Quando:
10/09/2016@19:00_29/09/2016@22:00
2016-09-10T19:00:00+01:00
2016-09-29T22:00:00+01:00
Onde:
Passe Vite
R. Maria da Fonte 54A
1170-211 Lisboa
Portugal
Contacto:

No dia 10 de setembro é inaugurada na Passe Vite, em Lisboa, a exposição de banda desenhada de Filipe Abranches, Sequência Mínima. está patente atá 29 de setembro.

Eis a divulgação:

A noção principal que ordena esta mostra de trabalhos de Filipe Abranches – o mínimo indispensável na banda desenhada – entrosa-se com algumas preocupações teóricas que partilho. Que mínimo é necessário? Na compreensão de que terá de se recorrer a algumas reduções, a primeira a de considerar a banda desenhada como meio narrativo (quando não o é sempre nem necessariamente), a segunda a de olhar a própria narrativa como a representação de um evento, chegaremos à ideia de pequenas construções de relações entre as imagens que colocam em funcionamento os mecanismos cognitivos da leitura. Contamos e lemos – actos narrativos – para interpretar e compreender. Algumas das peças de Abranches surgem como micro-narrativas, que colocam em crise o princípio crono-lógico (o hífen não é gralha, mas programa teórico) dos elementos propostos. Somos convidados a sair da familiaridade e do conforto da causalidade, da ordem, da subsunção a uma intriga, para compreendermos as crises ontológicas e os saltos de fé que fazemos ao lermos banda desenhada, os quais estão na base da leitura que lhe é mediologicamente específica. Assim compreendemos os movimentos de unificação, de diálogo, de tessitura que criamos nessa leitura. Estas imagens obrigam-nos a uma súbita e intensa atenção para algo diluído num comportamento mais “usual”, aos desequilíbrios que nutrem o ímpeto da sequência. – Pedro Moura

abranchespassevite