-se que seja com estas personagens ainda pouco exploradas – e outras que nem surgem no piloto – que o protagonista contracenará ao longo da série.

Para além da palavra mutante e da patologia mental de Legion – ainda pouco explorada – há um personagem enigmático que nos remete para as revistas da Marvel. Surge mais do que uma vez ao longo do episódio, frequentemente na visão periférica, e faz lembrar um certo alienígena que surgiu nas páginas de Longshot. A discussão entre os leitores da banda desenhada já se iniciou, havendo várias teorias para a sua identidade além da por nós referida, desde um personagem completamente novo a uma certa entidade da BD da Casa das Ideias que pode ser definida como uma pura energia psíquica que se alimenta do ódio da humanidade e tem a capacidade de possuir seres humanos, tendo-se cruzado com o Legion da BD…

Resta agora saber que tom, ritmo e perspetiva adotará a série. Continuar-se-á a focar na psicopatologia de Haller e a manifestação dos seus poderes, enquanto se descobre mais sobre o seu passado e família? Tornar-se-á uma série em que a super-equipa tem de defrontar o vilão da semana? Um pouco de ambas? Nenhuma das anteriores? É aguardar para ver…

Apesar do episódio piloto ter contado com audiências medianas, teve uma ótima aceitação por parte do público e da crítica especializada.

A série é protagonizada por Dan Stevens (o protagonista do novo filme A Bela e o Monstro da Disney) e conta no seu elenco com Rachel Kller (série televisiva Fargo), Aubrey Plaza, Bill Irwin, Jeremie Harris, Amber Midthunder, Katie Aselton e Jean Smart (série televisiva Fargo ou filme Juventude em Revolta).

Legion estreia a 13 de fevereiro em Portugal, no canal Fox:

Eis a sinopse oficial:

A história de David Haller, que desde a adolescência tem lutado contra a doença mental. Diagnosticado como esquizofrénico, David tem andado durante anos em hospitais psiquiátricos, mas após um estranho encontro com outra paciente, vê-se confrontado com a possibilidade de que as vozes que ouve e as visões que vê podem ser reais. Baseado na personagem da Marvel Legion, o filho do fundador dos X-Men, Charles Xavier.