As Nomeações de Primavera 2020 dos Prémios Bandas Desenhadas.

Como tínhamos anunciado, desvendamos hoje a segunda lista de Nomeados dos Prémios Bandas Desenhadas 2020. As obras elegíveis para as Nomeações de Primavera são as constantes dos relatórios mensais referentes ao 2.º trimestre do ano do site Bandas Desenhadas. Apesar das exaustivas avaliações, não foi possível aceder à totalidade das obras publicadas nesse período, estando salvaguardado o direito de poder vir a considerá-las para as Nomeações Extemporâneas finais.

O júri deliberou em nomear a obra Desvio de Ana Pessoa e Bernardo P. Carvalho, editada pela Planeta Tangerina, para as categorias de Melhor Publicação Nacional com Distribuição Comercial e Melhor Argumento Nacional. Apesar de ser a primeira obra em BD da romancista Ana Pessoa, torna-se evidente dominar a linguagem da banda desenhada, tendo Bernardo P. Carvalho produzido aquela que será provavelmente a sua melhor obra em BD, repleta de silêncios e do retrato atual de uma juventude urbana. Tendo como target principal os adolescentes, frequentemente desvalorizado, tal como o infantil, pela crítica nacional, a obra não cai em paternalismos nem facilitismos, tornando a leitura interessante também para os adultos. Ou não fosse a procura do sentido da própria vida um fenómeno que se vai manifestando ao longo da mesma.

Quanto às categorias de Melhor Publicação Nacional com Distribuição Alternativa e Melhor Ilustração, a escolha dos jurados foi a obra Weak, da autora Kachisou, editada pela Bubok, a qual compila três histórias da autora num registo próprio do manga e principalmente destinadas a um público infantojuvenil. Não só Kachisou revela mestria no registo gráfico – impressionante, se se considerar que é o seu primeiro livro – como elabora bandas desenhadas cujas temáticas podem agradar às crianças, frequentemente desconsideradas pela edição de BD portuguesa e estrangeira no nosso país. Por outro lado, com esta nomeação contraria-se o preconceito da crítica nacional em relação a registos gráficos semelhantes aos utilizados na Ásia, sejam originalmente produzidos por autores asiáticos sejam de outras latitudes.

A antologia Raízes, editada por A Seita, sendo o quarto e último volume da TLS Series, conquistou a nomeação para Melhor Antologia, sendo o volume considerado pelo júri como o mais equilibrado da série a nível das propostas apresentadas. Figura, inclusivamente, nesta antologia a nomeada para Melhor BD Curta, denominada “Sem Cuecas nem Soutien”, da autoria de Nuno Saraiva. Se o desenho de Saraiva dispensa apresentações, nesta pequena BD tem um olhar tanto nostálgico como crítico à infância de toda uma geração que se banqueteava com um infindável desfilar de propostas da RTP, das animações às séries e filmes de aventuras, sobre as quais se inventavam divertidas canções de gosto duvidoso ou se emulavam as brincadeiras com índios, cowboys e os demais brinquedos disponíveis. Saraiva, como por magia, permite uma viagem no tempo que não deixará ninguém da sua geração indiferente.

Quanto às publicações estrangeiras, após muita ponderação, a nomeação para a Melhor Publicação Estrangeira foi para O Castelo dos Animais vol. 1: Miss Bengalore, da autoria de Xavier Dorison e Félix Delep, editada pela Arte de Autor. Por um lado, Delep esmera-se na ilustração. Por outro, o argumento garante a nomeação na categoria de Melhor Argumento Estrangeiro, com Dorison a inspirar-se não só na obra de O Triunfo dos Porcos de Orwell, mas também em material provindo de diferentes proveniências, com especial relevo para os ensinamentos de Mahatma Gandhi, para esta relato de resistência à ditadura, extremamente relevante na atualidade.

No que toca à nomeação para Melhor Ilustração Estrangeira, a escolha dos jurados foi Mattéo: Terceira Época (Agosto de 1936), da autoria de Jean-Pierre Gibrat, editada pela Ala dos Livros. O trabalho gráfico de Gibrat permite ao leitor apreciar por longas horas os mais ínfimos pormenores, os seus jogos de luz ou as técnicas utilizadas durante esta abordagem original e bem documentada do período anterior à II Guerra Mundial.

Apesar do pouco cuidado na edição nacional de Memórias de um Homem em Pijama de Paco Roca, a cargo da Levoir, com destaque para a ausência de separação entre as pranchas originais mas que também culmina na colocação de notas de rodapé em locais errados, a não tradução do espanhol cómic/comic para BD, a lombada branca que esvazia de significado o design no anterior livro de Thomas Ott ou mesmo o uso e abuso do termo «novela gráfica», como é apanágio do marketing, os jurados consideraram que a obra em si era demasiado relevante no período correspondente quanto à nomeação para Melhor Publicação de Humor, pelo que foi a banda desenhada escolhida para figurar nesta categoria.

Verões Felizes, a série de Zidrou e Jordi Lafebre, editada pela Arte de Autor, foi nomeada para Melhor Série de Publicações. A edição nacional de álbuns duplos é de louvar, enquanto Zidrou nos vai permitindo construir o puzzle sobre quem é esta família Faldérault, com as suas particularidades mas também muitas semelhanças com as demais famílias europeias ao longo das décadas retratadas. Entretanto, Lafrebre vai sublimando o seu desenho de álbum para álbum.

Blake e Mortimer: O Último Faraó, da autoria de François Schuiten, Jaco Van Dormael e Thomas Gunzig, editada pela ASA, foi nomeado para Melhor Edição. Por um lado, é de louvar a ASA editar uma reinterpretação da série por outros autores que não os alocados à série oficial, especialmente se considerarmos o histórico da editora em não se aventurar por tais caminho em séries como Spirou ou Lucky Luke. Com tal gesto, permite que os leitores que não sejam fãs de Blake e Mortimer, possam apreciar também este volume. Por outro, providencia o leitor com uma edição em capa dura, bem dimensionada e com uma boa impressão, exacerbada por um papel perfeitamente adequado.

Por fim, a nomeação para Melhor Reedição recaiu em Batman: Asilo Arkham, da autoria de Grant Morrison e Dave McKean, editada novamente pela Levoir. Para além de ser uma importante obra histórica de Batman, esta reedição está enriquecida com 33 páginas de extras, incluindo um prefácio da editora Karen Berger, desenhos e esboços.

Apresenta-se de seguida a lista completa das Nomeações dos Prémios Bandas Desenhadas 2020 até ao momento:

Nomeações de 2020

Melhor Publicação Nacional com Distribuição Comercial

  • Inverno: O Penteador – Paulo J. Mendes (Escorpião Azul)
  • Primavera: Desvio – Ana Pessoa & Bernardo P. Carvalho (Planeta Tangerina)
  • Verão:
  • Outono:
  • Extemporânea:

Melhor Publicação Nacional com Distribuição Alternativa

  • Inverno: Marcos 2020 – autor anónimo (Os Positivos)
  • Primavera: Weak – Kachisou (Bubok)
  • Verão:
  • Outono:
  • Extemporânea:

Melhor Argumento Nacional

  • Inverno: O Penteador – Paulo J. Mendes (Escorpião Azul)
  • Primavera: Desvio – Ana Pessoa (Planeta Tangerina)
  • Verão:
  • Outono:
  • Extemporânea:

Melhor Ilustração Nacional

  • Inverno: O Penteador – Paulo J. Mendes (Escorpião Azul)
  • Primavera: Weak – Kachisou (Bubok)
  • Verão:
  • Outono:
  • Extemporânea:

Melhor Antologia Nacional

  • Inverno: Pentângulo #3 (Chili Com Carne)
  • Primavera: TLS Series vol. 4: Raízes (A Seita)
  • Verão:
  • Outono:
  • Extemporânea:

Melhor BD curta editada em Antologia Nacional

  • Inverno: “Construção” – Francisco Sousa Lobo (Pentângulo #3 – Chili Com Carne)
  • Primavera: “Sem Cuecas nem Soutien” – Nuno Saraiva (TLS Series vol. 4: Raízes – A Seita)
  • Verão:
  • Outono:
  • Extemporânea:

Melhor Publicação Estrangeira

  • Inverno: O Pacto da Letargia – Miguelanxo Prado (Ala dos Livros)
  • Primavera: O Castelo dos Animais vol. 1: Miss Bengalore – Xavier Dorison & Félix Delep (Arte de Autor)
  • Verão:
  • Outono:
  • Extemporânea:

Melhor Argumento Estrangeiro

  • Inverno: A História de uma Serva: novela gráfica (baseada na obra de Margaret Atwood) – Renée Nault (Bertrand)
  • Primavera: O Castelo dos Animais vol. 1: Miss Bengalore – Xavier Dorison & Félix Delep (Arte de Autor)
  • Verão:
  • Outono:
  • Extemporânea:

Melhor Ilustração Estrangeira

  • Inverno: O Pacto da Letargia – Miguelanxo Prado (Ala dos Livros)
  • Primavera: Mattéo: Terceira Época (Agosto de 1936) – Jean-Pierre Gibrat (Ala dos Livros)
  • Verão:
  • Outono:
  • Extemporânea:

Melhor Publicação de Humor

  • Inverno: Bia e o Unicórnio vol. 7: Chapéus Há Muitos, Unicórnio! – Dana Simpson (Nuvem de Letras)
  • Primavera: Memórias de um Homem em Pijama – Paco Roca (Levoir)
  • Verão:
  • Outono:
  • Extemporânea:

Melhor Série de Publicações

  • Inverno: Descender – Jeff Lemire & Dustin Nguyen (G. Floy)
  • Primavera: Verões Felizes – Zidrou & Jordi Lafebre (Arte de Autor)
  • Verão:
  • Outono:
  • Extemporânea:

Melhor Edição

  • Inverno: Druuna Tomo 4: Planeta Esquecido | Clone – Paolo E. Serpieri (Arte de Autor)
  • Primavera: Blake e Mortimer: O Último Faraó – François Schuiten, Jaco Van Dormael & Thomas Gunzig (ASA)
  • Verão:
  • Outono:
  • Extemporânea:

Melhor Reedição

  • Inverno: O Morro da Favela – André Diniz (Polvo)
  • Primavera: Batman: Asilo Arkham – Grant Morrison & Dave McKean (Levoir)
  • Verão:
  • Outono:
  • Extemporânea:

O anúncio das Nomeações de Verão dos Prémios Bandas Desenhadas 2020, referentes às obras editadas no 3.º trimestre, será realizado no início de novembro.

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.