As adaptações de BD ao grande e pequeno ecrã que vimos em março de 2019.

As transposições de bandas desenhadas para o cinema, televisão e plataformas de streaming tornaram-se frequentes. Como acontece com todos os restantes filmes e séries, sejam obras originais ou adaptações provindas de outras áreas (teatro, literatura, videojogos, etc), poucos serão aquelas que atingem um estatuto de obra-prima ou que simplesmente ultrapassam a fasquia do mero entretenimento. Em março, continuamos a apresentar as obras que visualizámos, bem como a nossa opinião sobre as mesmas.

The Walking Dead – Temporada 9A
Criação: Frank Darabont
Ano: 2018-2019
Baseado em: comic book The Walking Dead, de Robert Kirkman, Tony Moore & Charlie Adlard
Elenco: Andrew Lincoln, Norman Reedus, Lauren Cohan, Danai Gurira, Melissa McBride, Alanna Masterson, Josh McDermitt, Christian Serratos, Seth Gilliam, Ross Marquand, Katelyn Nacon, Tom Payne, Jeffrey Dean Morgan, Khary Payton, Samantha Morton, Xander Berkeley, Pollyanna McIntosh, Callan McAuliffe, Avi Nash
Após o confronto final entre Rick e Negan na 8.ª temporada, a primeira parte da 9.ª temporada de TWD pode ser dividida em 2 arcos. No primeiro, Rick impõe a sua vontade de que Negan seja preso em vez de ser executado e que todas as comunidades, incluindo a anteriormente liderada por Negan, trabalhem em conjunto para os mesmos fins, princípio simbolizado pela construção de uma importante ponte para se realizarem trocas comerciais. O clima é tenso e os planos são gorados, acabando com o protagonista a abandonar a série. Com o início do segundo arco, após um salto cronológico de 6 anos, rapidamente se descobre que outra personagem importante também se afastou (temporariamente?) da série. Da 1.ª temporada, somente restam Carol e Daryl que, curiosamente, não só não têm correspondência na banda desenhada como só foram promovidos a protagonistas na 2.ª temporada, após o seu sucesso entre os espetadores. De um modo geral, as relações entre as comunidades pioraram, tendo a “família nuclear” da série se dispersado. Na verdade, este segundo arco tem apenas como função a introdução de The Whisperers na série, o grupo antagonista da 2.ª parte da 9.ª temporada. TWD tem vindo a transformar-se mais numa soap opera do que numa série de ficção especulativa pós-apocalípitica e/ou de terror. Como tal, o sucesso da série depende de quantos os espetadores se interessam pelo percurso dos personagens.

PatoAventuras: Woo-oo!
Realização: John Aoshima & Dana Terrace
Ano: 2017
Baseado em: personagem de banda desenhada Scrooge McDuck (Tio Patinhas) criado por Carl Barks para a Disney
Elenco: David Tennant, Danny Pudi, Ben Schwartz, Bobby Moynihan, Kate Micucci, Beck Bennett, Toks Olagundoye, Tony Anselmo
Este filme é na verdade o episódio piloto da 1.ª temporada da série reboot de DuckTales (que corresponde aos episódios 101 e 102). A necessidade em estabelecer as relações entre as personagens de novo, originou uma primeira parte desinteressante, sem o ritmo que Carl Barks imprimiu às grandes aventuras de Patinhas e família. Segue-se uma viagem à cidade perdida da Atlântida, que mostra todo o potencial de uma série de aventuras, sem nunca o atingir. De regresso, estão os personagens criados para a primeira série de animação homónima, Launchpad McQuack (Capitão Boing), Webby Vanderquack (Patrícia) e Mrs. Beakley (D. Patilda). Surpreendente é, no final do filme, a evocação da mãe dos trigémeos, Della Duck (Dumbela), uma vez que se trata de uma personagem quase nunca autorizado pela Disney para ser utilizada, nem na BD nem na animação. É um final bizarro que somente é compreensível por se tratar efetivamente do final de um episódio, fazendo a antevisão de que a irmã do Donald será uma evocação recorrente durante a série. De qualquer modo, esse “aperitivo” não é suficiente para esquecer o quão mediano é a primeira proposta da série.

Os Agentes S.H.I.E.L.D. – Temporada 5
Criação: Joss Whedon, Jed Whedon & Maurissa Tancharoen
Ano: 2018-2019
Baseado em: agência ficcional S.H.I.E.L.D., criada por Stan Lee e Jack Kirby para a Marvel
Elenco: Clark Gregg, Ming-Na Wen, Chloe Bennet, Iain De Caestecker, Elizabeth Henstridge, Henry Simmons, Natalia Cordova-Buckley
Agents of S.H.I.E.L.D. foi a primeira série televisiva do Universo Cinematográfico Marvel e, ao contrário do hype cinematográfico, demonstrou o quão desinteressante o conceito poderia ser. A segunda série, Agent Carter, também da ABC, manteve um tom semelhante, com a vantagem de se adequar mais à época retratada, mas foi cancelada na segunda temporada. Seria necessário que Demolidor surgisse na Netflix, dirigido a um público mais velho, com um arco a desenvolver-se ao longo da temporada e um número menor de episódios, louvado pela crítica e público, para que os produtores de Agents of S.H.I.E.L.D. se apercebessem de tudo o que estava errado na sua série (ou de parte, pelo menos). A 3.ª temporada mostrou um salto qualitativo e a 4.ª temporada atingiu provavelmente o pico, tendo a subdivisão da temporada em 3 arcos sido uma estratégia que foi altamente recompensadora, apesar da diferença de interesse dos diferentes arcos. Com a 5.ª temporada, o primeiro grande erro foi dividir a temporada somente em 2 arcos. Apresar das premissas interessantes – viagem ao futuro, planeta Terra destruído, ação desenrolada no espaço – os enredos secundários necessários a prolongar o primeiro arco até à metade da temporada não forem interessantes q.b., resultando num desenvolvimento pesaroso que rapidamente anulou a premissa. O 2.ª arco, de volta ao presente e à Terra, sofreu dos mesmos problemas, com o agravamento de não trazer nada de novo. O final da temporada transmite a sensação de tratar-se do final da série, dadas as decisões tomadas em dar um destino final a Coulson, com a evocação do Havai. O episódio até se denomina The End. No entanto, foi dada luz verde a 2 mais temporadas, com cerca de metade dos episódios cada uma. Resta saber se essa nova estratégia resultará ou se a série não conseguirá abandonar o estatuto de algo dispensável.

Atomic Blonde – Agente Especial
Realização: David Leitch
Ano: 2017
Baseado em: banda desenhada The Coldest City de Antony Johnston & Sam Hart, publicada pela Oni
Elenco: Charlize Theron, James McAvoy, John Goodman, Til Schweiger, Eddie Marsan, Sofia Boutella, Toby Jones, James Faulkner, Bill Skarsgård, Sam Hargrave, Roland Møller, Jóhannes Jóhannesson, Daniel Bernhardt, Barbara Sukowa
Ao contrário de Deadpool 2, também realizado por Leitch, Atomic Blonde é uma proposta que é suposto encarar com seriedade, ou não fosse baseada numa BD que tentou revitalizar a ficção clássica de espionagem, localizando a ação durante a queda do muro de Berlim em 1989. O filme evoca os serviços secretos britânicos MI6 e o KGB da União Soviética, com os twists necessários à ficção de espionagem e contra-espionagem, centrando-se na agente especial Lorraine. A banda sonora evoca músicas europeias da década de 80 por demais conhecidas – com foco primordial nas britânicas e nos géneros new wave e synth pop – até à exaustão. Apesar do cuidado na fotografia e nos cenários de época, o guião é previsível e o filme mostra-se sem vida, originado uma reação de indiferença ao espetador.

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.