Tex é um fenómeno paradoxal na história da edição da banda desenhada em Portugal. Apesar de não ter sido editado em Portugal durante a maioria da sua existência, as revistas brasileiras que chegavam aos pontos de venda de periódicos foram o suficiente para que se criasse um conjunto de leitores aficcionados pelo personagem em território nacional. Seria a 14 de agosto de 2005 que os fãs portugueses de Tex Willer teriam direito à primeira edição nacional do personagem, no 8.º volume na série Os Clássicos da Banda Desenhada – Série Ouro, com o Tex a defrontar o Mefisto pela segunda vez.

Anos depois, os fãs organizar-se-iam oficialmente no Clube Tex Portugal, o único dedicado exclusivamente a um único personagem de banda desenhada no nosso país. Este fim de semana, tem lugar a 5.ª Mostra anual do clube, na qual são expostos trabalhos de autores texianos, com a presença dos mesmos.

Começa também a ser de praxe a editora Polvo publicar um volume dedicado ao personagem durante a Mostra, numa série que atinge este ano o quinto volume. Capitan Jack, da autoria de Tito Faraci e Enrique Breccia, corresponde ao #31 da série anual Tex Albo Speciale, comummente designado por Texone, dadas as suas maiores dimensões. Inclusivamente, no Brasil, a Mythos edita esta série sob o nome de Tex Edição Gigante. Os leitores que colecionavam a série brasileira, cujo 30.º número foi o último a ser distribuído em Portugal, podem, deste modo, prosseguir a coleção com a publicação portuguesa.

Relativamente aos autores, dispensam apresentações. Tito Faraci é um nome recorrente nas bandas desenhadas da Disney publicadas pela Goody e anteriores editoras, tendo sido publicadas em Portugal cerca de um quarto das mais de 400 bandas desenhadas que escreveu para a Disney. De Enrique Breccia, recentemente a Levoir publicou A Vida de Che, a Vitamina BD tinha publicado Lovecraft em 2004 e os leitores mais antigos poder-se-ão recordar de Alvar Mayor a ser publicada nas revistas da 2.ª série de Selecções BD.

É verdade que as revistas brasileiras do Tex e demais publicações da Mythos deixaram de ser distribuídas em Portugal e nem está previsto regressarem aos pontos de venda de periódicos nacionais a médio prazo. No entanto, se se relembrar que na Colecção Bonelli da Levoir também constam 2 álbuns dedicados a Tex, num curto espaço de tempo foram editados 7 álbuns de Tex, estando-se, portanto, em plena época de ouro editorial para o personagem no nosso país.

Clique nas imagens para as visualizar em toda a sua extensão:

Eis a sinopse:

No sul do Oregon, Hooker Jim e o seu grupo de índios exterminam a família de Foster, um ex-ranger e velho amigo de Tex. No seu leito de morte este clama por vingança e Tex parte em perseguição do impedioso personagem. Entretanto, o confronto entre os Modocs e o Exército dos Estados Unidos é iminente. O Coronel Wheaton foi o escolhido para combater os índios e a implantação maciça de meios militares e de um grande contingente de soldados faz com que esteja seguro da vitória. Os índios, por seu lado, podem contar com o valioso conhecimento do local do futuro campo de batalha, os “leitos de lava”, uma extensão de rochas, fendas e cavernas onde se refugiam. Nesta aventura, baseada em acontecimentos reais, Tex irá cruzar-se com Capitan Jack, o chefe da tribo que irá liderar a heróica e desesperada resistência do seu povo, durante os anos de 1872 e 1873, contra os militares, mas que acabará traído pelo próprio Hooker Jim.

Tito Faraci (Gallarate, Varese, 1965) começou pela música e chegou, em 1995, ao universo Disney. Com Giorgio Cavazzano (a quem apelida de “mentor”), criou o personagem Rock Sassi e realizou inúmeras histórias, entre as quais a BD do Homem-Aranha Il segreto del Vetro (2004) para a Marvel, bem como Jungle Town (2006) para a Disney (vencedora do Prémio dos Leitores Melhor BD Policial na 1.ª edição dos Prémios BD Disney). A editora Einaudi dedicou-lhe, em 2000, Topolino Noir, uma antologia das suas melhores histórias criminais para o universo Disney. A sua colaboração com a Sergio Bonelli Editore começou em 1999, escrevendo para Dylan Dog. Elaborou também argumentos para Nick Raider, Mágico Vento, Martin Mystère, Speciale Cico e criou ainda Brad Barron, protagonista de uma aclamada minissérie de 18 números e de vários especiais. De 2005 é L’ultima battaglia, romance gráfico desenhado pelo americano Daniel Brereton para a Disney. Em abril de 2007, juntou-se à equipa de argumentistas envolvidos na criação de Tex. Escreveu ainda uma segunda história para a Marvel, desenhada por Claudio Villa. Na Topolino publica em 2008 A Verdadeira História de Novecentos, escrita com a ativa colaboração de Alessandro Baricco. Esta parceria produziu, em 2010, a adaptação a BD do romance Senza sangue, desenhado por Francesco Ripoli e editado pela Edizioni BD, da qual Tito Faraci é o editor-chefe. Em 2009 publicou uma história para crianças, Ilcane Piero, avventure di un fantasma e, em 2011, Oltrela soglia, ambas pela Edizioni Piemme. Após um período de aventuras radiofónicas e de escrita para música publicou, em 2015, pela Feltrinelli, o seu romance La vita in generale.

Enrique Breccia (Buenos Aires, 1945), realizou o seu primeiro trabalho como profissional em 1968, quando, juntamente com o seu pai, Alberto Breccia, ilustrou A Vida de Che, uma biografia do revolucionário “Che” Guevara escrita por Héctor Germán Oesterheld. Para a inglesa Fleetway, em 1972, desenha Spy 13 sob pseudónimo e, em seguida, uma série de histórias de guerra para a revista italiana Linus. Remonta a 1976 a sua colaboração com o argumentista Carlos Trillo, com, entre outras, El Buen Dios e Alvar Mayor, um dos seus mais famosos personagens. Em 1983, desenhou Ibáñez, escrito por Robin Wood, e, no ano seguinte, Sueñero El Tiempo. Adaptou para Banda Desenhada vários clássicos da literatura, como A ilha do Tesouro e Moby Dick. Com texto de Felipe Hernández Cava, em 1987, publicou Lope de Aguirre. Em 2000 iniciou a sua colaboração com a Marvel e DC Comics, para a qual desenhou Legion Worlds e Batman: Gotham Knights. Ilustrou, em 2002, o romance gráfico Lovecraft, escrito por Hans Rodionoff. De 2005 a 2007, tornou-se no desenhador principal de Swamp Thing. Destinado ao mercado francês e sob textos de Xavier Dorison desenhou Les Sentinelles (Delcourt, 2011). Em Lucca (Itália), foi galardoado com o prémio Gran Guinigi como “Maestro del fumetto”, em 2011. Para a Sergio Bonelli Editore criou uma história de Dylan Dog, em 2012. Recebeu ainda um “Diploma de Mérito” dos Prémios Konex, como um dos melhores ilustradores da última década na Argentina. Vive actualmente em Spoleto, Itália, onde vem colaborando com a editora 001 Edizioni.

Capitan Jack
Tito Faraci & Enrique Breccia
Série: Tex – Romance Gráfico, n.º 05
Editora: Polvo
Páginas: 228, a preto e branco
Encadernação: capa mole com badanas
Dimensões: 24,5 x 18,5 cm
ISBN: 978-989-8513-70-0
PVP: €16,99