Adaptação do romance de Philippe Claudel numa edição integral.

O regresso da publicação de obras de Manu Larcenet no mercado editorial nacional com O Combate Quotidiano no mês passado, prossegue com O Relatório de Brodeck, numa edição da Ala dos Livros, onde o livro em capa dura se encontra dentro de uma caixa, que permite que o mesmo seja colocado nas prateleiras no formato vertical.

Neste caso, trata-se da primeira adaptação de um romance para banda desenhada realizado por Larcenet. O galardoado romance de Philippe Claudel foi originalmente publicado em 2007 pela editora Stock, conhecendo edição portuguesa pela ASA dois anos mais tarde. De regresso à sua aldeia, Brodeck retoma o seu antigo trabalho de escrivão. Um dia, um estrangeiro vai viver para a povoação, mas os seus modos e hábitos estranhos levantam suspeitas; o seu discurso é formal, faz longas e solitárias caminhadas e, apesar de ser extremamente cordial e educado, nada revela sobre si próprio. Quando o estrangeiro começa a retratar a aldeia e os seus habitantes em quadros pouco lisonjeiros mas perspicazes, os aldeãos matam-no. As autoridades, que assistiram impávidas ao linchamento, ordenam a Brodeck que escreva um relatório que branqueie o incidente. À medida que escreve o relatório oficial, Brodeck passa também para o papel a sua própria versão da verdade numa narrativa paralela. Numa prova ponderada e evocativa, ele entrelaça a história do estrangeiro na sua própria e dolorosa história e nos segredos sombrios que os habitantes da aldeia cuidadosamente escondem.

Quanto à adaptação para banda desenhada, foi originalmente editada em duas partes entre 2015 e 2016 pela Dargaud. A edição portuguesa é a publicação integral da obra, reunindo ambos os álbuns. Para esta adaptação, Larcenet utiliza um estilo mais realista daquele a que habituou os leitores portugueses, seja com Os Cosmonautas do Futuro, seja com O Combate Quotidiano. Por outro lado, o facto de não ser uma BD a cores, permitiu-lhe jogar com as manchas negras no papel.

Clique nas imagens para as visualizar em toda a sua extensão:

Eis a sinopse da editora:

A obra O Relatório de Brodeck, da autoria de Philippe Claudel, venceu vários prémios, entre os quais o “Prix Goncourt des Lycéens” e o “The Independent Foregin Fiction Prize”, sendo considerado pela crítica como uma “obra-prima moderna”. A adaptação desta obra para banda desenhada, assinada por Manu Larcenet, é um livro marcante e imprescindível, que a Ala dos Livros se orgulha de publicar em Portugal.

Philippe Claudel nasceu em França em 1962. Além de ser autor de inúmeras obras literárias e de ter ganho vários prémios, incluindo o Prix Goncourt atribuído à sua obra O Relatório de Brodereck, trabalha como professor sénior na Universidade de Nancy e dirigiu várias longas-metragens. Muitas das suas obras, incluindo La Petite Fille de Monsieur Linh, enfatizam o tema da guerra e as suas consequências. 

Manu Larcenet, considerado por muitos uma das figuras-chave da Nova Banda Desenhada Francesa, nasceu em 1969 em Issy-les-Moulineaux, França. Em termos profissionais, Larcenet iniciou a sua atividade em 1994 nas páginas da revista Fluide Glacial, tendo o seu primeiro álbum sido publicado dois anos mais tarde, através da editora Audie. Colabora depois com a revista semanal Spirou e em 1997 funda, com Nicolas Lebedel, a editora Les Rêveurs de Runes, na qual edita os seus próprios projetos. Colabora, em 2000, com Lewis Trondheim na sua célebre saga Donjon, desenhando vários álbuns. Nesse mesmo ano inicia a publicação na Dargaud, produzindo para a coleção Poisson Pilote álbuns como Les Entremondes (2000), que assina com o seu irmão Patrice Larcenet, Os Cosmonautas do Futuro (2001, com argumento de Trondheim), Le Temps de Chien (2002),  Le Retour a la Terre (2002, com argumento de Jean-Yves Ferri), La légende de Robin des Bois (2003), e Nic Oumouk (2005-2007). A publicação de Combate Quotidiano ocorre entre 2003 e 2008 e o primeiro tomo desta série valeu-lhe o prémio do melhor álbum no Festival de Angoulême em 2004. Entre 2008 e 2014, trabalha em Blast (2009-2014, Dargaud), quatro álbuns densos e fascinantes. Em 2012 ilustra o romance de Daniel Pennac “Diário de Um Corpo”, inicialmente publicado pela editora francesa Futuropolis, mas é em 2015 que se lança pela primeira vez na adaptação de uma obra literária: trata-se de O Relatório de Brodeck, um romance de Philippe Claudel. Thérapie de groupe (Dargaud, 2020), é a sua obra mais recente.

O Relatório de Brodeck (baseada na obra de Philippe Claudel)
Manu Larcenet
Editora: Ala dos Livros
Páginas: 328, a preto e branco
Encadernação: capa dura, com caixa
Dimensões: 298 x 242 x 37mm
ISBN: 978-989-53039-6-0
PVP: 39,99€

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.