Este mês, a Asa reeditou o 54.º título da série Lucky Luke. Denominado A Noiva de Lucky Luke, tem a autoria de Morris (1923-2001), com a colaboração de Guy Vidal (1939-2002) no argumento. Trata-se da primeira vez que a Asa edita esta BD.

Esta banda desenhada, foi originalmente publicada em 1985 no jornal Spirou (nº2479 ao nº2482) e posteriormente em álbum com o título La Fiancée de Lucky Luke. Em Portugal tinha sido serializada no Jornal da BD #233 a #240 e publicada em álbum pela Meribérica em 1996.

Eis a sinopse da editora:

Um grupo de mulheres parte rumo ao Oeste selvagem, numa arriscada travessia do continente americano com vários perigos à espreita: foras da lei, índios, animais selvagens, intempéries, etc. Escoltadas por Lucky Luke, o seu objetivo é alcançarem uma região remota unicamente habitada por homens para aí encontrarem marido. Ao chegarem ao destino, uma das mulheres, Jenny, vê gorados os seus intentos, já que o seu prometido se encontra na prisão. Lucky Luke é então nomeado seu protetor, missão que deverá exercer até à libertação do prisioneiro. Julgando-a noiva de Lucky Luke, os famosos irmãos Dalton não perdem tempo e resolvem raptá-la…

Guy Vidal (1939-2002), nascido em Marselha, França, em 1939, Guy Vidal inicia-se no jornalismo aos 17 anos de idade. Depois de uma breve passagem pela RTL (que nessa altura ainda se chamava Radio-Luxembourg), ingressa na redacção da revista Pilote na década de 1960, altura em que René Goscinny e Jean-Michel Charlier retomam o controlo deste semanário – “a revista do ano 2000”! – que haviam fundado em outubro de 1959.

Morris, nascido em 1923, em Kortrijk (Bélgica), Maurice de Bévère, conhecido como Morris, foi um dos pais-fundadores da BD. O seu pseudónimo alude à pronúncia francesa do seu primeiro nome. Após uma rápida passagem pelo curso de Direiro, inscreve-se num curso de Desenho de Jean Image, onde também aprende a técnica de animação. Pouco depois ingressa na Compagnie Belge d’Actualités, um estúdio de desenhos animados, onde conhece André Franquin, Eddy Paape e Peyo. Em 1945 é contratado para ilustrar a revista humorística Le Mousquite, de que virá a assinar mais de 250 capas. É nesta altura que decide optar pelo pseudónimo de Morris para assinar o argumento e os desenhos das primeiras aventuras de Lucky Luke, repletas de humor. Estas aparecem pela primeira vez, sob o título Arizona 1880, no Almanach Spirou 1947. Graças ao traço simples, mas muito expressivo e eficaz, do seu criador, Lucky Luke rapidamente se transforma numa das figuras incontornáveis da BD mundial. Entre 1948 e 1955, Morris percorre os EUA com os seus amigos Franquin e Jijé e aí conhece a equipa da revista Mad: Harvey Kurtzman, Jack Davis e Wallace Wood. Em Nova Iorque conhece René Goscinny, com quem trabalhará em conjunto até à morte de Goscinny em 1977. desde então, vários outros argumentistas trabalharam com Morris. As aventuras de Lucky Luke estão traduzidas em cerca de trinta línguas e com vendas totais de várias centenas de milhão de exemplares. Em 1990, Morris funda a Editora Lucky Productions, entretanto transformada em Lucky Comics, no âmbito de uma parceria com as Éditions Dargaud. A 27 de junho de 1992 foi galardoado com o Grande Prémio especial “20.º Aniversário” do Festival Internacional de BD de Angoulême. Morris faleceu a 17 de julho de 2001, com 77 anos.

Lucky Luke: A Noiva de Lucky Luke
Guy Vidal & Morris
Editora: Asa
Páginas: 48
Encadernação: capa dura
Formato: 227 x 295 x 8 mm
ISBN: 978-989-23-4223-8
PVP: 10,90€

 

SOBRE O AUTOR |

Rodrigo RamosAdministrador
É administrador do site. Licenciado em Informática agrega no Bandas Desenhadas dois mundos que adora a web e a banda desenhada.