O regresso em 2019.

Com data de outubro de 2019, surgiu o zine Shock n.º 33, cinco anos após o falecimento de Estrompa, o autor de banda desenhada e faneditor que criou essa série de fanzines. Para os menos familiarizados com a história do fanzine Shock, este foi iniciado em 1983 com o #0. Nesta série de fanzines foram sendo publicados autores conceituados ao lado de novos autores, tendo no Salão de Amadora 94, o “Shock n.º 15 com Suplemento Café No Park” recebido o 1.º Prémio de Melhor Fanzine (ex-aequo) e o 1.º Prémio de Melhor Fanzine Nacional Simão 94. Em 1995, recebeu novamente o 1.º Prémio de Melhor Fanzine Nacional no Salão Amadora 95. Em 2009, aquando do seu 29.º número, foi alvo de uma exposição organizada pela Chili Com Carne. Ao longo das suas décadas de existência, o fanzine foi sofrendo diferentes mudanças, tendo sido também um dos locais onde a série Tornado de Estrompa seria publicada, uma BD que alguém definiu como uma paródia policial/chunga com o humor brejeiro bairrista, do Torpedo de Bernett. Em 2015, a El Pep tinha editado Shock – Tributo a Estrompa em jeito de homenagem ao autor então desaparecido há 1 ano.

Em 2019, a série regressa com o seu formato zine e o número 33, dando continuidade ao trabalho realizado por Estrompa, tendo como editor José Lopes e sob edição dos Estúdios Bonecos Rebeldes.

Desta forma, o Shock #33 conta com trabalhos de Derradé, Estrompa, José Lopes, Jesualdo, Carlos Alberto, Mário Campos, Varandas e Nina.

Clique nas imagens para as visualizar em toda a sua extensão:

Eis o editorial:

Uma espécie de homenagem contra o Estrompa (cheia de ordinarices)! O shock terá sido, porventura, a pior criação do Estrompa. Com qualidade entre o Casal toso e a Nova Iorque, nunca conseguiu vender muitos exemplares, sendo a maioria oferta. Os potenciais compradores fugiam e desculpavam-se que já tinham comprado a Maria (revista de obscenidades, como todos nós sabemos). Foram publicados 32 números, o que foi um exagero, porque bastava o primeiro para ver o que a casa gasta. Nunca houve lançamentos porque o projecto não tinha asas para voar. Ninguém assinava o shock com receio de que a assinatura fosse falsificada. Resumindo, o leitor tem nas suas mãos, o shock no seu melhor: feio, porco e bad, mas tudo feito com classe… de baixo nível.

Os interessados devem entrar em contacto com o faneditor através do email xptooklopes@gmail.com.

Shock n.º 33
Vários autores
Editor: José Lopes
Editora: Bonecos Rebeldes
Páginas: 48, a preto e branco
Encadernação: agrafes
Formato: A4
PVP: 5,00€

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.