O ano editorial de banda desenhada em Portugal em 2020.

Ah, os Loucos Anos 20 e a sua época dourada! Se Portugal não vivenciou em primeira mão a quase totalidade daquilo porque a década ficou conhecida, desta vez seria diferente, neste mundo global. Até o ano era, a nível de design e potencial de marketing muito mais promissor que 1920. Aonde chegaríamos desta vez nas mais diferentes artes e na tecnologia? Que alterações político-culturais empreenderíamos?

Bem, o ano zero não será conhecido pela prosperidade generalizada. A pandemia de COVID-19 tem tido consequências socio-económicas globais, incluindo uma extensa recessão económica. Mandatou o isolamento a seres sociais e deu-nos o neologismo “antropausa”, uma redução da atividade humana moderna, que nos demonstrou o quão poluente esta é para o dia-a-dia do nosso planeta.

A vivência originou diferentes respostas a todos nós e esta antropausa certamente terá consequências futuras. Uma das mais imediatas foi ter obrigado à criatividade humana com as ferramentas disponíveis.

Em Portugal, no que toca à banda desenhada, nas plataformas da internet e/ou pensada para formato livro, vários foram os autores que utilizaram esta pausa para falarem da pandemia, seja em registos mais humorísticos ou desesperados. Várias foram publicadas em 2020 no nosso país, incluindo uma de um autor espanhol.

Se a pandemia pode ter alimentado a criatividade e produção de alguns autores, o confinamento tinha planos diferentes para a sua publicação e disponibilidade em formato físico, com livrarias – e, a certa altura, muitos pontos de venda de periódicos também – encerradas, bem como o cancelamento de eventos. Como resultado, algumas editoras foram tentando cumprir o mais possível o seu plano editorial, enquanto que outras alteraram-no profundamente.

Relembre-se que a distribuição alternativa, isto é, não distribuída em livrarias nem pontos de venda de periódicos, correspondeu em 2019 a mais de um quinto da produção nacional – algo que, contudo, tem vindo a decrescer nos últimos anos, com um menor número de publicações de edições de autor e fanzines. Sem eventos da especialidade, a motivação para realizar esta ou aquela obra para ser disponibilizada neste ou naquele evento também esmoreceu nalguns casos. Noutros, originou material para ser publicado à posteriori.

Trará 2021 um boom artificial da publicação de BD nacional? Ou, não sendo provavelmente o 2021 que já se desejaria, a repercussão estender-se-á até 2022? O futuro dirá…

Quanto a 2020, apresentamos hoje o somatório dos dados mensais publicados no nosso site relativos à banda desenhada editada em Portugal no ano passado. Ainda com carácter pré-definitivo, a estatística apresentada refere-se a novidades de banda desenhada, isto é publicações com BD em 50% ou mais das suas páginas. De qualquer modo, no final apresentam-se ainda alguns dados relativos às publicações sobre banda desenhada, editadas em 2020.

Para esta análise não são contempladas reimpressões. Também não fazem parte desta análise as revistas e livros importados em língua francesa e na norma brasileira da língua portuguesa, distribuídos nos pontos de venda de periódicos.

Total:
271 publicações de BD

  • janeiro: 24
  • fevereiro: 31
  • março: 22
  • abril: 10
  • maio: 14
  • junho: 22
  • julho: 19
  • agosto: 23
  • setembro: 29
  • outubro: 38
  • novembro: 25
  • dezembro: 14

Comparativamente, com o número total de publicações de BD em 2019 – ligeiramente acima das 310 -, houve um decréscimo de 13% relativamente ao ano passado.

Subtotais:

  • Livros de BD com distribuição no canal livreiro e/ou bancas: 234
    • janeiro: 22
    • fevereiro: 27
    • março: 20
    • abril: 9
    • maio: 11
    • junho: 21
    • julho: 16
    • agosto: 19
    • setembro: 24
    • outubro: 36
    • novembro: 19
    • dezembro: 10
  • Revistas de BD com distribuição no canal livreiro e/ou bancas: 1
    • janeiro: 1
    • fevereiro: 0
    • março: 0
    • abril: 0
    • maio: 0
    • junho: 0
    • julho: 0
    • agosto: 0
    • setembro: 0
    • outubro: 0
    • novembro: 0
    • dezembro: 0
  • Publicações de BD com distribuição alternativa: 36
    • janeiro: 1
    • fevereiro: 4
    • março: 2
    • abril: 1
    • maio: 3
    • junho: 1
    • julho: 3
    • agosto: 4
    • setembro: 5
    • outubro: 2
    • novembro: 6
    • dezembro: 4

No que toca ao mercado livreiro, após uma grande diminuição do número de lançamentos em abril no canal livreiro, aquando do primeiro confinamento, verifica-se um acréscimo nos meses seguintes, com exceção de dezembro, caraterizado por uma diminuição habitual da atividade editorial.

Distribuição:

  • Canal livreiro: 208 (alguns dos quais, só foram ainda comercializados por contacto direto com a editora ou distribuídos em bancas ou em eventos)
  • Pontos de venda de periódicos, em exclusividade: 27
  • Distribuição alternativa a livrarias e bancas, em exclusividade: 36

A maioria das publicações em banda desenhada editadas em 2020 foi distribuída no canal livreiro. Verifica-se uma diminuição de 13% dos lançamentos neste canal, quando comparado com 2019.

Concomitantemente, a distribuição em pontos de venda de periódicos continua a ser um importante canal para algumas editoras, seja na forma de lançamento inicial seja (quase) concomitantemente com o mercado livreiro. Quanto às publicações em exclusividade neste canal, correspondem a 26 livros e 1 revista, o que corresponde a cerca de 10% dos lançamentos totais. Este aumento – em 2019, tal correspondeu a 0,6% – deve-se, exclusivamente, à distribuição da série Astérix: Coleção Integral, editada pela Salvat.

Por outro lado, o número de lançamentos com distribuição alternativa diminuiu para cerca de metade, perante a ausência de certames da especialidade. Nesse sentido, 13% das publicações identificadas não teve distribuição para o grande público (ao contrário dos 22% verificados em 2019).

Formato:

  • Jornais: 0
  • Livros: 253
  • Revistas: 1
  • Outros (brochuras, etc): 17

Desde a insolvência da Goody, o número de revistas de banda desenhada nas bancas mantém-se residual. Apesar de terem sido publicadas dezenas de revistas com BD, somente 1 apresentou mais de 50% nas suas páginas.

Os livros correspondem a cerca de 93% das publicações de BD. Dos 253 livros, eis a distribuição por tipo de encadernação:

  • Capa dura: 174
  • Capa mole: 79

A encadernação em capa dura está presente em cerca de 69% dos livros de banda desenhada.

Cor de impressão:

  • Cores: 217
  • Preto: 54

A impressão do miolo a cores está presente em 80% das publicações de BD.

País de origem:

  • Alemanha: 4
  • Bélgica: 19
  • Brasil: 4
  • Canadá: 2
  • Espanha: 6
  • EUA: 73
  • França: 72
  • Índia: 1
  • Itália: 10
  • Japão: 16
  • Noruega: 1
  • Portugal: 60
  • Reino Unido: 2
  • Suíça: 1

Em 2020, o país de origem mais representado é os EUA com 73 edições. Segue-se França com somente menos uma edição. Caso se agregue França e Bélgica (91 edições), superam as 73 edições de material norte-americano. Portugal fica em 3.º lugar, com 60 edições. Destas publicações de material nacional, 27 publicações (45%) não tiveram nem terão distribuição para o grande público.

Comparativamente com 2019, Portugal perde o 1.º lugar, reduzindo em 43% o seu número de publicações. A maior subida é da BD francesa, para mais do dobro de publicações. A explicação para tal não se esgota na publicação da série Astérix: Coleção Integral. Há, sem dúvida alguma, uma especial aposta na BD franco-belga, algo que não se verificava com esta dimensão há bastantes anos e cuja tendência se tinha iniciado em 2019.

Editoras originais das 211 publicações de material estrangeiro:

  • Albin Michel: 1
  • Allary: 1
  • Andrews McMeel: 7
  • L’Association: 1
  • Astiberri: 2
  • Barba Negra: 1
  • BeccoGiallo: 1
  • Blue Ocean: 1
  • Boom: 1
  • Cadú Simões: 1
  • Canterbury Classics: 1
  • Cappelem Damm: 1
  • Carlsen: 1
  • Casterman: 8
  • Crás: 1
  • Daily Mirror: 2
  • Dargaud: 9
  • Dark Horse: 9
  • David Revoy: 1
  • DC Comics: 17
  • Delcourt: 2
  • Drawn & Quarterly: 1
  • Dupuis: 1
  • Les Éditions Albert René: 27
  • Éditions Blake et Mortimer: 4
  • Egmont: 2
  • FLBLB: 1
  • Fososha: 1
  • Futuropolis: 1
  • Gallery 13: 1
  • Glénat: 20
  • Grafito: 1
  • Graphic India: 1
  • Hachette: 4
  • Les Humanoïdes Associés: 1
  • Icon: 1
  • IDW: 2
  • Image: 14
  • Joe Comics: 1
  • King Features Syndicate: 2
  • Lancio: 1
  • Le Lombard: 5
  • Lucky Comics: 3
  • Marvel: 6
  • McClelland & Stewart: 1
  • McNaught Syndicate: 1
  • Milano Libri: 3
  • Norma: 1
  • Oni: 2
  • Papercutz: 2
  • Paquet: 1
  • Quadrinhos na Cia.: 1
  • Reino de Cordelia: 1
  • Reservoir Books: 1
  • Lo Scarabeo: 2
  • Scholastic: 2
  • Sergio Bonelli Editore: 2
  • Shueisha: 15
  • Tundra Books: 4
  • Tunué: 1
  • Vents d’Ouest: 1

Do material estrangeiro, destaca-se a Les Éditions Albert René com direito a 27 edições, a Glénat com 20 edições, a DC Comics com 17 publicações, a Shueisha com 15 publicações e a Image com 14 edições.

Quinquénio da edição original:

  • 1945 – 1949: 3
  • 1950 – 1954: 3
  • 1955 – 1959: 1
  • 1960 – 1964: 3
  • 1965 – 1969: 10
  • 1970 – 1974: 4
  • 1975 – 1979: 4
  • 1980 – 1984: 3
  • 1985 – 1989: 5
  • 1985 – 1989: 2
  • 1990 – 1994: 4
  • 1995 – 1999: 10
  • 2000 – 2004: 8
  • 2005 – 2009: 15
  • 2010 – 2014: 17
  • 2015 – 2019: 100
  • 2020: 79

As edições originalmente publicadas no quinquénio 2015-2019 correspondem a 37% das publicações de banda desenhada. Cerca de 29% foram originalmente publicadas este ano.

Originalidade:

  • Inéditos mundiais: 56
  • Inéditos em Portugal: 158
  • Reedições: 57

As reedições correspondem a cerca de 21% das edições de banda desenhada em 2020. Houve um aumento, comparativamente a 2019, ano no qual as reedições corresponderam a 16% das obras editadas.

Publicações por editora: 

  • Ala dos Livros: 9
  • Alfaguara: 1
  • André Morgado: 1
  • Ao Norte: 1
  • Arte de Autor: 13 ½ (14 publicações)
  • ASA: 25
  • Bertrand: 2
  • Bicho Carpinteiro: 1
  • Bizâncio: 1
  • Blue Ocean: 1
  • Bubok: 1
  • Calçada das Letras: 1
  • Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto: 1
  • Chili Com Carne: 5 ½ (6 publicações)
  • Ciência Viva: 1
  • Devir: 21
  • Documenta: 2
  • Dom Quixote: 1
  • Elsinore: 1
  • Escorpião Azul: 7
  • FA: 3
  • Fojo / O Gorila: 1
  • G. Floy: 24
  • Gailivro: 1
  • GICAV: 1
  • Gradiva: 8
  • Influência: 1
  • Kingpin: 2
  • Levoir: 38
  • Libri Impressi: 3
  • Liliana Maia (via Lulu): 1
  • Lovers & Lollypops: ½ (1 publicação)
  • Lucas Moreira (via Blurb): 2
  • Marcador: 1
  • Massacre: 1
  • Midori: 2
  • Município de Trancoso: 1
  • Nuvem de Letras: 14
  • Oficina do Livro: 5
  • Pato Lógico: 2
  • Planeta: 1
  • Planeta Satélite: 1
  • Planeta Tangerina: 2
  • Polvo: 2
  • Porto Editora: 1
  • Os Positivos: 2
  • Renato Abreu: 1
  • RKComics: 1
  • Rodolfo Mariano: 1
  • Saída de Emergência: 2
  • Salvat: 26
  • A Seita: 7 ½ (8 publicações)
  • Serafim & Malacuéco Inc.: 6
  • Sítio do Livro: 1
  • Suma de Letras: 1
  • Tágide: 2
  • Tentáculo: 1
  • Teorema: 1
  • Tinta da China: 1
  • Umbra: 1
  • Vogais: 1

Verifica-se então que, em 2020, a Levoir é o líder no segmento do mercado, com um total de 38 lançamentos. Quanto ao segundo lugar, é ocupado pela Salvat, com 26 publicações. Segue-se a ASA com 25 edições. A G. Floy conta com 24 lançamentos. A Devir tem um total de 21 publicações. O 6.º lugar pertence à Nuvem de Letras, com 14 edições. Por fim, destaca-se ainda a Arte de Autor, com 13 lançamentos a solo (e 1 coedição).

Comparativamente com 2019, dos lugares cimeiros desapareceram a Escorpião Azul e a Gradiva (com 12 edições cada em 2019, ao contrário de, respetivamente, 7 e 8 livros em 2020), bem como a Polvo (com 11 lançamentos em 2019 e somente 2 edições em 2020). Verificou-se ainda um quase abandono da edição da BD por parte da Planeta, com somente 1 lançamento (ao contrário dos 7 de 2019).

Na distribuição alternativa à comercial, houve também uma grande diminuição das publicações da Serafim & Malacuéco, Inc. (com 14 lançamentos em 2019, ao contrário dos 6 verificados em 2020). Por seu turno a Zone Komics (com 8 lançamentos em 2019) e a Gorila Sentando (com 6 edições em 2019), eclipsaram em 2020.

Edições sobre BD:

  • Câmaras Municipais: 0
  • Edições de autor: 1
  • Editoras especializadas em BD: 0
  • Organizações especializadas em BD: 10

Do total de 11 publicações sobre BD, nenhuma teve distribuição para o grande público.

Comparativamente com 2019, não só houve uma redução do número total de edições sobre BD (15 edições em 2019), como das disponibilizadas ao grande público (13% em 2019 vs. 0% em 2020).


imagem: Painel de personagens de BD em azulejaria no Parque das Nações, Lisboa (© Bandas Desenhadas, janeiro de 2021)

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.