O terceiro mês editorial de banda desenhada em Portugal em 2019.

Março marca o fim do inverno e o início da primavera. No entanto, nem sempre o desabrochar da natureza é acompanhado por uma maior dinâmica editorial de banda desenhada no nosso país. Como foi em 2019?

Como seria de esperar, à medida que o ano vai decorrendo, são cada vez menos as editoras que se dedicam (quase) exclusivamente à banda desenhada que ainda não iniciaram o seu ano editorial, situação que também se verifica junto das editoras generalistas (de maiores ou menores dimensões) que com alguma frequência também o realizam.

PUBLICAÇÕES

O Bandas Desenhadas identificou os seguintes números de novidades de banda desenhada (publicações com BD em mais de 50% das suas páginas), segundo o formato:
– Livros: 21
– Revistas: 2
– Outros (brochuras, etc): 2

Destes 25 lançamentos, 4 têm distribuição alternativa, isto é, não são distribuídos no canal livreiro nem em pontos de venda de periódicos. Nenhum lançamento de março é distribuído em exclusivo nos pontos de venda de periódicos; os que utilizam este canal de distribuição têm concomitantemente ou terão posteriormente distribuição em livrarias. Em resumo:
– Canal livreiro: 21 (alguns dos quais, só foram ainda distribuídos em bancas ou em eventos)
– Pontos de venda de periódicos, em exclusividade: 0
– Distribuição alternativa a livrarias e bancas, em exclusividade: 4

Conclui-se então que 16% das publicações identificadas não teve distribuição para o grande público.

Das 25 publicações de março, 10 são edições de material originalmente português. As restantes publicações têm como país de origem:
– Bélgica: 1
– EUA: 10
– França: 1
– Itália: 2
– Japão: 1

Registe-se que, apesar do material nacional corresponder ex aequo ao 1.º lugar de publicações por país, do total das 10 edições, somente 6 conhecem ou conhecerão distribuição no canal livreiro. Ou seja, 40% das publicações de autores portugueses em março não tiveram distribuição para o grande público.

No que toca à originalidade das obras sob o formato de papel no nosso país, das 25 publicações verifica-se a existência de:
– Inéditos mundiais: 9
– Inéditos em Portugal: 14
– Reedições: 2

Eis as editoras das publicações identificadas:
– Ar.Co: ½
– Arte de Autor: 1
– Câmara Municipal de Viseu: ½
– Chili Com Carne: ½
– ComicHeart: ⅚
– Devir: 1
– Dom Quixote: 1
– Escorpião Azul: 2
– G. Floy: 5 ⅚
– Gicav: ½
– Gradiva: 1
– Kingpin: ⅓
– Levoir: 4
– Manufactura: 1
– Museu Bordalo Pinheiro: ½
– Nuvem de Letras: 1
– Planeta: 1
– Serafim & Malacuéco: 1
– Tentáculo: ½
– Zone Komics: 1

E as respetivas capas:

Para esta análise não são contempladas reimpressões (nomeadamente, em março, as da Devir e Serafim & Malacuéco, Inc). Também não fazem parte desta análise as revistas e livros importados em língua francesa e na norma brasileira da língua portuguesa, distribuídos nos pontos de venda de periódicos.

Registe-se que em março identificou-se 1 publicação sobre BD:
Banda Desenhada: Ensaio sobre a Incoerência Artística, da autoria de Rita Alfaiate, editado pela Escorpião Azul.

BD PORTUGUESA EM DESTAQUE

Registe-se que, apesar do material nacional corresponder ex aequo ao 1.º lugar de publicações por país, do total das 10 edições, somente 6 conhecem ou conhecerão distribuição no canal livreiro. Ou seja, 40% das publicações de autores portugueses em março não tiveram distribuição para o grande público.

O segundo número revista anual Pentângulo, resultante da parceria entre o Ar.Co e a Associação Chili Com Carne e editada por Daniel Lima, Jorge Nesbitt e Marcos Farrajota, contou com os trabalhos de Amanda Baeza, Ana Dias, André Pereira, Daniel Lima, Dois Vês, Francisco San Payo, Francisco Sousa Lobo, Gonçalo Duarte, João Carola, João Silva, Luana Saldanha, Marcos Farrajota, Mariana Pinheiro, Mathieu Fleury, Pedro Moura, 40 Ladrões, Rodolfo Mariano, Rosa Francisco, Sara Boiça e Simão Simões, bem como com Nuno Saraiva para a ilustração da capa.

A banda desenhada A Portuguesa – História de um Hino, de José Pires, relata a criação do hino nacional, sendo esta edição do Gicav e Câmara Municipal de Viseu a primeira em que a BD é reunida numa única publicação.

A parceria da ComicHeart com a G. Floy tem em março a sua estreia editorial com mais uma BD de autores portugueses, desta feita da autoria de Luís Zhang e Fábio Veras, intitulada Filhos do Rato. Por outro lado, a ComicHeart, G. Floy e Kingpin formaram pela primeira vez uma parceria entre as três para editarem O Outro Lado de Z de Nuno Duarte e Mosi.

A Escorpião Azul continua a apostar em autores nacionais, prosseguindo a narrativa de Terra 2.7 de MAF com a sequela Ascensão. Por outro lado, edita Quinto Império: A Sombra do Triunfo de João Vasconcelos.

O cartoon está presente no livro O Grande Dicionário Gráfico dos Disparates, da autoria de Leão Perplexo, em edição da Manufactura.

Quanto à chancela de fanzines Serafim & Malacuéco, continua a associar-se às comemorações do centenário do nascimento de Eduardo Teixeira Coelho, disponibilizando a antigas e novas gerações a adaptação do conto O Suave Milagre de Eça de Queiroz.

Por seu turno, a Associação Tentáculo e o Museu Bordalo Pinheiro editaram a banda desenhada Rafael Bordalo Pinheiro – Uma Vida em Desenhos, com argumento de Bruno Pinto e Carlos Silva e ilustrações de Fil, Filipe Duarte, Miguel Santos, Rui Alex, Sofia Pereira e Xico Santos.

Por fim, a nova série da Zone Komics intitula-se Enforcer, contando com argumento de Liliana Gaito e ilustrações de Diogo Mané.

BD ESTRANGEIRA EDITADA EM PORTUGAL

Em março, quase não se iniciaram novas séries de BD estrangeira. Uma das exceções foi a G. Floy, que iniciou a série Aleph, onde passa a publicar os seus lançamentos de BD europeia. Iniciou a séries com 2 volumes do italiano e bonelliano Dylan Dog. É também a G. Floy que publica o livro que compila a primeira minissérie de Kick-Ass de Millar e Romita Jr.

Por seu turno, as Publicações Dom Quixote editaram Gravity Falls: Lendas Perdidas. São 4 histórias em banda desenhada escritas pelo próprio criador da série de animação disneyana, Alex Hirsh, ilustradas por Asaf Hanuka, Dana Terrace, Ian Worrel, Jacob Chabot, Jim Campbell, Joe Pitt, Kyle Smeallie, Meredith Gran, Mike Holmes, Priscilla Tang, Serina Hernandez, Stephanie Ramirez e Valerie Halla.

Para além destes lançamentos, as editoras prosseguiram as suas séries: a Arte de Autor com a BD belga Duke, a Devir com o último número do manga Tokyo Ghoul, a G. Floy com os comics Astonishing X-Men Descender, a Gradiva com a BD francesa Os Diários de Esther, a Levoir com os comics Batman 80 Anos, a Nuvem de Letras com as tiras norte-americanas Bia e o Unicórnio e a Planeta com os comics Star Wars.

O ANO DE 2019, ATÉ AO MOMENTO

Adicionámos os números identificados em janeiro e fevereiro aos números obtidos em março, para caracterizar o ano editorial no primeiro trimestre do ano de 2019.

Total: 
58 publicações de BD

Formato:
– Livros: 44
– Revistas: 5
– Outros (brochuras, etc): 9

Distribuição:
– Canal livreiro: 43 (alguns dos quais, só foram ainda distribuídos em bancas ou eventos)
– Pontos de venda de periódicos, em exclusividade: 1
– Distribuição alternativa a livrarias e bancas, em exclusividade: 14
Cerca de um quarto (24%) das publicações identificadas não teve distribuição para o grande público.

Países de origem:
– Alemanha: 1
– Bélgica: 1
– EUA: 23
– França: 7
– Itália: 2
– Japão: 5
– Portugal: 19
Registe-se que somente 42% das publicações de material nacional identificadas teve distribuição para o grande público.

Originalidade:
– Inéditos mundiais: 15
– Inéditos em Portugal: 36
– Reedições: 7

Publicações por editora: 
– Ar.Co: ½
– Ao Norte: 1 
– Arte de Autor: 2
– Câmara Municipal de Viseu: ½
– Chili Com Carne: 2 ½
– ComicHeart: ⅚
– Devir: 5
– Dom Quixote: 1
– Escorpião Azul: 2
– Fanzines, Incorporated: 1 
– G. Floy: 11 ⅚
– Gailivro: 1
– Gicav: ½
– Gradiva: 4
– Kingpin: ⅓
– Levoir: 8
– Manufactura: 1
– Mário José Teixeira: 1
– Museu Bordalo Pinheiro: ½
– Nuvem de Letras: 1
– Planeta: 1
– Quarto de Jade: 1
– Saída de Emergência: 1
– Serafim & Malacuéco: 5
– TailorMade: 1
– Tentáculo: ½
– Zone Komics: 3
A G. Floy lidera o segmento do mercado com 11 ⅚ edições (que correspondem a 13 livros de BD), seguida da Levoir com 8 lançamentos, da Devir com 5 publicações e da Gradiva com 4 edições. Registem-se também os 5 fanzines da Serafim & Malacuéco, Inc. na distribuição alternativa à comercial.

Edições sobre BD:
– Câmaras Municipais: 1
– Editoras especializadas em BD: 1
– Organizações especializadas em BD: 1
Do total de 3 publicações, somente 1 (33%) teve distribuição para o grande público.


nota: considerem-se os números apresentados neste artigo como pré-definitivos até à publicação do artigo referente ao ano de 2019.

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.