Cartoon Xira 2021 em livro.

Como é habitual, a chancela editorial Documenta, em parceria com a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, edita o álbum Cartoons do Ano 2020, por ocasião da 22.ª edição da Cartoon Xira, que está patente entre 5 de junho e 29 de agosto de 2021 no Celeiro da Patriarcal, em Vila Franca de Xira.

A exposição, novamente comissariada pelo cartoonista vilafranquense António Antunes, traça a retrospetiva do ano anterior através dos melhores cartoons publicados em 2020, reunindo alguns dos melhores trabalhos dos cartoonistas portugueses Vasco Gargalo, André Carrilho, António Maia, Rodrigo Matos, Henrique Monteiro, Cristiano Salgado, Cristina Sampaio, Nuno Saraiva e, pela primeira vez, João Fazenda, para além do próprio António Antunes.

Eis a sinopse da editora:

“O tema incontornável nesta retrospetiva é a pandemia de Covid-19, que aliás acaba por ser transversal a muitos outros aspetos também relevantes da conjuntura social e política nacional e internacional. Num ano tão difícil quanto este que atravessámos, tornou-se ainda mais importante a presença do humor nas nossas vidas, sendo por vezes o elemento catalisador que nos ajudou a renovar energias e a enfrentar tantas circunstâncias dramáticas que preencheram o nosso dia-a-dia.” – Alberto Mesquita
“Nos últimos tempos, os cartoonistas tornaram-se alvos habituais de reacções fortes. Reacções fortes a ideias fortes são compreensíveis e até desejáveis, mas os cartoons costumavam ser vistos, antes de mais, como um efeito forte. Os cartoonistas têm ideias, claro, mas também têm um método, que é o exagero. E esse método passou a ser tratado como uma ideia, quer dizer, como uma afronta. Esta antologia dos melhores cartoons portugueses de 2020 mostra-nos um planeta doente. Trata-se, em primeiro lugar, da pandemia e dos medos que desencadeou. O coronavírus, com a sua característica (e microscópica) configuração, faz-se bem visível nestas páginas: é uma bola, um novelo, um escudo, um sol, uma forma que tomou conta da nossa existência e da nossa imaginação visual. Mas depois vem o «exagero» de apresentar a Covid como um de vários vírus em voga, entre os quais o neonacionalismo, o fundamentalismo, a democracia iliberal ou os líderes mundiais com penteados estrambólicos, incluindo aquele que achava que isto ia lá com lixívia. É que enquanto muita gente exige cartoons sem exageros, o mundo anda tão exagerado que até o exagero parece um eufemismo.” – Pedro Mexia

André Carrilho nasceu na Amadora, em 26 de julho de 1974. Trabalha desde 1992 como ilustrador, designer gráfico, animador e caricaturista, colaborando com as mais importantes publicações portuguesas. Vencedor de vários prémios nacionais e internacionais, já viu o seu trabalho exposto em Portugal, Espanha, Brasil, França e EUA. Em 2002, foi galardoado com o prémio Gold Award para Portfolio de Ilustração pela Society for News Design (EUA), um dos mais importantes prémios de ilustração a nível mundial. The New Yorker, The New York Times, Word, Vanity Fair, Harper’s, The Independent on Sunday, Bilboard e Diário de Notícias são apenas alguns dos títulos em cujas páginas se podem encontrar trabalhos seus. Realizou a curta-metragem de animação Jantar em Lisboa, com argumento de J.P. Simões, cuja produção terminou em 2007. Em 2004, iniciou uma parceria de criação new media com o músico/programador Nuno Correia, batizada Video Jack, que editou o CD/DVD Heat Seeker, divulgado amplamente no Reino Unido, França, Polónia, Estónia, Finlândia e Alemanha. Mais recentemente, a dupla realizou os projectos AVOL (Audio-Visual OnLine), a convite da Direcção-Geral das Artes, e Master and Margarita, adaptação audiovisual da obra homónima de Mikhail Bulgákov. Em 2008, criou com João Paulo Cotrim o projeto de cartoons animados Spam Cartoon, que conta com a colaboração dos ilustradores Cristina Sampaio e João Fazenda, transmitido semanalmente no canal SIC, SIC Notícias e SIC Internacional. André Carrilho vive e trabalha em Lisboa.

António Antunes (Vila Franca de Xira, 12 de abril de 1953) publicou os seus primeiros cartoons no diário lisboeta República, em Março de 1974. No final do mesmo ano, ingressou no semanário Expresso onde continua a publicar as suas obras. Dos prémios recebidos destacam-se: Grande Prémio do XX International Salon of Cartoons (Montreal, Canadá, 1983), 1.º Prémio de Cartoon Editorial do XXIII International Salon of Cartoons (Montreal, Canadá, 1986), Grande Prémio de Honra do XV Festival du Dessin Humoristique (Anglet, França, 1993), Award of Excellence — Best Newspaper Design, SND — Estocolmo, Suécia (1995), Premio Internazional Sátira Politica (ex æquo, Forti dei Marmi, Itália, 2002), Grande Prémio Stuart Carvalhais (Lisboa, Portugal, 2005) e o Prix Presse International (St. Just-Le-Martel, França, 2010). Realizou exposições individuais em Portugal, França, Espanha, Brasil, Alemanha e Luxemburgo. Publicou, entre outros, os livros António — 20 anos de Desenhos (1994), Desenhos Satíricos (2000) e Traços Contínuos (2005), integrando também as coletâneas Cartoons do Ano, desde 1999, e as internacionais 1970’s The Best Political Cartoon of Decade (1981), The Finest International Political Cartoons of Our Time, volumes I, II e III (1992, 1993 e 1994) e Cartoonometter (1994). Foi júri de salões de desenho humorístico em Portugal, Brasil, Grécia e Turquia. António dedica-se também ao design gráfico, à escultura e à medalhística. É diretor do salão de humor gráfico World Press Cartoon. Na Documenta, para além de integrar Cartoons do Ano, publicou Caricaturas do Metro Aeroporto (2013).

António Maia nasceu em Rio Maior, em 1951. Frequentou os cursos de Sociologia, Direito e História da Arte. Artista plástico e jornalista, a sua atividade divide-se entre o cartoon e a pintura. Começou a publicar cartoons em 1978 no semanário Edição Especial. Entre 1979/80, no jornal Tempo e também no jornal A Tribuna. De 1981 a 1983 publica no jornal Expresso. Segue-se o Semanário 1983/2000, A Capital 1984/2000. De 2000 a 2009, no jornal 24 Horas. Colaborou também nas revistas Fortuna e Villas & Golfe e atualmente na Golf Digest. No presente, publica cartoons nos jornais Correio da ManhãO Ribatejo e Jornal do Algarve. Desde 1979 que tem feito inúmeras exposições individuais e coletivas, tanto de cartoons como de pintura, em Portugal e no estrangeiro. Ganhou os seguintes prémios: Prémio Desenho do Ano – Salão Nacional de Caricatura, Vila Real, 1987; 1.º Prémio do Salão de Tecnologia e Desenvolvimento, Instituto Superior Técnico, 1988; Prémio Cartoon de Imprensa – Salão Nacional de Caricatura, Porto de Mós, 1988; Prémio Cartoon de Imprensa – Salão Nacional de Caricatura, Porto de Mós, 1990; Prémio Cartoon de Imprensa – VII Salão Nacional de Caricatura, Oeiras, 1992; Prémio Humor de Imprensa – VIII Salão Nacional de Caricatura, Oeiras, 1994; Grande Prémio do IX Salão Nacional de Caricatura, Oeiras, 1995; Prémio Gazeta, Cartoon 1995 – Clube de Jornalistas, Lisboa, 1995. Entre os vários livros de cartoons publicados, contam-se a série Cartoons do Ano, em parceria com outros cartoonistas e que se publicam desde 1999. Como cartoonista, está representado nos museus Sammlung Karikaturen & Cartoons, Basileia, Suíça e Herausgeber – Haus der Bumdesrepublik Deutschland, Bonn, Alemanha.

Cristiano Salgado nasceu a 30 de janeiro de 1977. Trabalha como animador, caricaturista e ilustrador para jornais, revistas, agências de publicidade, produtoras, etc. Formou-se na escola António Arroio (1996). Curso de Cinema e Animação na Fundação Calouste Gulbenkian (1997). Curso de Animação de Volumes na Fundação Calouste Gulbenkian (1998).

Cristina Sampaio nasceu em Lisboa. Tem o curso de Pintura da ESBAL. O seu trabalho tem-se repartido entre cartoon, ilustração, animação e multimédia. Principais publicações onde colabora ou colaborou: Público, Expresso, Independente, África 21CombateCourrier InternationalNew York TimesWall Street JournalWashington PostPuls BiznesuKleine ZeitungDie Presse. Principais exposições: O Desenho dos Dias, Bedeteca de Lisboa 2001; Na Ponta da Linha, Cartoon Xira 2003; Ilustrace Cristiny Sampaiové, Praga 2007; Combate Ilustrações 88/89, A Comuna 1989; Por Timor, Padrão dos Descobrimentos 1992; Declaração Universal dos Direitos Humanos, Malaposta 1996; 25 Bandas Desenhadas comemorativas do 25 de abril, Cordoaria Nacional 1999; 500 anos de Brasil, Casino Estoril / Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro 2000; Coisas que Acontecem, Cordoaria Nacional 2004; World Press Cartoon, Centro Cultural Olga Cadaval 2005 a 2010; Ilustração Portuguesa, Bedeteca de Lisboa 1998 a 2004; World Press Cartoon – Prix 2005-2008, Fundação Calouste Gulbenkian, Paris 2008; Cartoons from the 27 Countries of the EU, Zappeion Megaron, Atenas 2008; Cartoon Xira, Celeiro da Patriarcal, Vila Franca de Xira 2009 e 2010; Expressions – International Cartoon Exhibition, Global Forum on Freedom of Expression, Drøbak 2009; Dessine-moi la Paix en Méditerranée, Marseille 2009; Um Século, Dez Lápis, Cem Desenhos, Museu da Presidência da República 2009; Taches d’Opinion, Mémorial Cité de l’Histoire, Caen 2010; Res Publica, Fundação Calouste Gulbenkian 2010. Principais prémios e distinções: Society of News Design USA – Award of Exellence, 2002, 2005 e 2009; Prémio Stuart de Desenho de Imprensa, categoria Cartoon, El Corte Inglés / Casa da Imprensa, 2006 e 2010; 1.º Prémio World Press Cartoon 2007, categoria Cartoon Editorial; Menção Honrosa World Press Cartoon 2009; Society of News Design de Pamplona, Medalha de Prata 2009.

Henrique Monteiro é natural de Cabreira-do-Côa, Guarda (20-03-1969) e residente em Lisboa desde 1979. Executou trabalhos gráficos para empresas; participou em iniciativas para BD com outros artistas plásticos; esteve presente com trabalhos em exposições promovidas pela Humorgrafe: Encontro Iberoamericano da Cultura Humorística, Paródia & Pastiche; 20 anos de Democracia Satírica – Mário Soares visto por Caricaturistas; Iconografias da Sátira Contemporânea, Presidente Soares na Caricatura em Macau; Mostras de Humor Gráfico de Alcalá Henares – Espanha; III Bienal de Caricatura de Ourense – Espanha. Colaborou com a Editora “Elo”, efetuando Bandas Desenhadas para os “CTT”, “Delta Cafés” e “Carris”; foi colaborador permanente no Semanário Expresso de 1993 a 2002 (onde iniciou a sua carreira como cartoonista e ilustrador); colaborou para o Diário de Notícias, onde, entre outras coisas, ilustrou um artigo bissemanal do Estebes (Herman José) com textos dos Gatos Fedorento; colaborou com as revistas/jornais Valor, Exame, Semanário Económico, Jornal do Imobiliário, revista Prémio, revista Just Leader; foi premiado nos Salões Humor de Imprensa com a melhor ilustração em 1997 e 1998, Menção Honrosa no XI Salão Luso-Galaico, em Vila Real em 2007 e 1.º lugar em 2009; efetuou exposições individuais de cartoon e ilustração em vários locais do país, e uma exposição individual no Metropolitano de São Paulo – Brasil, em 2007; publicou trabalhos como cartoonista e ilustrador no Jornal i, Jornal de Negócios, Peninsula Press, entre outros títulos. Na internet tem, desde Março de 2008,  um blogue de Cartoons –  Henricartoon, http://henricartoon.blogs.sapo.pt. Atualmente publica diariamente dois cartoons nas páginas do SAPO Notícias e SAPO Desporto.

João Fazenda (Lisboa, 1979) estudou Artes Gráficas na António Arroio e licenciou-se em Pintura pela Faculdade de Belas-Artes de Lisboa. O seu trabalho parte do desenho para explorar várias das suas possibilidades enquanto motor de criação de imagens, passando pela ilustração, cinema de animação, banda desenhada e pintura. Trabalha regularmente como ilustrador para a imprensa desde 2000, assinando ilustrações para diversas publicações nacionais e internacionais. Atualmente colabora regularmente com a New YorkerThe New York Times e a Visão. Deu aulas de ilustração no Ar.Co e é hoje professor na FBAUL. Ilustrou diversos livros, capas de discos, cartazes de cinema e campanhas institucionais. É autor, com Marte, da série de BD Loverboy, e com Pedro Brito, da novela gráfica Tu és a mulher de minha vida, ela a mulher dos meus sonhos. Realizou os filmes de animação Café, em parceria com Alex Gozblau, Algo Importante e Sem Querer, ambos com argumento de João Paulo Cotrim, e Mesa, apresentado em 2020. No mesmo ano, estreou no Teatro Luís de Camões o espetáculo da sua autoria Grande Estrondo, dando continuidade ao trabalho desenvolvido com o espetáculo Retrato Falado, criado com Pedro da Silva Martins e estreado em 2014 no Teatro Maria Matos, em Lisboa, e depois apresentado em vários pontos do país. Dos vários prémios que o seu trabalho recebeu destacam-se o Prémio de Ilustração BIG – Bienal de Ilustração de Guimarães, em 2018, Prémio Nacional de Ilustração, 2015, o World Illustration Award atribuído pelo Association of illustrators (UK) e pelo Directory of Illustration(USA) na categoria de ilustração para livros em 2017, o Grande Prémio Stuart – El Corte Inglês de Desenho de Imprensa, 2007, e o Prémio António Gaio – Melhor filme de animação Português, no Festival Cinanima, para o filme Sem Querer, em 2011. Foi ainda várias vezes distinguido pela Society of Illustrators NY, Society of News Design, 3X3 Proshow, Communication Arts e American Illustration. Participou em diversas exposições coletivas e individuais um pouco por todo o mundo. Atualmente vive e trabalha em Lisboa, depois de uma década a viver em Londres

Nuno Saraiva nasceu em Lisboa, em 1969. Como ilustrador editorial colaborou praticamente com toda a imprensa escrita portuguesa, com destaque para o ExpressoObservadorPúblico ou TimeOut Lisboa. Com Júlio Pinto, criou as séries em BD Filosofia de PontaArnaldo, o Pós-Cataléptico e A Guarda Abília. Nos últimos anos publicou com João Miguel Tavares A Crise Explicada às Crianças (Esfera dos Livros) com versão grega (Patakis Publications); ilustrou o livro Caríssimas 40 Canções – Sérgio Godinho e as Canções dos Outros (Abysmo); Isto É um Assalto, com Francisco Louçã e Mariana Mortágua (Bertrand) e Aníbal Milhais – O Soldado Milhões, texto de José Jorge Letria (Pato Lógico). Desenhou as Festas de Lisboa que animaram arraiais desde 2014 até hoje. O seu livro Tudo Isto É Fado! (Museu do Fado) foi galardoado com o prémio Melhor Livro de BD 2016 (FIBDA). Ganhou concurso a Bolsas de Criação Literária na modalidade BD por despacho do Ministro da Cultura e homologado pelo Diretor-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, 2018. É atualmente docente na escola de artes e comunicação Ar.Co onde ajudou a criar vários workshops nas áreas de ilustração, BD, cinema e cartoon político. Por estes dias tem-se dedicado também à pintura mural e já conta com seis obras espalhadas pela cidade de Lisboa.

Rodrigo de Matos é um cartoonista editorial do semanário Expresso, em Portugal, desde 2006 – publicando no caderno de Economia e na edição online.. Nascido em Silva Porto (Angola) em 1975, viveu até aos 15 anos no Brasil, licenciou-se em Jornalismo em Coimbra e trabalhou como jornalista durante seis anos em Lisboa, até mudar-se para Espanha onde se formou em Ilustração Editorial e de Imprensa na Esdip, em Madrid. Em Macau desde 2009, publica todas as semanas nos diários Ponto Final e Macau Daily Times. Galardoado na Bélgica, com o Grande Prémio no concurso Press Cartoon Europe 2014. Site oficial: www.rodrigocartoon.com

Vasco Gargalo nasceu em Vila Franca de Xira em 1977. Ilustrador em regime freelancer, reside e trabalha em Vila Franca de Xira. Formação e experiência nas Artes de Ilustração e Banda Desenhada no Ar.co e Faculdade de Belas-Artes de Lisboa. Frequentou o mestrado em Ilustração Artística do Instituto Superior de Educação e Ciências (ISEC) em protocolo com a Universidade de Évora. Até ao momento participou em diferentes publicações de tiragem nacional: editoras, jornais, revistas, agências de publicidade, projetos artísticos de Ilustração e Banda Desenhada. Participou em várias exposições coletivas e individuais em Portugal. Prémios: Em 2014, Prémio Especial da Humorgrafe, na IV Bienal de Humor Luís d’Oliveira Guimarães, em Penela. Vencedor do Concurso Sardinhas das Festas de Lisboa, promovido pela EGAC, 2011. Em 2009, recebeu o Prémio Stuart de Desenho de Imprensa do El Corte Inglês, para melhor cartoon/caricatura da Imprensa Portuguesa. Prémio Juventude de Ilustração, XIX Salão Nacional Humor de Imprensa em Oeiras, 2005. Menção Honrosa no IX Salão Luso-Galaico de Caricatura em Vila Real, 2005.

Cartoons do Ano 2020
António Antunes, André Carrilho, Cristina Sampaio, João Fazenda, Vasco Gargalo, António Maia, Henrique Monteiro, Rodrigo de Matos, Cristiano Salgado, Nuno Saraiva
Editora: Documenta
Páginas: 128, a cores
Encadernação: capa dura
Dimensões: 17 x 21 cm
ISBN: 9789899006881
PVP: 15,00€

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.