A importação de livros de banda desenhada brasileira tornou-se uma raridade e é uma vera surpresa constatar quando edições em língua portuguesa oriundas do outro lado do Atlântico  são distribuídas nas livrarias nacionais.

Aurora, com argumento de Felipe Folgosi, desenho de Leno Carvalho e edição de 2015 do Instituto Quadrinhos é o exemplo mais recente, tendo sido distribuída no primeiro trimestre deste ano. Trata-se de uma obra com uma história peculiar.

Felipe Folgosi é conhecido no Brasil principalmente pela sua carreira de ator. Apesar de ter trabalhado em teatro e participado em três longas-metragens brasileiros, é o seu trabalho na televisão que lhe granjeia mais popularidade, principalmente em telenovelas, participação num reality show e como apresentador de programas.

Entre 2002 e 2004, esteve a estudar em Los Angeles. O curso de roteiro na UCLA instigou Folgosi a ir escrevendo diversos roteiros após o seu regresso ao Brasil, inclusive um thriller de ficção científica que foi desenvolvendo ao longo de uma década. Atendendo ao género, apercebeu-se que dificilmente o filme sairia do papel no Brasil. Surgiu então a ideia de adaptar o roteiro cinematográfico à banda desenhada, tendo formado uma parceria com Klebs Junior do Instituto Quadrinhos.

O Instituto Quadrinhos surgiu em São Paulo em 1998 e nele são lecionados diversos cursos, incluindo vários de ou relacionados com banda desenhada. Como estúdio, representa mais de 50 artistas no mercado internacional, em editoras como Marvel, DC, Dargaud e Bonelli. Paralelamente, tem editado algumas bandas desenhadas sob o formato de livro ou revista.

Klebs Junior abraçou o projeto e foi o responsável pela edição, adaptação e layouts, competindo o desenho a Leno Carvalho e a arte-final a Nelson Pereira.

A viabilização do projeto foi conseguida através de 2 estratégias, o patrocínio direto de 2 multinacionais e o financiamento coletivo via o sistema de crowdfunding Catarse.

A obra teve direito a 3 nomeações nos Prémios HQMix (Roteiro, Novos Talentos e Publicação de Aventura, Terror e Fantasia). Esta estreia de Folgosi na BD teve continuidade. Um segundo roteiro seu foi novamente adaptado a BD, intitulando-se Comunhão, e teve sucesso numa nova campanha de financiamento coletivo no Catarse, tendo estado previsto o seu lançamento para o CCXP 2016, o qual foi adiado para este ano.

A comercialização de Aurora em Portugal reveste-se de uma segunda curiosidade. O protagonista da trama é português, bem como a sua mulher, tratando-se de dois emigrantes a residir em Gloucester, em Massachussets, uma cidade com uma importante indústria pesqueira e comunidade portuguesa.

Quanto aos layouts, desenho e arte-final são inspirados na tradicional escola norte-americana. Clique nas imagens para as visualizar em toda a sua extensão:

Eis a sinopse da editora:

A história é um thriller de ficção científica que conta a história de Rafael, pescador que presencia um fenômeno natural jamais visto antes. Essa experiência acontece em alto-mar e o transforma em algo mais complexo que um simples humano; torna-se um herói moldado pela evolução natural e que, por conta de seus poderes, acaba sendo caçado pelo governo americano. Trata-se de uma história de ação surpreendente que mistura fatos científicos e questões filosóficas. Não à toa, o autor passou anos pesquisando locais onde se passam a história, dados sobre astronomia e astrofísica, sobre partículas cósmicas, precessão dos equinócios, neandertais versus homo sapiens, aceleradores de partículas, agências de pesquisa militar, maçonaria, entre outros temas relevantes.