A JBC, editora especializada em manga no Brasil, chega agora a Portugal. Acumulando uma experiência de 25 anos no mercado da cultura japonesa, a Editora JBC faz parte do JBGroup, um grupo de comunicação que nasceu no Japão em 1992 e, desde 2001, publica manga no Brasil. Atualmente, a JBC imprime no Brasil  dez novos títulos de banda desenhada japonesa por mês, atingindo o número de 1 milhão de exemplares por ano. A partir de agora, inicia-se uma nova produção idealizada especialmente para Portugal, com mangas produzidos e adaptados 100% em território português.

The Ghost in the Shell, da autoria de de Masamune Shirow, é o primeiro título da JBC Portugal, o qual já está numa gráfica em Sintra e, na próxima semana, estará disponível para ser distribuído nas livrarias.  Trata-se de um grande clássico do Japão que, com certeza, despertará atenção dos leitores.

Inédita em Portugal, a nova versão tem acabamento de luxo, seguindo o mesmo padrão da versão brasileira, a primeira no mundo a usar os ficheiros remasterizados pelo próprio autor. O mesmo material foi utilizado para esta versão portuguesa. A sobrecapa foi impressa com duas cores extras, usando no total seis cores na sua composição. Tem ainda um formato especial (17 x 24 cm – bastante maior que o manga tradicional japonês), além do papel Lux Cream nas páginas internas. São 352 páginas, sendo que destas 62 são coloridas, tratando-se, portanto, de uma verdadeira edição de colecionador.

A pedido do próprio autor, as badanas continuam em japonês, para preservar a escrita à mão em kanji (caracteres japoneses), com a tradução no final do mangá. Para manter a obra mais próxima possível do original japonês, a quarta capa é trilíngue: em inglês, japonês e com inserções em português.

Publicada originalmente no Japão entre 1989 e 1991, The Ghost in the Shell é uma das obras mais com mais impacto entre os mangas de ficção científica, tendo influenciado diretamente muitas obras posteriores, inclusivamente o filme norte-americano Matrix. O manga aborda, quase “filosoficamente”, a Inteligência Artificial, tema absolutamente atual.

Em 1995, o renomado realizador japonês Mamoru Oshii transportou para os ecrãs de cinema o universo idealizado por Masamune Shirow para a banda desenhada, tornando-se o anime um dos maiores fenómenos de culto de todos os tempos.

Posteriormente, o manga The Ghost in the Shell prosseguiu com 6 séries animadas e mais 3 longa-metragens de animação. No ano passado, foi adaptado em Hollywood, com a atriz Scarlett Johansson (a Viúva Negra dos Vingadores) na pele da Major Kusanagi.

Apesar de ser uma obra única, no começo dos anos 2000, Masamune Shirow regressou ao universo da Major Kusanagi nos mangas. Foi publicado The Ghost in the Shell 2.0 e, posteriormente, a versão 1.5 da sua obra original de 1989. Estas duas bandas desenhadas estão nos planos da JBC Portugal para serem publicadas no nosso país.

Influenciado por obras “cyberpunk” do final dos anos 1980, como o manga Akira e o filme Blade Runner – Perigo Iminente, o cenário escolhido por Masamune Shirow para The Ghost in the Shell foi o futuro distópico de 2029, em que a alta tecnologia se mescla com uma sociedade decadente e desigual. É neste universo à beira do colapso que a Major Motoko Kusanagi é a principal agente da Secção 9 da Segurança Pública japonesa. Motoko é uma ciborgue altamente treinada, que tem como missão desvendar uma série de crimes cibernéticos realizados por um hacker conhecido como o Mestre dos Fantoches. Durante a caça ao criminoso virtual, Masamune Shirow insere no argumento questões existencialistas, ponderando inclusivamente se alguém provido meramente de Inteligência Artificial é, de facto, um ser vivo. E foi exatamente essa mistura de ficção científica, ação e temas filosóficos que fizeram do manga The Ghost in the Shell uma leitura obrigatória.

Quem são os personagens principais do manga? A Major Motoko Kusanagi é a principal agente da Secção 9 da Segurança Pública japonesa. Motoko foi altamente treinada para combates e, por ser uma ciborgue, possui algumas habilidades especiais, como força, agilidade e inteligência sobre-humanas, além da capacidade de camuflagem.

Batou é o braço direito de Motoko. Está sempre a dar cobertura para a sua comandante quando se encontram em missão. Não sendo um ciborgue, também possui próteses robóticas. O Chefe Daisuke Aramaki é o Chefe da Secção 9 e comandante de Motoko. É ele quem dá à Major as mais complexas missões, enquanto lida com a política interna do Governo. Apesar de não gostar de o demonstrar, preocupa-se muito com a integridade de sua equipe. O Mestre dos Fantoches é o lendário super hacker que comete crimes cibernéticos. Ninguém sabe quem ele é ou se existe de verdade. É perseguido pela Motoko e a Secção 9.

Masamune Shirow é um dos mangakas mais proeminentes do movimento cyberpunk que tomou o Japão nos anos 1980. Nascido em 1961, em Kobe, começou sua carreira em 1983 com o título Black Magic. A partir de 1985, contabilizou grandes sucessos do género como Dominion e Appleseed. Shirow viria a publicar sua obra mais famosa em 1989. The Ghost in the Shell, originalmente editado pela Kodansha, se tornou-se um sucesso mundial, foi adaptado para filmes animados para o cinema e para séries de TV e vídeo. Dois anos depois do lançamento de The Ghost in the Shell, Masamune Shirow criou Orion.

The Ghost in The Shell
Masamune Shirow
Editora: JBC Portugal
Páginas: 352, 62 das quais coloridas, Papel Lux Cream
Formato: 17 x 24 cm
Encadernação: Sobrecapa com 2 cores especiais (além das 4 cores normais)
PVP: 34,99€

Outras Leituras