Já se encontra à venda o 9.º tomo da série Jim Del Monaco, do duo Louro & Simões, cujo trailer tínhamos disponibilizado aqui. Ladrões do Tempo foi então publicado somente em 2017, com a série a celebrar os 32 anos de existência em outubro próximo.

O tempo a que se refere o título pode ter pelo menos três leituras possíveis nesta obra. Uma delas são as viagens temporais, a que regressaremos. Outra é a assumpção de que o leitor dificilmente encontrará o sentido da vida nesta obra, sendo um exercício de escapismo que entretém e rouba o tempo, a que regressaremos também. E outra ainda a de que o entretenimento que Jim Del Monaco propõe é também fruto do seu tempo de criação, com porções que foram sendo mais esquecidas e outras exacerbadas com o passar das décadas.

Algo comum ao desenrolar desta comédia de aventura é a ausência de um eventual politicamente correto. O retrato do africano Tião permanece o estereótipo por demais conhecido, acompanhado pela evocação do restaurador Olex e da Lili Caneças, a sátira à inteligência das louras ou o maniqueísmo alimentado pela presença dos cientistas nazis…

Alguns dos géneros que eram reis do escapismo de outrora mas que permanecem atuais no cinema, BD e noutras formas de entretenimento – aventura na selva e/ou com dinossauros, ficção científica com viagens temporais e/ou cientistas nazis – são o pout-pourri encontrado para cativar os leitores para um Jim Del Monaco num período qualquer do passado em que tenham existido dinossauros, bem como projetá-lo no futuro londrino de 2017. A vilã, a nova personagem feminina, é batizada na senda da heroína da série, quiça proveniente de uma fase em que os leitores de BD se divertiam com os nomes de Gina e Greta para as personagens femininas, ou levantavam o mais que podiam as pálpebras quando as personagens femininas da banda desenhada usavam reduzida roupa para se banharem ou viverem as suas aventuras, por vezes em momentos mais brejeiros que até evocam a manete de mudanças.

Relativamente ao constante trocar do nome do agente com 6 algarismos foi perpetuado in extremis, ficando a dúvida se se tratava de um desfilar de efemérides importantes para os autores.

Do ponto de vista estrutural, a evocação do passado também se apresenta pela inclusão de pequenos capítulos, com direito a subtítulo, herdeiros da publicação de um limitado número de páginas de bandas desenhada em revistas, a que a própria série Jim Del Monaco não é estranha.

Registe-se ainda que, para os curiosos com a Guerra dos Ossos citada no volume, existe uma banda desenhada que a retrata, lida por nós há mais de uma década, denominada Bone Sharps, Cowboys, And Thunder Lizards: A Tale of Edward Drinker Cope, Othniel Charles Marsh, and the Gilded Age of Paleontology, escrita por Jim Ottaviani e desenhada pela empresa Big Time Attic (G.T. Labs, 2005).

No que toca ao desenho e colorização da BD Ladrões do Tempo, aos fãs de Luís Louro é assegurado que não ficarão desiludidos com o 9.º volume desta série.

Eis a sinopse da editora:
A inauguração de um museu de paleontologia, que esconde um poderoso segredo, está no centro de uma conspiração de perigosos extremistas amantes de práticas desviantes que desejam restabelecer a nova ordem mundial. Quando, inusitadamente, rebenta uma velha guerra de ossos, é revelada a verdade que deu buraco, o mesmo através do qual se inicia uma perseguição errática no tempo, que leva Jim Del Monaco ao regresso ao passado e a um salto ao futuro, sempre no encalço dos meliantes com ameaçadoras criaturas a morderem-lhe os calcanhares.

Jim Del Monaco vol. 9: Ladrões do Tempo
Tozé Simões & Luís Louro
Editora: Asa
Páginas: 48
Apresentação: capa dura
Formato: 296 x 07 x 225 mm
ISBN: 9789892338668
PVP: 14,95€

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.