Ultimate Homem-Aranha foi uma das mais ousadas experiências da Marvel

Já se encontra nas bancas o quadragésimo terceiro volume da Coleção Oficial de Graphic Novels Marvel, intitulado Morte do Homem-Aranha, com argumento de Brian Michael Bendis e arte de David LaFuente e Mark Bagley. Este volume reúne os números 153 a 160 da revista Ultimate Spider-Man (vol. 1).

Esta banda desenhada encontrava-se inédito em Portugal, não tendo, inclusivamente, as revistas brasileiras que a reproduziram sido exportadas para Portugal.

Clique nas imagens para as visualizar em toda a sua extensão:

Eis a sinopse da editora:
“Seis dos mais perigosos inimigos do Homem-Aranha – Norman Osborn, o Dr. Otto Octavius, Electro, Kraven o Caçador, o Homem-Areia e o Abutre – escaparam à custódia da S.H.I.E.L.D. Unidos pelo seu ódio ao Aranha, este grupo sinistro está determinado a fazer Peter Parker pagar por todas as derrotas que ele lhes infligiu. E com as pessoas que ele mais adora na mira dos vilões, o Homem-Aranha poderá ter de fazer o derradeiro sacrifício para deter os criminosos de uma vez por todas.”

Ultimate Homem-Aranha foi uma das mais ousadas experiências da Marvel, concebida por Bill Jemas e Joe Quesada, à qual o argumentista Brian Michael Bendis e o artista Mark Bagley deram forma ao longo de muito tempo: planeada para ser uma série limitada que atualizasse as origens do Aranha para a idade moderna, acabou por tornar-se em muito mais que isso. Ao longo dos seus 10 primeiros anos, Ultimate Homem-Aranha reinterpretou grande parte do elenco da série original – tanto vilões como aliados – e introduziu uma série de novos conceitos. No entanto, depois de mais de 150 números, tinha chegado a hora do Ultimate Peter Parker pendurar os seus lança-teias. E a história com que os autores decidiram tornar isso em realidade, foi uma história da morte do Aranha…

Diz o escritor, Bendis: “…Um dia, olhámos para a linha Ultimate e pensámos: ‘OK, de que histórias estamos mais orgulhosos?’ …E eram todas histórias que não eram adaptações Ultimate de histórias clássicas da Marvel… Eram momentos que não tinham sido criados no Amazing Spider-Man [o título original do escalador de paredes]… No seguimento daquela conversa, questionámo-nos: ‘Que outras histórias nunca puderam ser contadas em Amazing Spider-Man?’ E a maioria delas envolviam a morte do Peter e deixar outra pessoa tornar-se o Homem-Aranha…. Outro elemento era que o Peter não tinha sido capaz de salvar o tio Ben, mas ao morrer a tentar salvar a tia May, então esse círculo ficaria completo… Tínhamos uma personagem que, apesar da morte trágica, não tinha uma vida trágica.”

Mas embora o destino de Peter estivesse determinado, isso não significava necessariamente o cancelamento do título Ultimate Homem-Aranha. Longe do olhar dos fãs, um novo herói estava à espera nos bastidores, pronto para assumir as responsabilidades do Aranha (alguém que o leitor irá descobrir num próximo livro, no volume 52 desta coleção). Mas por agora, é hora de nos despedirmos de Peter Parker, que vai aprender uma lição final e desoladora sobre poder e responsabilidade.

Inclui dossier sobre o escritor e o desenvolvimento da história, e uma extensa galeria de capas.

Volume 43: A MORTE DO HOMEM-ARANHA
Argumento de BRIAN MICHAEL BENDIS, arte de DAVID LAFUENTE & MARK BAGLEY
208 páginas.

nota: imagens cedidas pela editora.