Quando:
14/01/2017@16:00_29/04/2017@18:00
2017-01-14T16:00:00+00:00
2017-04-29T18:00:00+01:00
Onde:
Biblioteca Municipal Fernando Piteira Santos
Avª Conde Castro Guimarães, 6, 2700-260 Amadora
Portugal

Exposição ‘Horizonte, azul tranquilo – retrospetiva da obra de Fernando Relvas’

Este sábado, pelas 16h00, a Bedeteca da Amadora inaugurará a exposição ‘Horizonte, azul tranquilo – retrospetiva da obra de Fernando Relvas’, homenageando o trabalho de mais de quatro décadas de um dos maiores autores nacionais de Banda Desenhada.
Esta mostra integra o programa da Bedeteca Os Cinco Sentidos da Banda Desenhada.

Patente até 29 de abril de 2017.

Entrada livre.

Sinopse
«A multifacetada obra de Fernando Relvas apresentar-se-á numa retrospectiva abrangente, mostrando trabalhos éditos e inéditos, de banda desenhada, ilustração, cartoon, esboços, algum material do qual jamais foi exposto.
Com obras desde 1970 a 2016, haverá espaço para compreender a longa viagem autoral que atravessou fanzines, revistas especializadas de banda desenhada (da Fungagá da Bicharada à Tintin), jornais e publicações periódicas (acima de todas, o jornal Se7e), álbuns de projectos institucionais e a auto-edição, e mesmo outras linguagens artísticas, inclusive a animação.
Um percurso nervoso por entre géneros e humores, métodos e técnicas, veículos de publicação e modos de produção e circulação servirá de retrato de uma incessante e intranquila busca pela expressividade própria da banda desenhada, e outros territórios contíguos, mas cuja leitura e apreciação atenta desvendará um autor que é um verdadeiro sismógrafo da sociedade portuguesa e global das últimas décadas. A sua imensa galeria de personagens, nenhuma das quais assumiria o papel de “herói clássico”, são igualmente um espelho das gentes comuns que se tentam eclipsar às imposições dessa mesma sociedade.
Tumultuosa, variegada, por vezes virulenta e quase sempre sarcástica, a lavra de Relvas é uma obra-maior no panorama nacional, ainda que sob muitos aspetos fragmentária. O que não deixa de contribuir para um horizonte coeso, vincado, pessoalíssimo, onde repousará a tranquilidade do leitor.»

Pedro Moura | programador cultural da Bedeteca