Os resultados de 2021 e plano para 2022.

No que toca ao número de livros de banda desenhada publicados em 2021, a G. Floy ficou pelos 14 títulos, o que lhe conferiu um modesto 5.º lugar, ex aequo com a Ala dos Livros, no top das editoras que mais BD publicaram no nosso país. Comparado com o também pandémico ano 2020, foram menos 10 livros. Comparado com o ano pré-pandémico 2019, foram menos 26 livros (ano em que atingiu o 1.º lugar no top, apesar de estarem incluídos os 3 volumes da coleção Comic Heart e os 2 volumes da coleção Aleph, entretanto transferidas para a cooperativa editorial A Seita).

O afastamento dos leitores do material norte-americano após a insolvência da Goody, bem como os períodos de encerramento do canal livreiro no nosso país devido à pandemia de COVID-19, originaram uma grande preocupação na editora quanto aos aos resultados obtidos nas vendas dos seus produtos. “Felizmente, posso dizer que as nossas vendas aumentaram significativamente no último quadrimestre e espero que esta tendência continue em 2022,” confidencia Christine Meyer, a editora da G. Floy.

O ano de 2021

Quanto aos 3 títulos com melhores vendas, “os 14 livros que lançámos em 2021 tiveram vendas muito similares“, esclarece Christine Meyer. “Os 3 bestsellers foram Wolverine: Preto, Branco & Sangue, Carnificina: Preto, Branco & Sangue e Espíritos dos Mortos. Tiveram vendas quase idênticas“.

Quanto ao título que ficou aquém das expectativas em 2021, Christine Meyer diz que “nenhum se salientou. Mas, agora que completámos Gideon Falls, espero que as vendas da série disparem“. Inicialmente lançado somente nos pontos de venda de periódicos, “o último volume da série chega ao canal livreiro no final de janeiro. Quer o argumento, quer a ilustração da série, são de mestre!

O plano para 2022

Até ao momento, os livros planeados para serem editados pela G. Floy em 2022 são Monsters de Barry Windsor-Smith, Outcast vol. 6 de Robert Kirkman e Paul Azaceta, Ascender vol. 2-3 de Jeff Lemire e Dustin Nguyen, Sete para a Eternidade vol. 2 de Rick Remender e Jerome Opeña, Moonshine vol. 4-5 de Brian Azzarello e Eduardo Risso, Sara de Garth Ennis e Steve Epting, Black Magick vol. 1 de Greg Rucka e Nicola Scott, Primordial de Jeff Lemire e Andrea Sorrentino, Reckless Vol.1 de Ed Brubaker e Sean Phillips, Chu Vol.1 de John Layman e Dan Boultwood, Sentient de Jeff Lemire e Gabriel Walta, Meadowlark de Ethan Hawke e Greg Ruth, BRZRKR de Keanu Reeves, Matt Kindt e Ron Garney e Saga Vol. 10 de Brian K. Vaughan e Fiona Staples.

De qualquer modo, Chistine Meyer relembra que “a atual escassez de papel é uma situação extremamente instável e prevejo que irá causar que o nosso planeamento seja alterado múltiplas vezes ao longo do ano“.

Quanto à Marvel, espero continuar a série Preto, Branco & Sangue“, elucida Chistine Meyer. “Para além desta série, não planeio publicar mais material da Marvel este ano“.

No que toca a 3 outras séries que a G. Floy iniciou e que não foram oficialmente descontinuadas, há boas e menos boas notícias. “Eu gostava de publicar Os Malditos vol. 2 e A Velha Guarda vol. 2. No entanto, as negociações desses dois títulos ainda não foram finalizadas“, esclarece Christine Meyer. “As vendas de Kick-Ass: A Miúda Nova ficaram bastante aquém das expectativas, pelo que não tenho a certeza se vamos publicar mais livros dessa série“.

O futuro

O atual foco do modelo de negócio da G. Floy é exclusivamente o material norte-americano, sendo, desde 2014, a coedição das obras destinadas a Portugal e à Polónia a forma de conseguir tornar viáveis tais publicações. “Como a o ramo polaco da Egmont publica a maioria das novidades da Marvel, quase não temos a opção de co-imprimir nenhum do material recente, sendo a série Preto, Branco & Sangue uma exceção“, afirma Christine Meyer. “E, quando não conseguimos co-imprimir, as royalties da Marvel são simplesmente demasiado dispendiosas para o mercado português“. Relembre-se que na entrevista realizada há um ano, a editora já tinha revelado ao Bandas Desenhadas ter havido um aumento de 40% nos licenciamentos da Marvel.

Quanto a material da DC Comics, a Egmont tem direitos exclusivos para a sua publicação na Polónia. Mesmo que existisse algum título que a editora pensasse ser exequível ser lançado exclusivamente no mercado português, “até ao momento, nenhum título da DC pôde ser lançado pela G. Floy devido ao contrato com a Levoir“. Confrontada com o facto de não ter sido lançado nenhum livro de BD da DC Comics em 2021 no nosso país, Christine Meyer relembra que “até a DC me dizer algo em contrário, não considero o seu material como uma possibilidade para ser editado pela G. Floy.

Quanto ao futuro imediato, a editora relembra que, apesar dos livros planeados, existem sempre oportunidades para outros lançamentos, pelo que podem surgir outras novidades ao longo do ano.

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.