O quinto álbum da série de Luís Louro.

Um ano após o lançamento do quarto álbum da série O Corvo, a Ala dos Livros lança o quinto volume, intitulado Inimigos Íntimos. Anteriormente, esta série tinha sido editada pela ASA, intitulando-se os seus volumes O Corvo (1994), O Corvo: O Regresso (2003) e O CorvoLaços de Família (2007). O quarto volume, o primeiro editado pela Ala dos Livros, tem como título O Corvo: Inconsciência Tranquila (2020).

Clique nas imagens para as visualizar em toda a sua extensão:

Eis a sinopse da editora:

Vicente, morador em Alfama e carteiro de profissão, teve uma infância difícil – o pai, polícia, acabou por se enforcar depois de ter morto a mãe por causa de… Futebol. Não é por isso de estranhar que, em adulto, Vicente sofra de alguns traumas e apresente um desdobramento de personalidade que faz com que, durante a noite, tenha necessidade de deixar emergir o seu “eu inconsciente” transformando-se no Corvo.
Esperem lá, mas isso já todos sabiam… A “timidez do Vicente”, o “vestir a pele de super-herói”, blá, blá, blá. Mas o que todos querem saber é o que significa isso dos “Inimigos Íntimos.” O que aconteceu afinal a Vicente que ainda não sabemos? Qual a origem dessa dupla e atormentada existência do Vicente como Corvo?
O Corvo V – Inimigos Íntimos é uma viagem intensa e surpreendente pela (sub)consciência de Vicente, que vai revelar como as personagens e os traumas do passado fizeram nascer o herói mais inconsciente de todos os tempos. (Quase) sempre com a noite da sua Lisboa como cenário, o Corvo vai combatendo os seus temíveis inimigos alados e os malfeitores mais inesperados. Mas será o Vicente capaz de encontrar a ajuda ideal para enfrentar os seus próprios demónios? Conseguirá ele escapar à tentação? Vamos finalmente descobrir o segredo das chamuças do Corvo
Inimigos Íntimos é o quinto volume das aventuras do fantástico Corvo, criado por Luís Louro em 1994.

Luís Louro nasceu em Lisboa em junho de 1965. Depois de ter terminado o ensino secundário, e desde sempre apaixonado pelas artes gráficas e pela imagem, ingressou na Escola António Arroio onde completou o Curso de Técnico de Meios Audiovisuais.
A sua incursão na BD remonta a 1980, ano em que em parceria com António José Simões (Tozé Simões), criou pequenas histórias, algumas das quais viriam a ser publicadas em diversos fanzines entre 1985 e 1990.
E é precisamente no ano de 1985 que Luís Louro vê pela primeira vez editada uma história de sua autoria numa revista de publicação regular: estávamos a 1 de abril de 1985 e a história “Estupiditia II” surgia nas páginas do Mundo de Aventuras (revista coordenada à época por Jorge Magalhães).
Este é o ponto de partida para as publicações “profissionais” que se sucedem no Diário Popular, Jornal Júnior ou em O Mosquito (5.ª série). Seria aliás no Sábado Popular, um suplemento do jornal Diário Popular, que viria a estrear-se, em Outubro de 1985, a série Jim del Mónaco (lançada em álbum, em 1986, pela Editorial Futura, que viria a publicar 4 títulos).
Paralelamente, e ainda em 1989, a parceria Louro & Simões estreia-se na Edições ASA, onde é lançado o primeiro álbum da série Roques & Folque (que contaria com um total de 3 títulos). Será ainda a Edições ASA a retomar, em 1991, a série Jim Del Mónaco, tendo publicado, entre 1991 e 1993, sete álbuns a cores. Depois de um interregno de alguns anos, dois novos títulos surgem em 2015 (O Cemitério dos Elefantes) e em 2017 (Ladrões do Tempo).
A partir de 1994, ano de lançamento do primeiro tomo de O Corvo, Luís Louro assume também os argumentos e assina sozinho álbuns como Alice (1995), Coração de Papel (1997), Cogito Ego Sum I (2000), Cogito Ego Sum II (2001). Esta carreira a solo seria, no entanto, pontuada por algumas colaborações com diversos argumentistas, como Rui Zink (O Halo Casto – 2000), João Lameiras e João R. Santos (Eden 2.0 – 2003), Nuno Markl (O Corvo: Laços de Família – 2007) ou Rosa Lobato de Faria (ABC das Coisas Mágicas).
Ao longo da sua carreira enquanto desenhador de BD, Luís Louro ganhou vários e importantes troféus, tendo integrado, em 1998, a comitiva “Perdidos no Oceano”, que constituiu a representação de Portugal como país convidado no 25.º Festival Internacional de Angoulême.
Depois de Watchers (dois álbuns publicados em 2018) e Sentinel (dois álbuns editados em 2019), regressa, já na Ala dos Livros, a uma das suas personagens marcantes com O Corvo IV: Inconsciência Tranquila (Ala dos Livros, 2020). Publica, também em 2021, uma série de tiras humorísticas sobre a realidade da pandemia com o título Os Covidiotas (Ala dos Livros, 2021).
Continua agora as aventuras do seu herói lisboeta com O Corvo V – Inimigos Íntimos, a sua mais recente publicação.

O Corvo: Inimigos Íntimos
Luís Louro
Editora: Ala dos Livros
Páginas: 64, a cores
Encadernação: capa dura
Dimensões: 235 x 310 mm
ISBN: 978-989-53039-5-3
PVP: 16,95€

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.