Obra de Ugo Bienvenu vence o Grand Prix de la Critique ACBD 2020.

A Association des Critiques et journalistes de Bande Dessinée – ACBD galardoou com o seu grande Prémio da Crítica 2020 a obra Préférence Système de Ugo Bienvenu (n. 1987), publicada em França pela editora Denöel na série Denöel Graphic, tal como as duas bandas desenhadas anteriores do autor (Sukkwan Island, 2014; e Paiement accepté, 2017).

O autor aborda com esta obra uma questão atual – o peso dos dados digitais e o lugar das máquinas no nosso quotidiano. Em 2055, o seu protagonista, forçado a apagar vestígios do passado, como o trabalho completo do poeta inglês W. H. Alden ou o filme de Stanley Kubrick 2001: Odisseia no Espaço, decide fugir com o robô que carrega o seu bebé. Segundo a ACBD, trata-se de uma reflexão fascinante sobre um futuro não tão distante, tanto assustador como magnético.

Clique nas imagens para as visualizar em toda a sua extensão:

A ACBD destaca ainda as restantes 4 obras finalistas:

  • Dans un rayon de soleil, de Tillie Walden (Gallimard)
  • Les Deux Vies de Pénélope, de Judith Vanistendael, (Le Lombard)
  • Le Rapport WInfiltré à Auschwitz, de Gaëtan Nocq (Daniel Maghen)
  • Révolution, Tome 1: Liberté, de Younn Locard e Florent Grouazel (Actes Sud-L’An 2)

Relembre-se que as bandas desenhadas finalistas já tinham sido, por sua vez, selecionadas a partir de um total de 15 obras em competição, nas quais também estavam incluídas as seguintes dez:

  • Dans la tête de Sherlock Holmes: L’Affaire du ticket, de Benoît Dahan e Cyril Liéron, baseada na obra de Arthur Conan Doyle (Ankama)
  • In Waves, de AJ Dungo (Casterman)
  • Les Indes fourbes, de Juanjo Guarnido e Alain Ayroles (Delcourt)
  • Le Loup, de Jean-Marc Rochette (Casterman)
  • Les Nymphéas noirs, de Didier Cassegrain e Fred Duval, baseada na obra de Michel Bussi (Dupuis)
  • #Nouveau contact, de Bruno Duhamel (Grand Angle / Bamboo)
  • Le Patient, de Timothé Le Boucher (Glénat)
  • Le Roman des Goscinny, de Catel (Grasset)
  • Senso, de Alfred (Delcourt)
  • Spirou, L’Espoir malgré toutun peu plus loin vers l’horreur, de Emile Bravo (Dupuis)

Como já tinha acontecido no ano passado e no ano anterior, nenhuma das 5 obras finalistas conheceu edição em Portugal, tendo-se verificado situação idêntica na seleção inicial das 15 obras candidatas ao Prémio deste ano.

No entanto, se considerarmos a seleção inicial de 15 obras dos dois anos anteriores, apesar de nenhuma se encontrar editada em Portugal na altura da seleção pela ACBD, duas delas foram entretanto publicadas no nosso país no ano seguinte à indicação da Associação francesa de Críticos e jornalistas de Banda Desenhada. Uma Irmã de Bastien Vivès (Levoir, 2018) tinha sido uma das 15 obras em competição em 2017 e Batman: Cavaleiro Branco de Sean Murphy (Levoir, 2019) tinha sido uma das 15 obras em competição em 2018.

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.