A primeira obra do duo.

Os Olhos do Gato é a primeira obra conjunta do duo criativo Alejandro Jodorowsky (argumento) e Mœbius (desenho), publicada inicialmente em 1978 por Les Humanoïdes Associés. Em páginas amarelas, esta narrativa visual desafia os limites entre a banda desenhada e o livro ilustrado.

Inédita no nosso país até ao momento, a obra é publicada este mês numa coedição da Arte da Autor e A Seita, à semelhança do que já tinham realizado com Shangai Dream.

Clique nas imagens para as visualizar em toda a sua extensão:

Eis a sinopse das editoras:

Verdadeiro poema visual, de uma simplicidade e crueldade enganadoras, que mostra uma utilização inovadora dos mecanismos narrativos da banda desenhada e do cinema, Os Olhos do Gato é a primeira e a menos convencional das colaborações entre Moebius e Jodorowsky, dupla responsável por obras incontornáveis com a série O Incal, ou A Louca do Sacré Coeur. Uma obra de culto, poética e mística, que, mais de 40 anos após a sua publicação original, mantém intacto todo o seu fascínio.
Obra singular no percurso de dois geniais criadores, Os Olhos do Gato é uma obra única, até na forma como aborda as convenções da BD para as subverter. Uma obra mítica, que, por ter estado indisponível durante muito tempo, foi bastante mais falada do que lida, o que ajudou ao seu estatuto de verdadeiro livro de culto. Um livro imprescindível, que finalmente é editado em Portugal, numa edição num formato ligeiramente maior do que o original, de modo a que o fabuloso trabalho gráfico de Moebius possa ser devidamente apreciado, em mais uma colaboração editorial entre A Seita e a Arte de Autor. A edição portuguesa inclui o prefácio original de Jodorowsky e é enriquecida por um dossier final da autoria de João Miguel Lameiras que traça a história desta obra singular, ilustrado com imagens raras.
“Cada vez que via uma página [de Os Olhos do Gato] o prazer espiritual que sentia era de um nível superior ao de um orgasmo. Diante dos meus olhos, tinha a prova inegável de que a banda desenhada é uma grande arte, merecedora de um respeito semelhante ao dispensado aos quadros expostos nos museus.” – Alejandro Jodorowsky (do prefácio)

Alejandro Jodorowsky, artista polivalente, é um dos maiores argumentistas de banda desenhada, com contribuições maiores nos géneros do fantástico e da ficção científica e na criação de universos místicos inesquecíveis. Simultaneamente escritor, argumentista e poeta místico, Alejandro Jodorowsky nasceu a 17 de fevereiro de 1929 em Iquique, uma pequena cidade chilena. Filho de emigrantes judeus russos em fuga aos pogroms. Deixou o Chile em 1951, indo para Paris. Aí frequenta os surrealistas, escreve rábulas para o Mimo Marceau e também para Maurice Chevalier. Criou o grupo Panique com Roland Topor e Fernando Arrabal, movimento artístico provocador e burlesco, em 1962. Em 1965, Jodorowsky vai viver uma dezena de anos no México. Aí roda dois filmes, El Topo e La Montagne Sacré. Lá inicia também a sua carreira de argumentista de banda desenhada, criando a personagem Anibal 5, desenhada por Manuel Moro. Em 1978, Jodorowsky e Moebius assinam juntos o seu primeiro álbum comum, Les Yeux du Chat, e é dois anos mais tarde que se lançam em Les Aventures de John Difool. Jodorowsky depressa se tornará um dos mais célebres argumentistas de banda desenhada com as séries Alef-Thau (como Arno), Le Lama Blanc, o remake de Anibal 5 e Juan Solo (com Georges Bess), John Difool avant l’Incal (com Zoran Janjetov), Face de lune (com Boucq), La Caste des Méta-Barons (com Juan Gimenez), para citar apenas alguns… Jodorowsky recebeu o Alph’art de Melhor Argumento em 1996, em Angoulême, pelo primeiro volume de Juan Solo. Criou, em 2001, a série de sucesso Bouncer, desenhada por Boucq, cujos volumes 8 e 9 são publicados pela Arte de Autor. Em 2004, começou a aparecer, na Albin Michel e depois na Glénat, a série Borgia, desenhada por Manara. Em 2008, termina a séria Megalex, e inicia um novo ciclo de Alef-Thau, com o desenhador Marco Nizzoli. A partir de 2010, realiza com o desenhador chinês Dongzi Liu a sua nova série Sang Royal, cujo terceiro volume apareceu em 2013. Em abril de 2020, a Arte de Autor completou a edição integral da saga Os Cavaleiros de Heliópolis, com desenhos de Jérémy.

Jean Giraud (Mœbius), nascido em 1938 e falecido em 2012, foi um dos mais importantes nomes da BD europeia. Possivelmente, um dos melhores desenhadores realistas que a Banda Desenhada conheceu, com o nome Gir, com que assinava as aventuras do Tenente Blueberry, Giraud, com o pseudónimo Moebius, foi também um dos mais influentes autores de BD de ficção científica de sempre, cofundador da revista Métal Hurlant e responsável pela criação de alguns dos mais fantásticos universos da BD, para além de ter emprestado o seu fabuloso traço à BD, em histórias surreais e ao cinema e à publicidade, em magníficas ilustrações marcadas pela originalidade do seu universo e pelo arrojo gráfico do seu traço.

Os Olhos do Gato
Alejandro Jodorowsky & Mœbius
Editoras: Arte de Autor | A Seita
Páginas: 64, preto e amarelo
Encadernação: capa dura
Dimensões: 215 x 285 mm
ISBN: 978-989-53150-4-8
PVP: 16,50€

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.