Com março, chega a primavera. Traduzir-se-á este desabrochar da natureza numa maior dinâmica editorial de banda desenhada no nosso país? Os dados colhidos não parecem apontar nesse sentido.

Em março de 2017, algumas editoras que se dedicam (quase) exclusivamente à banda desenhada continuaram a não marcar presença no que toca a lançamentos de BD, ausência esta também manifestada por editores generalistas (de maiores ou menores dimensões) que com alguma frequência também o realizam.

PUBLICAÇÕES

O Bandas Desenhadas identificou os seguintes números de novidades de banda desenhada (publicações com BD em mais de 50% das suas páginas), segundo o canal de distribuição:
– Pontos de venda de periódicos: 10
– Livrarias: 12
– Distribuição alternativa: 5

Foi ainda identificada 1 publicação sobre banda desenhada, a qual se apresentou como revista e com distribuição alternativa.

A nível de formato, as 27 publicações de BD podem ser divididas em:
– Revistas: 4
– Livros: 18
– Outros (brochuras, etc): 5
– Jornais: 0

Das 6 novidades em livro nos pontos de venda de periódicos, a totalidade pertence a séries autolimitadas:
– Associados a jornal: 4
– Não associados a periódico: 2

Destas 27 publicações de BD, 4 são portuguesas. As restantes publicações têm como país de origem:
– Brasil: 2
– EUA: 10
– Itália: 3
– Itália + Brasil + EUA: 1
– Japão: 3
– Reino Unido: 4

No que toca à originalidade das obras sob o formato de papel no nosso país, das 27 publicações verifica-se a existência de:
– Inéditos mundiais: 2
– Inéditos em Portugal: 18
– Reedições: 5
– Material parcialmente reeditado (e restante inédito): 2
Dos inéditos em Portugal, 3 tinham tido distribuição prévia total ou parcial nos pontos de vendas de periódicos via publicações brasileiras.

Eis as editoras das publicações de BD identificadas:
– Assírio & Alvim: 1
– Devir: 4
– G. Floy: 2
– Goody: 4
– Kingpin: 3 (+3)
– Levoir: 4
– José Pires: 4
– Pato Bravo & Xavier Almeida: 1 (+1)
– Planeta: 1
– Planeta Tangerina: 1
– Salvat: 2

Registe-se que a Kingpin editou versões em língua inglesa das suas 3 publicações, destinadas ao mercado externo, e que Pato Bravo e Xavier Almeida editaram o seu zine em 2 versões, em linóleo e em risografia.

Quanto à editora da publicação sobre BD identificada:
– Juvemedia: 1

BD PORTUGUESA EM DESTAQUE

Março revelou-se, até ao momento, o mês mais modesto no que toca a publicações de autores nacionais, só se tendo identificado 3 bandas desenhadas.

Três Histórias Desenhadas reúne as 3 narrativas gráficas de José de Almada Negreiros publicadas no jornal Sempre Fixe! em 1926, uma oportunidade para os leitores realizarem uma viagem de 90 anos.

Violência Electro-Doméstica de Pato Bravo e Xavier Almeida chega ao seu 6.º número com as habituações edições em linóleo e risografia, cerca de 1 mês antes da publicação do derradeiro número.

A Kingpin torna a apostar numa nova versão deluxe de uma obra sua. Desta feita, o alvo é Super Pig: Roleta Nipónica, com argumento de Mário Freitas, desenhos de Osvaldo Medina e cores de Marta Lebre. Foi também produzida uma versão em língua inglesa.

A Bola Amarela de Daniel Fehr e Bernard P. Carvalho é uma narrativa gráfica que consideramos se enquadrar no que consideramos ser banda desenhada, independentemente de ser catalogado não como livro ilustrado.

Março revela-se um mês modesto mas diverso nas propostas nacionais, pelo que reforçamos a recomendação de banda desenhada portuguesa aos leitores portugueses (e internacionais). Das 4 obras, 3 tiveram ou têm planeada a distribuição nas livrarias, enquanto que 1 tem distribuição alternativa.

EVENTOS

Entre as exposições inauguradas nos meses anteriores que persistiriam em março e os eventos decorridos ou inaugurados neste mês, existiram muitas e variadas propostas.

Deste modo, foram realizados ou inaugurados eventos dedicados a um número considerável de autores, com diferentes experiências na área da banda desenhada, entre os quais David Soares, Luis Cavaco, Filipe Melo, Jijé, Juan Cavia, Paulo Monteiro, Susa Monteiro ou Willy Vandersteen, conforme noticiámos na nossa agenda.

Entre outros eventos, realizou-se ainda em terras nacionais a 2.ª mostra Coimbra BD e a XII Feira Morta.

AUTORES NACIONAIS PUBLICADOS NOUTROS PAÍSES

Existem alguns autores nacionais que se encontram a trabalhar periodicamente para o mercado norte-americano e a sua ausência num ou noutro mês prende-se frequentemente mais com a calendarização das editoras do que o seu trabalho contínuo para aquele mercado. Outros há em que a edição noutro país é um evento excecional. De qualquer modo, esta listagem não tem por fim uma análise estatística, mas sim uma aglomeração de informação dispersa pelo nosso site, disposta de uma forma simples, para futura referência.

Eis os autores que identificámos, dispostos alfabeticamente, com publicações de banda desenhada noutros países, durante o mês de março:
– Daniel Henriques (Green Lanterns #18, DC Comics, EUA – arte-final)
– Daniela Viçoso (O Infante, ed. autor, Japão – autoria completa)
– Filipe Andrade (Old Man Logan vol. 2 #19 e #20, Marvel, EUA – desenho e arte-final)
– Jorge Coelho (Rocket Raccon vol. 3 #4, Marvel, EUA – desenho e arte-final)
– Miguel Mendonça (Trinity vol.2 #7 – DC Comics, EUA – desenho parcial)
– Paulo Monteiro (Dragostea Mea Infinită Pentru Tine / O Amor Infinito que te Tenho – Revers, Roménia – autoria completa)
– Ricardo Drumond (Atoll #2, Creative Mind Energy, EUA – desenho e arte-final)

Quanto à versão inglesa de Super Pig: Roleta Nipónica, só daqui a alguns meses terá distribuição internacional e, nessa altura, será devidamente referenciada.

BD ESTRANGEIRA EDITADA EM PORTUGAL

Tal como nos meses anteriores, prosseguiram diversas séries em publicação, seja nas bancas (Goody, Salvat), seja nas livrarias (Devir, G. Floy, Planeta).

Nos pontos de venda de periódicos, deu-se ainda o lançamento de uma coleção autolimitada da Levoir, intitulada No Coração das Trevas DC.

No mercado livreiro, a Kingpin iniciou com dois títulos a nova aposta da editora em autores brasileiros. Por seu turno, a Devir iniciou mais uma série de manga, One-Punch Man. Quanto à G. Floy, editou o último volume da Marvel inédito em Portugal da tetralogia das cores de Loeb & Sale.


IMPORTAÇÃO NAS BANCAS

Para além do mercado editorial de banda desenhada em Portugal, existem outros pontos que são alvo do nosso Observatório. Um deles é a importação de revistas de, com ou sobre banda desenhada distribuídas nas pontos de venda dos periódicos.

Como nota de rodapé, verifica-se mais uma vez que as revistas brasileiras distribuídas nas bancas ultrapassam em número a totalidade das publicações nacionais. Em março, foram distribuídas:
– Mythos: 5 títulos
– Panini Brasil: 26 títulos

Estes 31 títulos têm como editora original:
– Bonelli (Itália): 5
– DC (EUA): 6
– Marvel (EUA): 5
– Mauricio de Sousa (Brasil): 15

No que toca às publicações francesas de, com ou sobre BD, foram distribuídas 12 publicações. Quanto a publicações belgas, foi distribuída 1 revista,

nota: considerem-se os números apresentados neste artigo como pré-definitivos até à publicação do artigo referente ao ano de 2017.