O nono volume da Colecção Bonelli intitula-se “Mister No: OVNIS na Amazónia”. Este volume conta com uma capa exclusiva para a edição portuguesa da autoria de Fabio Civitelli, com as cores a cargo do português Ricardo Venâncio.

Mister No, o personagem criado por Sergio Bonelli sob o pseudómino Guido Nollita em 1975, é, desta forma, pela primeira vez publicado em Portugal. O volume é composto por duas bandas desenhadas. A primeira, OVNI, escrita por Tiziano Sclavi e ilustrada por Civitelli foi publicada nas últimas páginas de Mister No #107 e nas primeiras páginas do #108, em 1984, com os títulos originais UFO e Alien! A segunda BD constante do volume intitula-se Garimpeiros, com autoria de Nollita e Roberto Diso, tendo sido distribuída nas bancas nacionais em 2006, aquando da importação da revista brasileira Tex e os Aventureiros #4.

Clique nas imagens para as visualizar em toda a sua extensão:

Eis a sinopse da editora:

Mister No é um piloto americano, Jerrome (Jerry) Drake, sobrevivente da segunda guerra mundial que desiludido com a violência e as imposições da sociedade ocidental abandonou a América, e escolhe no coração da Amazónia a cidade de Manaus para viver como guia turístico. Honesto, sincero, preguiçoso, amante de álcool e de mulheres bonitas, está sempre pronto para se lançar em novas aventuras, é um rebelde por natureza, como demonstra o seu apelido – Senhor Não.

O livro que apresenta Mister No aos leitores portugueses, comporta duas histórias. A primeira, “Ovni”, conta a história da queda de um satélite russo em plena selva amazónica que provoca a destruição do avião de Mister No e a hostilidade dos indígenas, que vêm no estranho fenómeno um sinal dos Deuses.Um encontro inesperado, que ocorre na sequência da queda de um satélite russo em plena selva amazónica, provocando a destruição do avião de Mister No e motivando a hostilidade dos indígenas, que vêem no estranho fenómeno um sinal de desagrado divino. A história de uma amizade improvável que floresce, independentemente das bandeiras e das ideologias, como sucede com No e Arkady, o cosmonauta russo, escrita um ano antes de Gorbachov subir ao poder, é um tema grato a Sergio Bonelli, mas Sclavi não deixa de juntar o seu toque pessoal, introduzindo, de forma ambígua, alguns elementos fantásticos na narrativa. Uma história muitíssimo bem ilustrada pelo traço de grande detalhe  e legibilidade de Fabio Civitelli, que se revela senhor de um apuradíssimo jogo de sombras, bem evidente nas cenas nocturnas e nos pesadelos de Mister No e de um óptimo sentido de mise-en-scène, de que a entrada em cena de Arkady, com o seu traje espacial, é um exemplo perfeito

A segunda história, Garimpeiros, é uma história curta escrita pelo próprio Sergio Bonelli (com o pseudónimo Guido Nolitta) e desenhada por Roberto Diso, que começou a desenhar Mister No logo na edição n.º 5 e que, com o tempo, acabou por se tornar o mais importante desenhador da série, ocupando-se também das capas da revista a partir do n.º 116. Bem representativa da colaboração da dupla, “Garimpeiros” coloca Mister No em confronto com diferentes aspectos da ganância humana, quando é obrigado a transportar os cunhados de um garimpeiro brasileiro até ao local onde este supostamente encontrou a jazida que o tornou um homem rico.

nota: imagens cedidas pela editora.

SOBRE O AUTOR |

Rodrigo RamosAdministrador
É administrador do site. Licenciado em Informática agrega no Bandas Desenhadas dois mundos que adora a web e a banda desenhada.