Lenine, o revolucionário.

O livro de banda desenhada Lenine é uma biografia que pretende falar sobre Lenine e sobre o seu contributo para a história, tendo como foco a sua história pessoal no caminho para o poder. A obra realça que a justiça social era o seu principal objetivo e que se fosse preciso erguer-se-ia uma ditadura, que foi o que aconteceu, nesta ótica dos meios justificarem os fins.

É, sem dúvida, importante não só perceber quem foi Lenine e qual o seu contributo para a história, mas também a relevância e importância que a URSS teve no contexto mundial, enquanto participante no cenário global. O livro, no seu final, contém um pequeno dossier que pormenoriza diversas questões, incluindo luta de Lenine pelo poder e a revolução na ex-URSS. Este dossier final é, inclusivamente, um dos componentes existentes em todos os livros desta série, Eles Fizeram História, que em Portugal é editada pela Gradiva, sendo semelhante aos dossiers de outras suas séries, como Descobridores ou A Sabedoria dos Mitos.

Lenine escreveu inúmeros livros, entre os quais “Que fazer?” – título igual ao romance de Nikolay Tchernychevsky (Никола́й Гаври́лович Черныше́вский) -, no qual o politico refere as suas ideias quanto à revolução. Ou seja, era um intelectual com ideias radicais e subversivas. A obra também fala da sua dúvida quanto à mudança de regime ser feita pelos homens que trabalham em fábricas e que são pouco instruídos. Lenine desde muito cedo que tinha ideias contrárias ao regime embora o seu pai tenha servido fielmente o rei. Tinha semelhantes às do seu irmão, que foi executado a mando do czar (rei do império Russo).

O livro também recorda a selvageria da repressão czarista. O texto revela as suas dúvidas e suspeitas para com Estaline – que matou milhões de soviéticos – e a sua simpatia por Trotski. Ele também é mostrado como um homem de ação, que se move pela justiça social. O livro é muito bem conseguido com factos da sua vida pessoal e da vida como revolucionário a serem revelados sempre com uma exatidão, revelando um bom trabalho do argumentista Antoine Ozanam, não nos esquecendo da análise histórica de Marie-Pierre Rey. Quanto à arte de Denis Rodler, é perfeitamente adequada e hábil.

Em suma, trata-se de uma obra muito rigorosa em termos históricos, apropriada para quem gosta da história da ex-URSS e quer saber mais sobre Vladimir Ilyich Ulianov, mais conhecido pelo pseudónimo Lenine, ou uma boa opção para quem quer simplesmente ler um bom livro.

SOBRE O AUTOR |

Paulo Pereira
Paulo Pereira
Apaixonado por BD, o seu livro preferido é “Maus” e tem mais livros que amigos (embora goste de amigos). Também acha que alguém devia erguer uma estátua ao Alan Moore. Dá-lhe muito prazer ver séries e filmes baseados nas mais variadas bandas desenhadas.