Primeiro volume de uma nova série de Jodorowsky.

O filme El Topo (1970), realizado e interpretado por Alejandro Jodorowsky foi filmado e produzido no México. É considerado um acid western, isto é, um western que combina as ambições metafóricas de westerns conceituados da década de 50 com os excessos do western spagetthi e a contracultura da década de 60. El Topo é recordado pelos seus bizarros personagens (tendo, inclusivamente, Brontis, o filho do realizador e protagonista, interpretado o filho de El Topo), pelas altas doses de simbolismo cristão e de filosofia asiática ou pela polémica cena da violação.

Há décadas que Jodorowsky tenta produzir uma sequela do filme. Inicialmente denominado Los Hijos del Topo, o projeto passou a denominar-se a certa altura AbelCaín.

A sequela materializou-se em 2016, não nas salas de cinema, mas em banda desenhada, pela mão da editora Glénat, com ilustrações de José Ladrönn. Intitulada Les Fils d’El Topo (Os Filhos de El Topo, em português), teve o seu primeiro volume dedicado a Caim. O segundo volume, intitulado Abel, foi editado no mercado francófono em junho deste ano. Um terceiro volume, intitulado AbelCaim, foi também anunciado, ainda sem data de lançamento. A Arte de Autor lança em outubro o primeiro volume em Portugal.

Clique nas imagens para as visualizar em toda a sua extensão:

Eis a sinopse da editora:

A continuação de um filme de culto em banda desenhada!
No árido Oeste, El Topo foi um bandido que, ao abrir as portas do seu coração, se tornou um santo, chegando a realizar grandes milagres. Teve dois filhos, de duas mulheres diferentes. Figura funesta de couro negro a deambular pelo deserto, Caim, o maldito, jurou matar o pai, a quem nunca perdoou. Incapaz de levar a cabo a sua vingança, decide então voltar a atenção para o seu meio-irmão Abel. E neste oeste selvagem, tingido de misticismo, aqueles que cruzarão o seu caminho serão as vítimas colaterais…
Foi no início dos anos 1970, à meia-noite em ponto, durante um festival de cinema, que o casal de vedetas, John Lennon e Yoko Ono, projecta El Topo de Alejandro Jodorowski. Imediatamente celebrado pela crítica e pelas maiores estrelas de rock da época, o filme dá origem à corrente Midnight Movies e gera um verdadeiro culto entre os cinéfilos do mundo inteiro. Ainda hoje ele não perdeu nada da sua grandeza e do seu estatuto de obra mítica. Quase meio século depois, Alejandro Jodorowski decide contar a continuação… em banda desenhada. Graças ao traço virtuoso de José Ladrönn, dá-nos um western alegórico e surrealista, onde, como é frequente no genial criador chileno, o género está ao serviço de considerações filosóficas e espirituais mais profundas.

Alejandro Jodorowski, artista polivalente, é um dos maiores argumentistas de banda desenhada, com contribuições maiores nos géneros do fantástico e da ficção científica e na criação de universos místicos inesquecíveis. Simultaneamente escritor, argumentista e poeta místico, Alejandro Jodorowski nasceu a 17 de fevereiro de 1929 em Iquique, uma pequena cidade chilena. Filho de emigrantes judeus russos em fuga aos pogroms. Deixou o Chile em 1951, indo para Paris. Aí frequenta os surrealistas, escreve rábulas para o Mimo Marceau e também para Maurice Chevalier. Criou o grupo Panique com Roland Topor e Fernando Arrabal, movimento artístico provocador e burlesco, em 1962. Em 1965, Jodorowski vai viver uma dezena de anos no México. Aí roda dois filmes, El Topo e La Montagne Sacré. Lá inicia também a sua carreira de argumentista de banda desenhada, criando a personagem Anibal 5, desenhada por Manuel Moro. Em 1978, Jodorowski e Moebius assinam juntos o seu primeiro álbum comum, Les Yeux du Chat, e é dois anos mais tarde que se lançam em Les Aventures de John Difool. Jodorowski depressa se tornará um dos mais célebres argumentistas de banda desenhada com as séries Alef-Thau (como Arno), Le Lama Blanc, o remake de Anibal 5 e Juan Solo (com Georges Bess), John Difool avant l’Incal (com Zoran Janjetov), Face de lune (com Boucq), La Caste des Méta-Barons (com Juan Gimenez), para citar apenas alguns… Jodorowski recebeu o Alph’art de Melhor Argumento em 1996, em Angoulême, pelo primeiro volume de Juan Solo. Criou, em 2001, a série de sucesso Bouncer, desenhada por Boucq, cujos volumes 8 e 9 são publicados pela Arte de Autor. Em 2004, começou a aparecer, na Albin Michel e depois na Glénat, a série Borgia, desenhada por Manara. Em 2008, termina a séria Megalex, e inicia um novo ciclo de Alef-Thau, com o desenhador Marco Nizzoli. A partir de 2010, realiza com o desenhador chinês Dongzi Liu a sua nova série Sang Royal, cujo terceiro volume apareceu em 2013. Em setembro de 2019, a Arte de Autor edita a saga Os Cavaleiros de Heliópolis, volume 1 e 2, com desenhos de Jérémy.

José Ladrönn nasceu no México, em 1967. Entre as leituras que o marcaram, cita as Fables Paniques de Jodorowsky ou o Necromicon de H.R. Giger, mas também L’Incal de Jodorowsky e Moebius (que é, para ele, uma obra mágica). Para além da banda desenhada, consagra uma boa parte do seu tempo a uma outra paixão: a pintura. Pinta obras gigantescas, terríveis, sobrenaturais. Em 1996. começa a trabalhar para a Marvel com uma história curta de Blade. Seguir-se-ão Spider-Boy, Cable, Thor, Fantastic Four, e Inhumans, entre muitos outros trabalhos para numerosos editores. Perdidas todas as ilusões perante o ritmo alucinante imposto pelo sistema de produção editorial norte-americano, rompe com os grandes grupos e trabalha para uma publicação independente: Hip Flask. Durante o ano 2000, em Los Angeles, teve um encontro miraculoso como Jodorowski, de onde sairá a história curta Les Larmes d’or que apareceu no Metal Hurlant n.º 145 em 2004, mas também a realização de um sonho: retomar a personagem de John Difool para um novo ciclo de aventuras. Renova a sua colaboração com o autor chileno, em 2008, para o ciclo Final Incal nos Humanoïdes Associés.

Os Filhos de El Topo 1: Caim
Alejandro Jodorowsy & José Ladrönn
Editora: Arte de Autor
Páginas: 64, a cores
Encadernação: capa dura
Formato: 232 x 310 mm
ISBN: 978-989-54326-8-4
PVP: 17,50€

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.