A Asa e o Público reúnem a obra integral Spirou da autoria de Franquin, 80 anos depois da sua criação.

A partir de 24 de abril, a Asa e o Público iniciam a publicação da série Spirou e Fantásio de Franquin, a qual tem como objetivo compilar todas as aventuras de Spirou e Fantásio da autoria de Franquin, incluindo as bandas desenhadas inéditas em Portugal.

Quando Franquin assumiu a autoria de Spirou, já vários autores tinham-se dedicado ao personagem. Aliás, sendo tradicionalmente atribuída a criação do personagem a Rob-Vel em 1938, atualmente outros nomes concorrem para a sua cocriação, nomeadamente o editor Jean Dupuis (que parece ter imaginado o personagem para o lançamento do periódico Le Journal de Spirou), Luc Lafnet (o assistente de Rob-Vel que parece ter desempenhado um papel proeminente na ilustração da série e que pode ter desenhado inclusivamente a primeira prancha de Spirou na sua totalidade ou com excepção do personagem) e Blanche Dumoulin (a mulher de Rob-Vel, colaboradora a nível de argumento).

Independente dos seus papeis na cocriação de Spirou, Rob-Vel, Lafnet e Dumoulin vão transformando aos poucos os gags de 1 página do personagem numa BD de aventura. A sua profissão de grumete no Moustic Hotel vai sendo também ignorada. Tão cedo quanto em 1939, é introduzido o esquilo Spip na série. Em plena II Guerra Mundial, Rob-Vel é mobilizado e posteriormente feito prisioneiro, Lafnet morre com uma neoplasia pancreática e a série prossegue com Dumoulin, Van Straelen e Jijé. Rob-Vel regressa à série em 1941, acentuando as componentes de aventura e ficção científica, para abandoná-la definitivamente em 1943. Seria Jijé que assumiria de novo a série, criando nessa altura o Fantásio. Três anos mais tarde, o testemunho é passado a Franquin.

Franquin assume a série entre 1947 e 1968, revolucionando-a não só graficamente mas também expandindo o seu próprio universo. As aventuras tornam-se mais longas e sérias e, durante esses 21 anos, cria o Marsupilami, a Seccotine, o Conde de Champignac, o Zantáfio e o Zorglub, entre muitos outros personagens atualmente considerados clássicos (incluindo o Gaston Lagaffe). No total, é autor (incluindo as coautorias) de 40 bandas desenhadas de Spirou e Fantásio, desde a BD curta Fantásio e o seu Tanque em 1947 até ao álbum Sarilhos em Champignac, pré-publicado entre 1967 e 1968.

Eis a data de publicação dos álbuns desta série, alguns deles duplos e outros que agregam várias histórias:

Clique nas imagens das capas dos volumes para os visualizar em toda a sua extensão:

Eis a sinopse da editora:

Estamos perante um grande clássico da banda desenhada de aventuras, em que o Spirou e o seu inseparável Fantásio fazem história percorrendo o mundo, combatendo malfeitores, fazendo reportagens e inúmeras descobertas.
Para as crianças esta colecção apresenta aventuras fantásticas. Para os adultos, humor inteligente. Para todos, um clássico sempre jovem – e para muitos, um dos vértices da “Sagrada Trindade” da BD franco-belga clássica, a par de Tintin e Astérix. Junte-se numa viagem pelo mundo à boleia das aventuras de Spirou, do seu amigo inseparável Fantásio e do esquilo Spip.
Esta colecção, que resulta da parceria ASA/Público, é composta por 11 volumes, alguns duplos e outros com várias histórias, e integra todas as aventuras de Spirou e Fantásio da autoria de Franquin, proporcionando assim uma compilação inédita em português.
Todas as Quartas-feiras, entre 24 de Abril e 4 de Julho de 2019.
O formato é de 21,2 x 29,2 cm, sendo uma edição de coleccionador em capa dura.
O PVP de cada álbum é de 11,90€.

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.