O terceiro álbum da série Descobridores é dedicado a Tenzing Norgay, o primeiro homem a escalar o Evereste.

Após Fernão Magalhães e a primeira parte do díptico dedicado a Charles Darwin, o terceiro volume da série Descobridores da Gradiva é dedicada a Tenzing Norgay, o primeiro homem a escalar o Evereste. Novamente com argumento de Christian Clot, os desenhos competem desta vez ao francês Jean-Baptiste Hostache.

Quando os ingleses propuseram ao xerpa Tenzing ser o sirdar (o líder dos guias da montanha) da sua expedição ao Evereste em 1953, ele só aceitou com uma condição – ser considerado um alpinista por direito próprio e ter a hipótese de atingir o cume. Este tipo de solicitação era inédita, mas os ingleses aceitaram-na devido à experiência de Tenzing e convencidos de que poderiam dispensá-lo na subida final. Depois de sete fracassos, conquistar o Evereste era uma obrigação estratégica para a Inglaterra e o seu prestígio internacional. Diante destes enormes desafios, Tenzing, com o seu sonho de infância de escalar o teto do mundo, estava isolado. No entanto, a sua força de carácter e as suas habilidades de escalada permitiram que ganhasse a confiança do Coronel Hunt, o líder da expedição, e a amizade de Edmond Hillary. No momento da escolha, Hunt optou por Hillary e Tenzing, que se tornaram os dois primeiros homens no topo do Evereste. Mas a Inglaterra aceita que um nepalês e um neozelandês sejam os dois primeiros “ingleses” no topo do mundo?

Este álbum corresponde ao quinto volume da série original francesa editada pela Glénat, Explora.

Clique nas imagens para as visualizar em toda a sua extensão:

Eis a sinopse:

O terceiro volume da colecção «Descobridores», lançada em 2018 pela Gradiva. 1953. A mais alta montanha do mundo ainda não foi «vencida», apesar dos trinta anos de esforços britânicos. Estes enviam então uma expedição que tem como objectivo único ser bem-sucedida, não olhando a meios. Há outros países que se começam a interessar pelo Teto do Mundo e a sua conquista passa a ser uma competição política. Mas uma vez nas encostas do Evereste, de que vale a política? Aí, tudo não passa de uma questão humana…

Christian Clot (Suiça, 1972) dirige expedições de exploração científica em ambientes extremos no nosso planeta. A sua constante interrogação sobre a capacidade do ser humano de se adaptar ao seu ambiente rapidamente ligou as suas expedições ao trabalho científico. Comunica através de conferências, livros e filmes, pelos quais recebeu vários prémios. Desde sempre fascinado por banda desenhada, é autor de vários livros. Depois de ter estudado para ser comediante trabalhou durante alguns anos como actor e realizador. Apaixonado pelo montanhismo e pelo paraquedismo abandona o palco para se dedicar a expedições em locais com condições climatéricas extremas. Atravessa a  América do Sul por selvas, desertos, montanhas e mares, percorre o Nepal a pé e muitos outros locais sem o recurso a qualquer meio de transporte motorizado  questionando-se constantemente acerca da capacidade que o ser humano tem de se adaptar ao ambiente que o circunda. Cruza regularmente as suas expedições com trabalhos científicos que desenvolve para laboratórios franceses e internacionais quer no que diz respeito à recolha de dados (entomologia, glaciologia,…); quer na recolha de informação no domínio da psicofisiologia nomeadamente acerca do modo como os indivíduos se adaptam e tomam decisões em ambientes extremos. Em 2006, tornou-se, após três tentativas e cinco anos de trabalho de pesquisa, o primeiro homem a entrar no centro das montanhas da Cordilheira na Terra do Fogo, no Chile, uma exploração que lhe valeu vários prémios. Mas o prazer de comunicar e contar histórias nunca o deixou. Em paralelo com o seu trabalho de campo usa vários meios para dar a conhecer o planeta, os seus lugares mais remotos, os seus habitantes e a importância de ir atrás dos sonhos. Realizou  vários filmes e já deu centenas de palestras. Mas foi na escrita que encontrou o meio de expressão perfeito para transmitir a sua visão do mundo. Hoje em dia faz expedições sempre com o objectivo de tornar o mundo mais conhecido incentivando todos, mas sobretudo os mais jovens, a lutar para alcançarem os seus sonhos e a defender o respeito pelo planeta e os seus habitantes. É argumentista de mais de 15 álbuns de banda desenhada na coleção Explora, dos quais a Gradiva editou três numa coleção com o título Descobridores.

Jean-Baptiste Hostache (França, 1981) é ilustrador de banda desenhada. Nasceu em Rouen e trabalha actualmente em Paris. Começou a sua carreira nos estúdios de animação Neomis, Xilam e SIP em 2005. O primeiro projeto de banda desenhada foi a série Cyberwerp ‘Clockwerx’, que fez em colaboração com os escritores Jason Henderson e Tony Salvaggio em 2008 e 2009. Trabalhou com Didier Poli na série, Neige Fondation (escrita por Didier Convard e Éric Adam, 2010-2012) e Les Seigneurs de Guerre (escrita por Guillaume Dorison em 2012) ambos publicados pela editora Glénat. Publicou também em 2013 pela Glenát o álbum Tenzing com texto de Christian Clot. Foi o ilustrador do primeiro tomo de Assassin’s Creed – Conspirations (2016). Com o pseudónimo Spoon, é o autor da série humorística Le Blond, iniciada em 2017.

Tenzing: No Teto do Mundo com Edmund Hillary
Christian Clot & Jean-Baptiste Hostache
Editora: Gradiva
Coleção: Descobridores, vol. 3
Páginas: 56
Encadernação: capa dura
Dimensões: 23,4 x 31,2 cm
ISBN: 978-989-616-874-2
PVP: 16,50€

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.