O último número da minissérie Império Secreto não será distribuído em Portugal.

As más notícias para os leitores nacionais das revistas da Panini Brasil que são distribuídas em Portugal são frequentes por diferentes razões, seja a nível das revistas da Marvel, da Editora Mauricio de Sousa e, até à sua supensão, da DC. A nível macro, sempre foi notório que o planeamento do material que é exportado para Portugal se baseia somente em quais são os títulos que consideram mais populares, sem que haja qualquer tipo de atenção se as histórias continuam em outros títulos mensais que não são exportados ou em minisséries e/ou revistas especiais, que também não têm Portugal como destino.

Longe vão os tempos em que a Abril exportava a totalidade das suas revistas e os marvetes e decenautas portugueses tinham a possibilidade de acompanhar o plano editorial brasileiro integralmente. Conhecendo a transversalidade dos acontecimentos no Universo Marvel (e DC, até à suspensão da exportação deste), apostar em apenas 4 a 6 títulos mensais, não permite aos leitores o contacto com muitas histórias que têm repercussão nos títulos a que têm acesso. Por outro lado, sempre que a Panini Brasil modifica que personagens são publicados em cada título, os leitores portugueses arriscam-se a não poder continuar a acompanhar algumas personagens (que migraram entretanto para revistas que não são importadas para Portugal), bem como têm de se contentar com iniciar a leitura a meio de outras sagas (iniciadas em revistas que não são importadas).

A nível mais micro, as alterações à numeração, têm sempre repercussões negativas nos leitores portugueses. Por exemplo, caso a Panini Brasil numere de forma especial alguma revista (p.e., com casas decimais, como aconteceu em X-Men #134.1), essa revista também não será importada (naquele caso, houve um “salto” do #134 para o #135), pois não haverá ninguém na área da exportação atenta para o facto. E o que acontece se num determinado mês as revistas a seguir ao número 12 apresentarem o número zero, antes de regressar no mês seguinte ao 13? Mais uma vez, não serão importadas (tal como aconteceu com as revistas DC em 2014), pois, sublinha-se novamente, ninguém está atento.

De qualquer modo, quem pensasse que, desde que definidas quais as séries a exportar para Portugal, não existiriam problemas se a numeração das revistas fosse normal, cedo se apercebeu do engano. Seja da Marvel ou Mauricio de Sousa (e DC, no passado), diversas séries tiveram números em falta. Sempre que questionada sobre este assunto, a Panini España referiu que a razão de, por vezes, faltarem números foi por existir stock insuficiente no Brasil para enviar e/ou que esgotaram nas bancas brasileiras, o que denota não existir a preocupação de acautelar um número de exemplares para remeter para Portugal, previamente à distribuição no Brasil.

Outro dos problemas é que, caso a Panini Brasil publique minisséries ou edições especiais para iniciar ou terminar sagas, essas revistas também não chegarão ao nosso país, impossibilitando os leitores de conhecerem o início ou final das narrativas.

Por tudo o que foi exposto, conforme se depreende, atendendo ao tipo de tratamento que é dedicado ao leitor português pela editora, somente aqueles que fazem questão em ler na norma brasileira da língua portuguesa as revistas Marvel continuam a acompanhar estas revistas. E os leitores das histórias da Turma da Mônica e afins já se aperceberam também que não conseguem colecionar todos os números das séries que são importadas, pois nem todos chegam a Portugal.

Dito isto, a importação da minissérie Império Secreto parecia apontar uma mudança na estratégia de exportação da Panini Brasil para Portugal, uma vez que nos últimos anos nenhuma minissérie da Marvel tinha sido exportada para o nosso país. A minissérie foi, no entanto, distribuída no nosso país com vários meses de atraso, quando comparada com as datas das restantes séries, e, na sua maioria, já tinha conhecido edição nacional pela Goody.

No entanto, constituída somente por 5 números, esta minissérie seria uma possibilidade de acompanhar a narrativa onde a Goody a cancelou. Isso aconteceu com o 3.º número, revista com 4 bandas desenhadas, sendo a 4.ª BD inédita e prosseguindo a história exatamente onde a Goody a tinha cancelado, estando o final da saga reservado para as revistas Império Secreto #4 e #5.

Tendo o #4 sido distribuído este mês, seria expectável que o #5 fosse distribuído em outubro. No entanto, tal não irá ocorrer. Questionada pelo Bandas Desenhadas, a Panini España confirmou que o último número não será distribuído em Portugal e que, em vez de Império Secreto #5, será distribuída em outubro a revista Capitão América (2.ª série) #1. Trata-se do primeiro número de uma série de apenas 2 números.

Após uma sucessão de péssimas decisões no que concerne o leitor nacional das revistas brasileiras da Panini, quando, após anos sem exportar uma minissérie, finalmente o realiza, a Panini priva os seus leitores da leitura do último número (apesar de ter exportado todos os números com o material previamente editado em Portugal) e considera uma alternativa válida ao final da referida minissérie a distribuição do primeiro número de uma nova (mini)série.

Com mais de 12 anos de exportação de revistas de banda desenhada para Portugal, haverá alguma vez um responsável que conheça os produtos e faça uma política de exportação adequada ao leitor português?

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.