De repente, toda a população de Manhattan desenvolveu poderes de aranha – e nem todos querem usá-los responsavelmente!

Já se encontra nas bancas o quinquagésimo quinto volume da Coleção Oficial de Graphic Novels Marvel, intitulado Ilha-Aranha – Parte 1, com argumento de Dan Slott, com Fred Van Lente e Rick Remender, arte de Humberto Ramos e Stefano Caselli com Tom Fowler e Minck Oosterveer. Este volume conta com um total de 160 páginas e reúne os números #666-669 de The Amazing Spider-Man, o número 6 de Venom e Spider-Island: Deadly Foes.

Eis a sinopse da editora:

“De repente, toda a população de Manhattan desenvolveu poderes de aranha – e nem todos querem usá-los responsavelmente! Criados pelo Chacal, um dos inimigos mais diabólicos do Aranha, estes melhoramentos aracnídeos improvisados são apenas o primeiro passo do seu plano perverso! Conseguirá Peter Parker descobrir uma forma de anular este esquema do cientista psicopata, antes que a cidade seja assolada por uma praga de trepadores de paredes?”

Dan Slott é um escritor cujo estilo tem a combinação perfeita entre ação e sensibilidade emocional que se adequa ao espetacular Homem-Aranha. No entanto, o mais importante na sua longa fase nas aventuras do Cabeça de Teia é que ele sabe ser engraçado. Pegou no sentido de humor do Aranha e percebeu que as piadas eram tão importantes quanto as teias nas sagas do herói. Quando Ilha-Aranha surgiu, Slott tinha assumido o cargo de escritor a tempo integral do Homem-Aranha, e concebeu uma história que une muitos aspetos diferentes da mitologia do Aranha, incluindo a saga do clone e a enigmática Madame Teia. A premissa de que os cidadãos de Manhattan se vêem repentinamente com poderes de aranha permite contar uma história fantástica, e Slott explora o tema central da relação entre poder e responsabilidade de uma maneira totalmente nova.
Tal como Slott, o desenhador Humberto Ramos é outra escolha perfeita para o Homem-Aranha. Ele é um artista excecional, com um estilo único e um dom fantástico para o ritmo e a narração de histórias, e um trabalho figurativo estranhamente angular, mas incrivelmente fluido, que de facto capta a essência do trepador de paredes.
(do prefácio de Marco Lupoi, Diretor de Publicações da Panini)

O que Veio Antes:

O Prof. Miles Warren é o Chacal – um bioquímico malévolo, cujas experiências de clonagem causaram muitos problemas ao Homem-Aranha. Foi professor do Peter Parker e também de Gwen Stacy, por quem desenvolveu uma paixão obsessiva. Culpando o Homem-Aranha por não salvar Gwen, criou diversos clones de ambos, que utilizou para se vingar do trepador de paredes.

A vida de Peter mudou drasticamente nos últimos meses. Separou-se de Mary Jane e está agora a namorar a agente Carlice Cooper, que desconhece a sua vida dupla como Homem-Aranha. Tem um novo emprego nos Laboratórios Horizon, a desenvolver tecnologia de ponta. Além disso, é agora membro dos Vingadores e da Fundação Futuro. A tia May também passou por grandes mudanças nos últimos tempos. Está agora casada com Jay Jameson, pai do ex-editor do Clarim Diário e agora Presidente da Câmara de Nova Iorque, J. Jonah Jameson. Recentemente, Peter sofreu um  revés no seu papel de super-herói, e perdeu o seu sentido de aranha. Para compensar isso, Shang-Chi, o Mestre do Kung Fu, tem vindo a ensinar-lhe artes marciais para desenvolver uma melhor consciência do que o rodeia.

Outras Leituras