Relendo All-Girlzine 1.

Ouvi, bastantes vezes, uma frase que sempre considerei bastante estranha, algo como: mulheres juntas dão barulho ou será que são os sapatos virados ao contrário? Bom, já não me recordo com exactidão, contudo ficou a sensação de que algo não estava a orbitar devidamente. O All-Girlzine n.º 1 é de 2006 e colecciona um bom punhado de autoras de banda desenhada e ilustração. Um zine feliz, apesar do subtítulo “banda desenhada portuguesa no feminino”. Não me interpretem mal, só penso que, tal como o dia das mulheres, num mundo justo isto não seria necessário. Mas como o mundo nunca foi justo e provavelmente nunca o será, leio o zine com bastante gosto até porque tem “suminho” do bom. Eventualmente, torna-se um pouco confuso associar os trabalhos aos seus respectivos autores pois os conteúdos encontram-se na penúltima página, na contra-capa. 

A primeira história conta com a colaboração de um homem, sim, Alain Corbel como argumentista. Carla Pott na arte. Esta história contei-a algumas vezes, repetindo-me pois ficou-me na memória. E não vou ser spoiler… Como tal, avanço para outras colaborações: Rosa Batista no seu  conto “Christiane & Salomé”, historicamente nonsense num estilo gráfico desigualmente tosco e bonito.

A terceira colaboração é de Andreia Rechena no seu “Mensageiro”, uma história de solidão e vento. Seguimos para “O Diário de um diletante” por Cláudia Dias num registo que lembra rastos de negativos fotográficos e, sequencialmente, “Rosa que fuma” por Ana Biscaia que comicamente retrata duas estranhas criaturas. A seguir, “KzzZ”, com guião por Sara Mena Gomes e Ricardo Silva e arte por Sara Mena Gomes numa história certeira sobre a vida e a … morte. Continuamos na viagem de vários grafismos, estilo e sequências narrativas, agora pela mão de Joana Pereira no “A Girl gotta do what a Girl gotta do…” em que fala dos seus bizarros amigos; e, por fim, “Dream Machine – 1.º Capítulo” por Joana Lafuente, viajando por várias dimensões. Como bónus e na contra-capa, tiras humorísticas sobre dicas diárias de Joana Sobrinho. Sem esquecer a ilustração da capa por Ana Freitas. A direcção e edição ficaram a cargo de um homem, Daniel Maia.

No fanzine, constam também as biografias das respectivas autoras, junto com links para páginas, blogues onde expõe outros trabalhos e percursos.

Eis a apresentação da publicação pelo seu editor:

Apresentado em Abril de 2006 no II Festival Internacional BD de Beja, o número inicial do All-Girlzine foi uma publicação double-sized, marcada pelo signo do ecletismo ao longo de 68 páginas, mostrando um vasto leque de grafismos e tendências temáticas, da corrente indie à manga, passando por cartoons, comics e várias mais propostas mais afectas às Artes plásticas.
Distribuída em lojas e festivais da especialidade, a edição marcou a estreia em BD (A Viagem de Guida) da multi-galardoada ilustradora Carla Pott, sob texto do não-menos premiado ilustrador e escritor Alain Corbel. Entre as ilustradoras mais experientes constaram ainda Ana Biscaia, com uma splash-page (A Rosa que Fuma) em técnica grattage, Rosa Baptista (Christianne & Salomé em Chavalos Oníricos) e Andreia Rechena (O Mensageiro).
Foi também apresentação de estreantes absolutas, como Cláudia Dias (Diário de um Diletante), Sara Mena Gomes (KzzZ), com argumento de Ricardo Silva, e as cartoonistas Joana Pereira (Xuxz – A Girl gotta do what a Girl gotta do) e Joana Sobrinho (tiras humorísticas “Nunca”). Destas, apenas Joana Sobrinho e Cláudia Dias já haviam tido contacto anterior com a área da BD.
A ilustração da capa foi assinada pela ilustradora Ana Freitas, com trabalho de background e cor pelo editor. Esta, junta-se à autora de BD e colorista Joana Lafuente (Dream Machine) enquanto representantes mangakas.
A edição esgotou os 200 exemplares em pouco mais de seis meses, tendo no processo sido nomeada na categoria Melhor Fanzine nos Prémios Nacionais de BD do 17.º Festival Internacional BD da Amadora, e no V Troféus Central Comics, em 2006 e 2007 respectivamente. Também as BDs “A Viagem de Guida” (Carla Pott e Alain Corbel) e “Chavalos Oníricos” (Rosa Baptista) foram consideradas pelo grande público, no escrutínio da categoria Melhor BD Curta, no V TCC.
O título foi apresentado ao público numa conferência no II FIBDB, com presença de algumas autoras, e lançado comercialmente em Junho, durante a 4.ª Feira Laica, em comemoração do 10.º aniversário da Bedeteca de Lisboa. Ali, e até Agosto, esteve patente uma colectiva com originais e reproduções, na galeria de exposições no Palácio do Contador-Mor.

– Daniel Maia

All-Girlzine #1
Autoras: Ana Biscaia, Ana Freitas, Andreia Rechena, Carla Pott (c/ Alain Corbel), Cláudia Dias, Joana Lafuente, Joana Pereira, Joana Sobrinho, Rosa Baptista, Sara Mena Gomes (c/ Ricardo Silva)
Edição: Daniel Maia/Arga Warga
Páginas: 68, preto e branco
Encadernação: agrafes
Data: Abril, 2006
Design: Estéfano Gomes
Ilustração de Capa: Ana Freitas e Daniel Maia
Tiragem: 200 exemplares

SOBRE O AUTOR |

Ana Ribeiro
Ana RibeiroColaboradora
Costumava desenhar de joelhos, com os braços em cima da cama quando era pequenita e mais tarde numa mesa de escola. Os joelhos agradeceram. Cresci com banda desenhada e criei o fanzine "durtykat" em 2001. Viajei quase à pala e fui colaborando e comunicando através de desenhos, nascendo assim as Nits, em 2014. Voltei a desenhar de joelhos mas eles não se têm queixado. A última exposição foi na Galeria Mundo Fantasma, no Porto, no ano de 2019.