Uma das novidades no XIV Festival Internacional de BD de Beja foi a publicação A Cortina das Aves Canores: Prelúdio, com argumento de Nuno Filipe Cancelinha e ilustrações de Raquel Costa.

Trata-se da primeira incursão do estúdio Little Black Spot na banda desenhada e é o primeiro passo de uma estória maior, que gostariam de editar em várias partes, ao longo do tempo.

Com o intuito de recolherem feedback sobre o seu primeiro trabalho em banda desenhada, elaboraram este Prelúdio especialmente para esse fim, a partir de um esqueleto de história previamente existente.

Os prazos obrigaram a que as 10 páginas que constituem esta publicação fossem produzidas no espaço de uma semana, o que ditou não terem sido arte-finalizadas.

Clique nas imagens para as visualizar em toda a sua extensão:

Eis a sinopse:

A Cortina das Aves Canoras é uma aventura pelo mundo das narrativas,  pela forma como nos definem e, tantas vezes, condicionam. Pela forma como nos fazem sentir, cumulativamente, únicos e especiais e pertencentes a algo que nos transcende. É uma estória que começa com um mistério. Querem ouvi-la?


Nuno Filipe Cancelinha
 nasceu em 1982 em Trás-os-Montes. Estudou Direito e já foi livreiro e professor de natação. É cofundador do Little Black Spot Creative Studio, onde cria estórias como gestor de marca, redator e diretor de projeto.


Raquel Costa
 nasceu no Porto em 1979. Formou-se em Artes Plásticas – Escultura pela Faculdade de Belas Artes do Porto e é Mestre em Ensino de Artes Visuais. É atualmente docente na Escola Superior de Design do IPCA e cofundadora do Little Black Spot Creative Studio, desenvolvendo trabalho em áreas como a ilustração e o design, com foco nos mercados editorial  e publicitário.

Aos leitores interessados, avisa-se que restam poucos exemplares disponíveis do Prelúdio d’A Cortina das Aves Canoras, podendo entrar em contacto com os autores através do e-mail hello@littleblackspot.com.