BD² – Base de Dados de Banda Desenhada

IDW

Atividade: 1999 – presente
Sede: San Diego, Califórnia, EUA

A IDW Publishing é uma editora norte-americana de banda desenhada e livros de arte, criada enquanto a divisão editorial da empresa Idea and Design Works, LCC (IDW), fundada em 1999. Atualmente é uma das empresas da IDW Media Holdings, Inc. É frequentemente considerada a quinta grande editora norte-americana, após a Marvel, DC, Dark Horse e Image Comics.

A IDW foi formada por um grupo de profissionais de banda desenhada que se conheceram na Wildstorm Production de Jim Lee na Image Comics, nomeadamente Ted Adams, Robbie Robbins, Alex Garner e Kris Oprosko. Foi originalmente concebida enquanto um negócio de prestação de serviços criativos de arte e design para diferentes empresas de entretenimento.

Quando, em 1999, Jim Lee vende a Wildstorm à DC Comics, esta não tem interesse em manter o departamento de serviço criativo, pelo que Lee oferece a clientela deste serviço à IDW, o que lhes permite ter lucro no seu primeiro ano de atividade e os faz decidir a cada ano se dedicarem a novos projetos.

Após um episódio-piloto para uma série televisiva que não se concretiza em 2000, o projeto de 2001 é a edição de um livro de arte de Ashley Wood, Una Fanta, iniciando-se realmente a IDW Publishing, com o livro a ser publicado em março de 2002.

É Woods quem faz a ponte entre a IDW e Steve Niles, que remete a Adams diversos guiões rejeitados. 30 Dias de Noite é selecionado para uma adaptação em formato de minissérie com arte de Ben Templesmith, acujo primeiro número é distribuído em agosto de 2002. Assim se inicia o longo percurso da IDW na edição de banda desenhada. A compilação em livro da minissérie, em janeiro de 2003, foi o livro de BD mais vendido nesse mês. O interesse em adaptá-lo ao cinema gera uma competição feroz entre 3 importantes estúdios.

O sucesso de 30 Dias de Noite transferiu-se para Popbot, a segunda BD da editora, da autoria de Wood, que é galardoada com 2 Gold Spectrum Awards.

O terceiro título da editora surge no terceiro trimestre 2003, com uma adaptação das série televisiva CSI: Crime Scene Investigation. Na altura, os licenciamentos para adaptações à banda desenhada não eram muito populares, mas fosse devido a toda a atenção que a editora estava a receber, fosse ao sucesso das séries de TV (então, Las Vegas, a original, e Miami), teve mais uma vez excelentes vendas.

Com a continuação da expansão da sua linha editorial, em junho de 2004, foi contratado Chris Ryal para o cargo de editor-chefe. A sua visão foi a de apostar fortemente nas licenças de brinquedos, tendo conseguido trazer para a IDW Transformers após a falência da Dreamwave, cujo série se iniciou em janeiro de 2006. Dois anos depois, seguir-se-ia, GI Joe.

Registe-se que em 2004, 2005 e 2006 a IDW foi considerada a Editora do Ano pela Diamond Comic Distributors.

Como o ramo editorial estava a crescer e a sobrepor-se ao propósito para o qual a empresa foi criada, Garner e Oprisko decidem que não estão interessados em serem editores de BD. Em 2007, a empresa de telecomunicações IDT adquiriu 53% da empresa, ficando Adams e Robbins como proprietários minoritários. Os seus 47% seriam reduzidos em 2009 para os atuais 24%. A IDT cria então a CMT Media Holdings, a qual consiste nos seus 76% da IDW e no CMT Media Group. Desde 3 de abril de 2015, passa a designar-se por IDW Media Holdings.

Ao longo dos anos, a editora tem sido conhecida por muito dos seus licenciamentos. Para além dos já mencionados, podem-se citar outros oriundos da TV (Star Trek, The Shield, 24, Angel, Doctor Who), cinema (Marte Ataca!, Underworld – O Submundo, Terra dos Mortos, Zombies Party – Uma Noite… de Morte), videojogos (Silent Hill, Castlevania, Metal Gear Solid, Speed Racer) e brinquedos (My Little Pony, Jem).

Em 2009, cria inclusivamente uma chancela com a EA Games, denominada EA Comics, sendo os títulos iniciais Army of Two e Dragon Age.

Do conteúdo original da primeira década do milénio, pode-se citar Locke and Key de Joe Hill e Gabriel Rodriguez, que após um filme televisivo em 2011, foi adaptada em 2020 a série televisiva.

A segunda década do milénio também tem tido a primazia dos licenciamentos – Dungeons & Dragons, Judge Dreed, The Crow (franchise com origem na BD britânica), Cartoon Network, Hasbro ou Sonic the Hedgehog são alguns dos exemplos. Em 2011, a editora edita a sua primeira série de crossovers, Infestation. No ano seguinte. seguir-se-ia Infestation 2.

Entre o material não-licenciado pode-se citar Phatom Jack (inicialmente publicado pela Image), Code Word: Geronimo ou a série de 4 volumes de Darwyn Cooke a adaptar Parker de Richard Stark como alguns dos exemplos editados neste período.

A 6 de janeiro de 2015, a IDW adquire a editora de banda desenhada Top Shelf Productions, a qual é atualmente uma chancela da IDW.

É também em 2015 que a IDW começa a publicar diversos títulos de revistas de banda desenhada disneyana.

Em 2017, a IDW cria a chancela Black Crown, dirigida a material cujos direitos autorais pertencem aos próprios autores, a qual se encontra atualmente inativa.

2019 é um ano em que a empresa tem alguns problemas financeiros. Isso não a impede de investir na Clover Press, uma nova editora independente fundada por Ted Adams e Robbie Robbins, bem como de adquirir a editora Sunday Press Books.

Séries publicadas em Portugal

O Bandas Desenhadas está atualmente a elaborar a base de dados referentes ao ano corrente. Está interessado em colaborar com a BD² quanto aos anos anteriores? Envie-nos os dados e dar-lhe-emos crédito pela sua colaboração.

Início | Autores | Editoras Nacionais | Editoras Originais | Séries de BD

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.