A habitação nas grandes cidades portuguesas.

Escolhi este livro, cuja história é-nos extremamente actual e cara para quem ainda vive numa grande cidade. Sim, caríssimas as casas, os apartamentos para arrendar e comprar nas grandes cidades de Portugal. Portugal esse, afectado por situações e efeitos de supostas crises financeiras, especulação imobiliária e aproveitamento para fazer o maior lucro possível enquanto durar a pílula do turismo. Os habitantes a sufocar enquanto os turistas se passeiam e fotografam as atrações e as gaivotas citadinas que metaforicamente nos comem vivos, “comem tudo e não deixam nada”. Numa espécie de redenção, a gavoita segue até ao fim do livro, existindo assim algo próximo do que se pode pensar liberdade. É um conto que fala do amor e uma cabana, melhor dizendo, uma casa com vista. Um conto romântico e que me leva a pensar que não é só o dinheiro a fazer girar o mundo. 

O grafismo é bastante cuidado, estilizado e particular, mesmo não existindo separação de vinhetas. As pranchas não são uma amálgama de informação – existe um fio condutor e a mensagem é coerente com a expressividade do traço. Embora também goste de ler e ver exactamente esse caos, por vezes, nos zines e comics mais underground, admito que sabe bem ler a coerência.

Todo o conto se passa ao som vintage de

“Night and day, you are the one
Only you beneath the moon
Under the sun

Whether near to me or far
It’s no matter, darlin’, where you are
I think of you night and day

Night and day, why’s it so
That this longing for you
Follows wherever I go

In the roaring traffic’s boom
In the silence of my lonely room
I think of you night and day” 

Para previews, sinopse e ficha técnica da obra, cf. aqui.

“Night and Day” é da autoria de Cole Porter.

SOBRE O AUTOR |

Ana Ribeiro
Ana RibeiroColaboradora
Costumava desenhar de joelhos, com os braços em cima da cama quando era pequenita e mais tarde numa mesa de escola. Os joelhos agradeceram. Cresci com banda desenhada e criei o fanzine "durtykat" em 2001. Viajei quase à pala e fui colaborando e comunicando através de desenhos, nascendo assim as Nits, em 2014. Voltei a desenhar de joelhos mas eles não se têm queixado. A última exposição foi na Galeria Mundo Fantasma, no Porto, no ano de 2019.