A BD mais recente da autoria de Altarriba e Keko é publicada no nosso país.

Eu, Louco, da autoria dos espanhóis Antonio Altarriba e Keko foi publicado inicialmente pela editora parisiense Éditions Denoël em outubro do ano passado com o título Moi, Fou, na sua excelente coleção de romances gráficos Denoël Graphic. O lançamento da edição espanhola, intitulada Yo, Loco, coube à Norma Editorial no mês seguinte. Trata-se da terceira colaboração entre Altarriba e Keko, após Eu, Assassino (editado no nosso país pela Arte de Autor em 2016) e El Perdón y la Fúria (a segunda banda desenhada editada em Espanha pelo Museu do Prado em 2017 e inédita em Portugal).

Trata-se do segundo volume da “Trilogia do Eu”, iniciado precisamente com Eu, Assassino e estando anunciado o seu final com o ainda não publicado Yo, Mentiroso (Eu, Mentiroso, em tradução livre). O tema comum a esta trilogia é a abordagem das misérias humanas com um forte componente de denúncia social. Se no primeiro livro se desmontava a corrupção de altas esferas nas universidades espanholas, em Eu, Louco, são as empresas farmacêuticas que são as visadas.

Registe-se que esta é a 4.ª obra de banda desenhada com argumento de Altarriba editada em Portugal num espaço de 4 anos, desta feita realizada pela Ala dos Livros. Para além de El Perdón y la Fúria, atualmente só permanece inédita no nosso país a BD Cuerpos del Delito (com desenhos de Sergio García e publicado em 2017 pela editora espanhola Dibbuks, presente na 1.ª edição da Comic Con Portugal em 2014).

Clique nas imagens para as visualizar em toda a sua extensão:

Eis o trailer da obra aquando da edição espanhola:

Eis a sinopse da editora:

Ángel Molinos, formado em Psicologia e dramaturgo fracassado, trabalha para a Otrament, um observatório de transtornos mentais que é uma sucursal da Pfizin, uma conhecida farmacêutica internacional que utiliza cobaias humanas para o desenvolvimento de novas drogas. O trabalho de Ángel consiste em criar novos perfis psicológicos passíveis de “catalogar” e que incrementem o consumo de fármacos produzidos pela Pfizin. Ángel tem pesadelos horríveis. Mas quando desaparece um dos seus colegas que se mostra aparentemente disposto a denunciar as práticas da Otrament, Ángel vê-se envolvido numa trama de conspirações, paranóia e terror que o arrastará para a loucura.

Altarriba

ANTONIO ALTARRIBA

Escritor, ensaísta e, sobretudo, argumentista reputado, este professor catedrático de Literatura Francesa da Universidade do País Basco obteve, em Espanha, em 2010, o Premio Nacional del Comic com A Arte de Voar, um relato baseado na vida do seu próprio pai, o qual percorre um século da história de Espanha. Quer como contador de histórias ou como divulgador, Antonio Altarriba é uma figura central na história da banda desenhada espanhola. Em 2016 publica A Asa Quebrada, homenagem à sua mãe e obra que, juntamente com A Arte de Voar, compõem um dos melhores retratos da sociedade espanhola do século XX.

KEKO

Sob este pseudónimo esconde-se José Antonio Godoy, artista madrileno que deu os seus primeiros passos em revistas como Madriz ou Métal Hurlant. Discípulo de Will Eisner e de Alberto Breccia, este mestre do preto e branco soube desenvolver um estilo próprio caracterizado pelo traço conciso e o uso do negro para criar diferentes atmosferas. Em 2002, com 4 Botas, obteve o prémio para a Melhor Obra no XXI Saló Internacional del Còmic de Barcelona. Divide o seu trabalho artístico entre a banda desenhada, a ilustração e a publicidade, com publicações em El País, El Mundo, ABD, Rolling Stone ou FHM.

Eu, Louco
Antonio Altarriba & Keko
Editora: Ala dos Livros
Páginas: 136, a preto e branco e amarelo
Encadernação: capa dura
Dimensões: 210 x 270 mm
ISBN: 978-989-54171-4-8
PVP: 22,90€

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.