O sétimo PSPY.

Este mês foi editado o sétimo Portuguese Small Press Yearbook, o anuário que teve a sua génese no Tipo.pt, um projeto de investigação académica desenvolvido no âmbito do Pós-doutoramento de Isabel Baraona na Universidade Rennes 2 e no contexto do Doutoramento de Catarina Figueiredo Cardoso em Materialidades de Literatura, da Universidade de Coimbra.

Como tem vindo a ser habitual, a cada ano o PSPY renova-se, procurando novas parcerias e trilhos a seguir, conforme pode ser lido no editorial da edição de 2019, reproduzido no final deste artigo.

Para além dos artigos originais, trata-se de uma publicação indispensável para todos aqueles que se interessam pela small press, tendo o valor acrescido de identificar um conjunto generoso de publicações cuja existência é desconhecida do grande público, atendendo aos diferentes meios alternativos ao mercado livreiro nacional e pontos de venda de periódicos em que as mesmas são oferecidas e/ou comercializadas.

Para aqueles que se interessam somente por uma forma de expressão em particular, seja ela a poesia, fotografia, ensaio, banda desenhada ou outra, a identificação das obras não é propriamente tornada fácil, uma vez que um dos propósitos do anuário não é a sua discriminação por área mas sim a listagem global o mais abrangente possível de todas as publicações identificadas com pequena tiragem, fruto da investigação anual das duas editoras, sendo apenas considerada uma categoria independente para o formato de revistas. Apesar deste eventual contratempo para quem procure se dedicar a apenas uma área, como por exemplo a banda desenhada, a listagem é um importante ponto de partida, que permite investigar que publicações pertencem a cada forma de expressão.

No que toca à BD em concreto, comparativamente com os anos anteriores, denota-se um maior cuidado com a banda desenhada, com uma maior abrangência das obras listadas, congratulando o Bandas Desenhadas as editoras por este cuidado extra.

Como vem sendo hábito, o anuário inclui ainda uma relação de obras de referência, bem como uma identificação de eventos direta ou indiretamente relacionados com a small press, livrarias especializadas, bibliotecas e outros arquivos. A publicação de 2019 é ainda complementada com um poster da autoria de Isabel Baraona enquanto encarte.

Clique nas imagens para as visualizar em toda a sua extensão:

Eis o editorial, da autoria de Catarina Figueiredo Cardoso:

A Oficina do Cego faz dez anos e fui convidada a comissariar a exposição comemorativa. A minha ligação à OC é anterior à sua constituição. Iniciei a minha colecção de livros de artista e de edição independente portugueses graças a dois dos sócios fundadores da OC, José Feitor e Luís Henriques. O primeiro escreveu e publicou, na sua Imprensa Canalha, Babinski, o Salteador de Praga (Lisboa: Imprensa Canalha, 2007), ilustrado pelo segundo. Este Portuguese Small Press Yearbook 2019, tal como os seis números publicados desde 2013, é devedor dessa aquisição seminal.
A actividade da OC foi-se modificando. Na fase inicial foram publicados muitos livros, dos últimos anos surgem sobretudo cartazes. O Curso de Auto-Edição impulsionou vários talentos do livro de artista e da edição independente portugueses, e confirmou um dos propósitos principais da OC: divulgar e transmitir técnicas de impressão e produção que permitem a criação de obras originais pelos seus próprios autores.
Nestes dez anos, muita coisa mudou, na vida da OC e na minha; somos e não somos as mesmas. Mas não mudou o radical amor aos livros e à matéria impressa.
Como aconteceu com os números anteriores, o PSPY 2019 é feito em parceria. Com a Isabel Baraona, também fundadora da OC, em todos os números do PSPY e tantas aventuras dos últimos dez anos. A aventura continua com o encarte, quem sabe um rumo a começar no seu corpo de trabalho.
Com a Catarina Domingues e a Ana Mata, que introduziram uma nova dimensão ao PSPY 2019 com os seus vídeos a ser lidos em QR Code. E os seus textos intraduzíveis, razão pela qual são apresentados apenas em português.
Com a Inês Ferreira-Norman e a sua homenagem ao “Homem do Tanque”, a vítima mais famosa do massacre de Tiananmen, ocorrido há 30 anos. O PSPY associa-se à rememoração de que a China é uma ditadura, neste ano em que comemorou os 70 anos da sua revolução popular. O texto da Inês está escrito apenas em inglês, opção que acompanho.
E com a Inês Cóias, que acedeu a ilustrar a capa do PSPY 2019 com os seus carimbos, tornando cada exemplar único e irrepetível. Esta contradição entre o género de publicações elencadas no PSPY, apenas múltiplos, é aparente. Tal como os seres humanos são todos iguais e todos diferentes. Uma posição artivista do PSPY: feminista e defensor do respeito pela igualdade e pela diferença.

Portuguese Small Press Yearbook 2019
Vários autores
Diretora: Catarina Figueiredo Cardoso
Editoras: Catarina Figueiredo Cardoso & Isabel Baraona
Encadernação: capa mole com agrafes
Edição: Portuguese Small Press Yearbook
Páginas: 48
PVP: 8,00€

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.