bandas desenhadas

O PÚBLICO e a ASA editam a BD humorística Os Túnicas Azuis assinada pela dupla Cauvin/Lambil, que tem como pano de fundo a Guerra da Secessão.
Uma colecção de 15 títulos, dos quais 9 são inéditos em Portugal, com edição em capa dura, 48 páginas e um desenho no conjunto das lombadas.
Todas as quartas-feiras a partir do dia 9 de novembro, por mais 6,95€.

prelease_tunicas_azuis1

N.º saída

Títulos originais

Data de saída

1

Os Cavaleiros do Céu

09-11-2016

2

A Prisão de Robertsonville (inédito em pt)

16-11-2016

3

Os Azuis da Marinha

23-11-2016

4

Os Azuis a Preto e Branco

30-11-2016

5

Rumberley (inédito em pt)

07-12-2016

6

Bronco Benny (inédito em pt)

14-12-2016

7

O Frade

21-12-2016

8

O Submarino David

28-12-2016

9

Black Face (inédito em pt)

04-01-2017

10

O Ouro do Quebeque (inédito em pt)

11-01-2017

11

A Batalha de Bull Run (inédito em pt)

18-01-2017

12

A Loucura dos Azuis (inédito em pt)

25-01-2017

13

O Ouvido de Lincoln (inédito em pt)

01-02-2017

14

Motins em Nova Iorque (inédito em pt)

08-02-2017

15

A Recruta dos Azuis

15-02-2017

prelease_tunicas_azuis

Raoul Cauvin
Nascido em Antoing (Bélgica) a 26 de Setembro de 1938, Raoul Cauvin ingressa em 1960 nas Éditions Dupuis, assumindo inicialmente as funções de letrista. Rapidamente, porém, se torna operador de câmara no Departamento de Desenhos Animados, onde permanece durante 7 anos.
É durante esses anos que descobre a sua paixão pela escrita de argumentos. Convidado pelo próprio Charles Dupuis a iniciar-se nessa área, as suas primeiras incursões são feitas sobretudo com colaboradores internos da casa.
1968 é, sem qualquer dúvida, o ano chave da sua carreira: é nesse ano que Cauvin lança, juntamente com Salvérius, Os Túnicas Azuis, uma banda desenhada que o acompanhará até à actualidade. Após a morte do desenhador, em 1972, é Lambil quem o substitui e é com esta nova dupla que a série virá a alcançar o estatuto de bestseller que ainda hoje lhe é reconhecido, com mais de 15 milhões de exemplares vendidos em língua francesa e inúmeras traduções um pouco por toda a Europa.
Cauvin torna-se, entretanto, autor de várias outras séries de sucesso.

Willy Lambil
Nascido a 14 de Maio de 1936 em Tamines (Bélgica), Lambil ingressa aos 16 anos de idade nas Éditions Dupuis, sendo contratado como letrista depois de ter frequentado durante um ano a Academia de Belas-Artes de Bruxelas.
Contando com Henri Gillain para o argumento da sua primeira história, torna-se posteriormente, em 1959, colaborador regular do Journal de Spirou, com as aventuras de um rapazinho e do seu canguru, Sandy et Hoppy.
Em 1972, na sequência do falecimento de Louis Salvérius (Salvé), Lambil assume com sucesso Os Túnicas Azuis, uma série lançada em 1968 por aquele desenhador e pelo jovem argumentista Raoul Cauvin. É assim que se vê responsável pelo destino gráfico dos dois truculentos heróis, Blutch e Chesterfield, aventurando-se num universo que não lhe é de todo familiar. Mas… não seja por isso! Lambil vai documentar-se e dar provas de uma extrema tenacidade, vencendo claramente o desafio assumido e dando assim o seu inegável contributo para elevar Os Túnicas Azuis ao cobiçado estatuto de bestseller.
Em 2006, Willy Lambil foi agraciado com o Grand Prix Saint-Michel pelo conjunto da sua obra.

SOBRE O AUTOR |

Rodrigo Ramos
Rodrigo RamosAdministrador
É administrador do site. Licenciado em Informática, agrega no Bandas Desenhadas dois mundos que adora - a web e a banda desenhada.