A estreia cinematográfica de Capitão Cuecas: O Filme, realizado por David Soren, foi o mote para a Gradiva publicar o derradeiro livro da série. O Capitão Cuecas e a sensacional saga do Sr. Fedorovky, o 12.º e último livro da série de Dav Pilkey foi publicada originalmente 18 anos após o primeiro. Em Portugal, a série foi iniciada em 2001, quatro anos após a sua estreia norte-americana, tendo a Gradiva publicado a mesma ao longo de 16 anos.

Este último volume contém uma história original que antagoniza os protagonistas e o Sr. Mauzão, o professor de Educação Física, após este ter comido um pequeno pedaço de Zigo-Gogozizzla 24 e se ter tornado extremamente inteligente. Se é verdade que o filme se baseia na narrativa dos primeiros livros, os créditos finais estão repletos de desenhos de personagens importantes ao longo de toda a saga, incluindo aqueles que não surgiram no filme, tal como o Sr. Mauzão com o seu fato pulverizador de Kontrol-O-Miúdo 2000 ™. Trata-se de um piscar de olho aos leitores de toda a saga…

Para além do confronto com o Sr. Mauzão, o autor encerra ainda outras questões que surgiram ao longo da saga, dando um destino final a diversos personagens, inclusivamente aos protagonistas nas suas diferentes linhas temporais, permitindo ao leitor antever o futuro de George e Harold, passados 20 anos. Sem criar spoilers, poder-se-á assumir que os George e Harold originais continuarão a viver, quiça eternamente, grandes aventuras após esta grande saga de O Capitão Cuecas ter encerrado. Não é a eternidade um dos possíveis destinos para as personagens literárias?

É também no derradeiro tomo que o autor, logo no segundo capítulo, parodia as críticas que a saga recebeu desde o seu primeiro livro. Banido de muitas escolas norte-americanas devido aos termos utilizados serem alegadamente ofensivos e inapropriados a crianças (como raio, xixi, traque e cocó) e as aventuras incentivarem a desobediência das crianças à autoridade, toda a narrativa do último livro parece satirizar estas posições, enquanto advoga que as crianças não são nem pequenos adultos nem robôs e que se deve incentivar a criatividade.

Apesar do autor garantir que neste livro não haveria nenhum desses termos, excepto nas páginas 44 e 48 como avisou desde o início, a décima segunda novela épica foi banida de algumas escolas norte-americanas por outra razão, relacionada com a orientação sexual de um dos protagonistas no futuro. A simplicidade com que a temática foi abordada no livro contrasta com a complicação que temáticas ainda tabus geram.

De regresso a este livro, estão os elementos que popularizaram esta série e que são tanto do agrado das crianças: super-heróis, banda desenhada, escatologia (de forma muito leve), viagens no tempo, gadgets e invenções, meio escolar opressor, crianças protagonistas inteligentes, vilões malvados, animais de estimação, dinossauros, extraterrestres, violência cartoonesca q.b., flip-o-oramas (animações cíclicas com base em desenhos presentes em 2 páginas, geradas pelo virar para frente e para trás de uma folha) e claro, o humor, frequentemente repleto de nonsense e de fórmulas repetidas ao longo da série, para gáudio dos leitores.

Com ilustrações omnipresentes e uma fonte de dimensões generosa para compor o texto, estes livros ilustrados têm feito grande sucesso no nosso país e a adaptação cinematográfica arrisca a popularizar ainda mais esta apreciação mundial pela obra.

Para os leitores que apreciam banda desenhada, a série dedica-lhe alguma atenção. A BD está presente nalgumas páginas de cada livro, sendo no campo ficcional desenhada pelos protagonistas George e Harold. Inclusivamente, os protagonistas elaboram zines que reproduzem por meio de fotocópias e vendem aos seus colegas na escola. Que futuro terão estes jovens autores de banda desenhada? Caberá aos leitores descobrir neste livro.

Finda a leitura dos 12 tomos, existe algum material extra e spin-offs publicados em Portugal. A Gradiva também tinha editado entre nós O Extracrocante Livro de Passatempos do Capitão Cuecas 1 e O Novo Extracrocante Livro de Passatempos do Capitão Cuecas 2, os quais, além dos anunciados passatempos no título, também contêm bandas desenhadas, para além de flip-o-ramas, autocolantes e diversas atividades.

A Gradiva também tinha editado As Aventuras do Super-Bebé Fraldinha e As Aventuras de Bonk e Cronk, Homens das Cavernas do Kung-Futuro. São as duas primeiras graphic novels das personagens George Beard e Harold Hutchins. Trata-se, portanto, de dois livros de banda desenhada, protagonizados por personagens “criados” pelos protagonistas da série Capitão Cuecas.

Inédita em Portugal, encontra-se a segunda graphic novel do Super-Bebé Fraldinha, bem como a totalidade da série de graphic novels do Homem-Cão (o 4.º volume encontra-se agendado para dezembro deste ano nos EUA), também esta da autoria das personagens George e Harold, enquanto crianças. Aliás, em O Capitão Cuecas e a sensacional saga do Sr. Fedorovky é possível ler um pouco dos comic books do Homem-Cão publicados 20 anos no futuro, na qual o autor satiriza as (aparentes) mortes e a facilidade com que os mascarados se podem fazer passar uns pelos outros na banda desenhada de super-heróis.

Eis a sinopse da editora:

George e Harold e os seus duplos, o George e o Harold de Ontem, têm um belo esquema montado. Dois deles vão para a escola, enquanto os outros dois se escondem na casa da árvore e passam o dia a jogar videojogos — e depois trocam! Mas acontece que há algo de podre no estado do Ohio, e cheira pior do que um monte de meias de desporto pestilentas. O Sr. Mauzão, o malévolo professor de Educação Física dos rapazes, criou um método de controlo da mente que transforma os alunos em crianças atentas, obedientes e perfeitas. Agora, o futuro da Humanidade está nas mãos de George e Harold e de George e Harold de Ontem!

Dav Pilkey escreveu e ilustrou muitos livros premiados para crianças. As Aventuras do Capitão Cuecas, com mais de setenta milhões de exemplares impressos, foi incluído pela American Bookseller na sua lista de títulos mais vendidos e distinguido com o Prémio Cuffie da Publishers Weekly para o livro mais divertido do ano; a Dog Breath, outro dos seus livros, foi atribuída a California Young Reader Medal; The Paperboy foi eleito Caldecott Honour Book; os últimos livros do Capitão Cuecas foram todos campeões de vendas logo nas primeiras semanas após a sua publicação. Foi também Dav Pilkey o  criador dos Dumb Bunnies, os livros vencedores do prémio IRA-CBC Children’s Choice Award, e o autor da coleção Quico Ricotta, editada pela Gradiva.

O Capitão Cuecas e a Sensacional Saga do Sr. Fedorovsky
Dav Pilkey
Editora: Gradiva
Páginas: 208
Encadernação: capa mole com badanas
Formato: 14 x 20,7 cm
ISBN: 978-989-616-747-9
PVP: 12,00€