O Capitão Bacalhau é a mais recente aventura de BD em azulejaria de Luís Cruz Guerreiro.

Após a exposição da obra Aventuras de Jerílio no Século 25 – 1.º Episódio de Luís Cruz Guerreiro na 14:º edição do Festival e respetiva publicação da revista correspondente, o autor tem nova exposição de banda desenhada sobre azulejo no XV Festival Internacional de Banda Desenhada de Beja, desta feita com Capitão Bacalhau e outras histórias.

Desta vez, foi editada uma publicação num formato próximo ao do tablóide em papel de jornal de 8 páginas quando dobrado, com o objetivo de promover o renascimento da ideia da banda desenhada popular e barata, contrariando as edições luxuosas e caras. Esta autoedição teve direito a alguns apoios que permitiram uma tiragem de 500 exemplares. Cada jornal é disponibilizado a 2 euros com “bandana” desenhada ou a 1,50 somente o jornal.

Clique nas imagens para as visualizar em toda a sua extensão:

Eis a sinopse:

Capitão Bacalhau e Capitão Presença no Assalto ao Pretas Pedras, importador de vinhos portugueses no Rio de Janeiro
A concepção do Capitão Bacalhau está envolta num manto de brumas… A que se apresenta na exposição do XV Festival internacional de Banda desenhada de Beja é uma das versões, mas existem outras, que se irão descobrindo quando o encoberto sair do nevoeiro. O Capitão Bacalhau é um português suave que não é vítima das más leituras, porque raramente lê. Esta BD foi publicada primeiro no fanzine brasileiro Tarja Preta, em 2011. O Capitão Presença é, no Brasil, famoso pela sua luta pela legalização da canábis e o Capitão Bacalhau é um anti-herói que teve de fugir de Portugal devido à crise. Esta dupla muito pouco dinâmica, participa num assalto a uma importadora de vinhos portugueses no Rio de Janeiro. O Capitão Bacalhau acha impossível comprar vinho português no Brasil, devido aos preços incomportáveis e à sua grande secura que precisa de alguns litros diários desse “alimento” para adquirir os seus super poderes. Esta BD é uma sátira total às drogas e mostra como o legal (vinho português), é mais difícil de obter do que o ilegal (maconha brasileira). Tentando prosseguir os passos de Bordalo Pinheiro na sátira social e mordaz sobre a sociedade portuguesa e brasileira, o Capitão Bacalhau tem a sua primeira aventura pessoal no Brasil, como Bordalo a teve pessoalmente, entre 1875 a 1879, onde criou três jornais no Rio de Janeiro, “O Mosquito”, “O Besouro” e “O Pssit” e de onde depois de diversas tentativas de assassinato teve de fugir para Portugal. A sua saga na “Pindorama”, nome que os indígenas davam ao Brasil antes do “achamento”, poderá continuar se para isso houver a colaboração de outros artistas brasileiros que decidam colaborar com o CB, o Capitão Bacalhau.

Putozé
Putozé é um rapaz que segue o mau caminho, devido à pobreza que o rodeia e ao sentido de “desenrascanço” que os portugueses têm naturalmente. Poder-se-ia dizer que o PutoZé é o Capitão Bacalhau quando ainda era criança.

BD sem título
A TV combate o stress e acalma a humanidade.

Luís Cruz Guerreiro estudou Pintura Cerâmica no CENCAL, em 1985. Depois de algumas experiências profissionais fundou a sua própria empresa, a Azulejaria Artística Guerreiro. O artista tem mantido a par duas linhas de criação distintas: a linha clássica (em azul e branco e policromia, com motivos tradicionais); e a linha livre (que expressa outras técnicas dando toda a liberdade de criação dentro da azulejaria). Desde a sua fundação em 1989 até hoje, a Azulejaria Artística Guerreiro produziu centenas de painéis para o nosso país mas também para a Alemanha, Bélgica, Brasil, Cabo Verde, Canadá, França, Inglaterra, entre outros países. O autor tem realizado várias exposições em Portugal e no Brasil, sempre com um sucesso assinalável…

Os interessados na aquisição de um exemplar do jornal, devem entrar em contacto com o autor através do e-mail azulejariaguerreiro@gmail.com .

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.