Da BD portuguesa à francófona.

A editora Ala dos Livros lançou recentemente 3 álbuns de banda desenhada – a obra original Pássaro, da autoria dos portugueses Diogo Campos e Hugo Teixeira, e as edições nacionais das obras francófonas Bootblack (edição integral) de Mikaël e Undertaker vol. 4: A Sombra de Hipócrates de Xavier Dorison e Ralph Meyer.

Pássaro

Diogo Campos cria um argumento original, tendo por base um conto japonês de Nankichi Nimi e A Menina dos Fósforos de Hans Christian Andersen. Com ilustrações de Hugo Teixeira, trata-se de uma banda desenhada muda. A edição é ainda enriquecida com várias páginas de material extra.

Clique nas imagens para as visualizar em toda a sua extensão:

Eis a sinopse da editora:

Depois de ter lido uma história inspirada num conto japonês do autor Nankichi Niimi, belissimamente ilustrada por uma aguarela, Diogo Campos decidiu guardar o recorte da publicação com a ideia de poder vir a utilizá-la como base de inspiração para uma história a desenvolver no futuro. Essa oportunidade viria a surgir meses mais tarde, dando lugar a uma história de quatro pranchas, as quais provaram ser manifestamente insuficientes para narrar a história com clareza. Colhendo alguns conselhos de outros autores e argumentistas nacionais, Diogo Campos foi trabalhando na história ao longo do tempo até a partilhar com o desenhador Hugo Teixeira. O resultado deste encontro está no livro que agora se apresenta: uma história muda, entre o conto de Niimi e o conto A Vendedora de Fósforos, de Andersen, apresentado num álbum de 48 páginas, sem legendas, em que a leitura é sobretudo visual. E, na última página, o leitor deparar-se-á com um desafio, no qual poderá ou não querer embarcar… Pássaro, de Diogo Campos e Hugo Teixeira, tem edição nacional com chancela da Ala dos Livros.

Diogo Campos nasceu em Braga, em 1988. Estudou Engenharia e Gestão Industrial e é atualmente consultor informático. Desde muito cedo, criou o hábito de se “alimentar” de doses generosas de desenhos animados e de todo o tipo de livros que vai encontrando nas bibliotecas ou que compra ocasionalmente em quiosques e noutros pontos de venda. Ao longo do tempo, e graças às revistas publicadas pela Devir Portugal, tornou-se um leitor de banda desenhada compulsivo, vício que ainda hoje lhe ocupa os tempos livres. Em 2008, experimenta pela primeira vez a escrita de argumentos para banda desenhada com o colectivo R’Lyeh Dreams, colaborando com os autores Diogo Carvalho, Rui Ramos e Vanessa Bettencourt em várias histórias posteriormente publicadas nas antologias Murmúrios das Profundezas e Voyager Vol.1. Nos anos seguintes, colabora com os autores Véte e Zé Burnay em diversas edições das antologias Venham+5 e Zona. Em paralelo, escreve artigos para o BDjornal e para o catálogo do Festival de Banda Desenhada de Beja, o Splaft!, para o qual ainda hoje colabora regularmente. Em 2015, em conjunto com Bruno Caetano, funda uma loja online de venda de arte original de autores portugueses, a ComicHeart. Pouco depois de esta se tornar também um projeto editorial, é forçado a abandonar o projeto por falta de disponibilidade. Depois de um interregno de vários anos na escrita de argumentos, é desafiado por Hugo Teixeira para lhe escrever uma história, com a qual ambos regressam às lides da nona arte. Durante o longo período de tempo em que colaboram na execução do livro Pássaro, Diogo Campos volta momentaneamente à escrita de histórias curtas com uma participação na antologia Virar a Página: Antologia de BDonde assina o argumento para uma história desenhada pelo autor Luís Guerreiro. Pássaro é a sua primeira obra de maior fôlego.

Hugo Teixeira nasceu em setembro de 1980, em Amarante, em cuja Escola Secundária completou o 12.º ano. É, atualmente artista plástico, e ilustrador freelance, trabalhando em várias áreas e para diversos clientes dentro e fora do mundo da BD. Impulsionado pelo gosto que sempre teve pelo desenho fez, no 9.º ano, a sua primeira banda desenhada, que apresentou como trabalho na disciplina de Português. Desde então, o seu currículo tem-se ampliado, com bifurcação para duas áreas: a das exposições e a da publicação das suas BD, usando maioritariamente o estilo da BD japonesa (vulgo manga). A sua estreia em publicações profissionais ocorreu no BDJornal, nº 14, de agosto/aetembro de 2006, com as bandas desenhadas Os Monótonos Monólogos de um Vagabundo e Um Olhar, contando ambas com argumento e desenho de sua autoria. O lançamento do seu primeiro livro ocorreu em 2007, em colaboração com a editora Pedranocharco. Com o título Bang Bang, esta obra tornou-se o primeiro álbum com estilo manga de autor português, editado em Portugal. A partir desse ano, têm surgido em diversos fanzines e jornais nacionais que se dedicam à BD diversas histórias curtas de sua autoria. O seu segundo álbum, Mahou-Na Origem da Magia, que assina em parceria com a argumentista Ana Vidazinhasurge em outubro de 2011 com a chancela da Edições ASA, seguindo-se, em 2013, Mahou – Perdidos no Tempo, também por esta editora do grupo LeYa. No que se refere a exposições, Hugo Teixeira teve até à data trabalhos seus apresentados no FIBDA – Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora, na Casa da Animação, no Porto, na Biblioteca Municipal Albano Sardoeira, em Amarante, e no Fórum Romeu Correia, em Almada. Pássaro, que assina em parceria com Diogo Campos, publicado em Setembro de 2022 pela editora Ala dos Livros, é a sua mais recente publicação.

Para mais pormenores, ver o vídeo:

Para subscreveres o canal DOC DOC TV, clica aqui.

Pássaro
DIOGO CAMPOS, HUGO TEIXEIRA
Editora: Ala dos Livros
Páginas: 48, preto e branco
Encadernação: capa dura
Dimensões: 210 x 270 mm
ISBN: 978-989-9108-06-6
PVP: 14,90€


Bootblack

Um ano após a edição integral de Giant, da autoria e Mikaël, a Ala dos Livros publica o segundo díptico nova-iorquino do autor, Bootblack, novamente em edição integral. Esta obra foi originalmente editada pela Dargaud entre 2019 e 2020. A edição nacional reproduz, no seu final, os cadernos gráficos das publicações francesa.

Clique nas imagens para as visualizar em toda a sua extensão:

Eis a sinopse da editora:

Alemanha, 1945. As tropas americanas procuram os últimos soldados inimigos. Para fugir aos horrores daquilo que vive, Al, um soldado americano, único sobrevivente da sua unidade, mergulha nas memórias do seu passado em Nova Iorque. Filho de imigrantes alemães, nascido nos Estados Unidos, não tinha ainda dez anos quando perdeu os pais e a sua casa num terrível incêndio. Passa a viver na rua e torna-se Bootblack, um “engraxador de sapatos”. Mas Nova Iorque não oferece qualquer futuro aos miseráveis e Al está decidido a ganhar mais dinheiro. Antes de se alistar, passa dez anos na prisão. Hoje, tem 25 anos. A mulher da sua vida, Maggie, é apenas um reflexo na sua memória. Todos os seus amigos estão mortos. Todos, exceto um certo “Diddle Joe”, que encontra novamente na frente de batalha. O seu reencontro é brutal: Al descobre que “Diddle Joe” o traiu a ele e aos amigos… Com esta obra, o autor de Giant (que a Ala dos Livros oportunamente também publicou) assina mais um fabuloso díptico que se desenrola através de flashbacks e que oferece um mergulho fascinante numa Nova Iorque mítica e onírica.

Mikaël (n. 1974) é um autodidata franco canadiano, presente no mundo da banda desenhada desde 2001. Publica diversos contos juvenis, dos quais assina simultaneamente o argumento, o desenho e a cor. Com um estilo gráfico reconhecível, cheio de cor e suavidade, realiza também várias ilustrações para livros infantis. Em 2010, recebeu a menção especial do Júri Juvenil do Prix d’Ouessant (França), para a obra Félice et le Flamboyant Bleu e duas vezes, em 2015 e 2016, o Grande Prémio da cidade de Quebeque, Canadá, respetivamente para Promise, volume 2: L’Homme-Souffrance e Promise, volume 3: Incubus.  Trabalha desde 2006 em histórias adultas com grafismos mais realistas, contando em determinados projetos com a colaboração de outros argumentistas e desenhadores. Em 2017, Mikaël iniciou um novo díptico que se passa na Nova Iorque dos anos 1930, do qual Giant é o primeiro título. O segundo díptico, Bootblack, narra a vida dos engraxadores de Nova Iorque, e mais particularmente a de Al, oriundo de uma família de imigrantes alemães, aquando da Segunda Guerra Mundial.

Bootblack
MIKAËL
Editora: Ala dos Livros
Páginas: 128, a cores
Encadernação: capa dura
Dimensões: 235 x 310 mm
ISBN: 978-989-9108-05-9
PVP: 27,00€


Undertaker vol. 4: A Sombra de Hipócrates

Três meses após o lançamento do terceiro volume da série Undertaker, da autoria de Xavier Dorison e Ralph Meyer, a Ala dos Livros publica o quarto tomo, subintitulado A Sombra de Hipócrates. Deste modo, a editora portuguesa vai-se aproximando das edições francesas da Dargaud, tendo sido publicados 6 volumes até ao momento no mercado francófono.

Clique nas imagens para as visualizar em toda a sua extensão:

Eis a sinopse da editora:

Jeronimus Quint, aliás “O Monstro de Sutter Camp”, prossegue a sua fuga na companhia de Rose, que o segue na esperança de que Quint a cure. No seu encalço, Jonas Crow e Lin estão decididos a salvar a amiga e a ajustar contas com o monstruoso e sádico cirurgião. Mas como deter um homem cuja malvadez lhe permite transformar cada paciente inocente num cúmplice mortal contra o Undertaker? Quarto volume da série assinada por Xavier Dorison (argumento) e Ralph Meyer (desenho), Undertaker é um Western escrito à laia de policial, cheio de ação e de suspense. Esta série, difundida em 14 países entre os quais se inclui Portugal, obteve desde o início da sua publicação em França, em 2015, numerosos prémios e distinções. Salientam-se o Prix Saint Michel 2015 du Meilleur Dessin, o Prix Le Parisien 2015 de la Meilleur BD, o Prix 2015 des rédacteurs de scenario.com e ainda a distinção Album preferé des lecteurs de BD Gest 2015.

Xavier Dorison nasceu em 1972. Depois de três anos numa escola profissional, durante os quais lançou um Festival de BD, começou a escrever o argumento para o primeiro volume de Troisième Testament (Terceiro Testamento), série desenhada por Alex Alice e publicada pela Glénat. Foi um sucesso. Seguiu-se o trabalho com Mathieu Lauffray no primeiro volume da série Prophet (Les Humanoides Associés, 2000) e, depois, com Christophe Bec, na série Sanctuaire (Les Humanoïdes associés, 2001). Xavier Dorison estabeleceu, em muito pouco tempo, um estatuto firme no mundo da banda desenhada franco-belga, um estatuto confirmado com W.E.S.T. (Dargaud), que escreveu em parceria com Fabien Nury para um dos maiores nomes atuais do realismo, o desenhador Christian Rossi. Mas Dorison não se limitou ao universo da BD. Em 2006, foi lançado o filme Les Brigades du Tigre, uma adaptação da série de TV com o mesmo nome, que Dorison voltou a escrever em parceria com Nury. Em 2007, trabalhou uma vez mais com Mathieu Lauffray em Long John Silver, granjeando de novo um enorme sucesso. Em 2008, a Dargaud convidou Xavier Dorison para escrever o argumento do primeiro volume do Mistério XIII, uma sequela da famosa série XIII. O desenho foi confiado a Ralph Meyer, o que deu início a uma outra colaboração prolífica. Foi então que o par criou a épica história Viking Asgard (Dargaud). E em 2014, com Thomas Allart, Dorison produziu H.S.E. (Dargaud; Europe Comics 2017), um enredo de suspense sobre a possível queda em espiral de uma sociedade ultraliberal. Trabalhador incansável, dedica-se simultaneamente a várias séries, para além de continuar a escrever argumentos para a TV e o cinema. Passando com facilidade do argumento para as séries já mencionadas, e ainda para Le Chant du Cygne (2014, Le Lombard), Red Skin (2014, Glénat) e o seu último e enorme sucesso Undertaker (Dargaud 2015, Europe Comics 2016), Dorison provou a sua habilidade para trabalhar em diferentes géneros, que vão do western ao drama histórico, sem nunca perder a força do argumento e a solidez estrutural que caracteriza o seu trabalho. Não é por isso de admirar que tenha sido chamado a continuar a série Thorgal (Le Lombard), um dos maiores ícones da BD franco-belga de todos os tempos.

Ralph Meyer, nascido em Paris em 1971, era muito novo quando começou a cultivar a sua aptidão e interesse pelo desenho e por histórias. Quando chegou a altura de decidir o que fazer da sua vida, pareceu-lhe natural escolher a banda desenhada. Enquanto insaciável jovem leitor, apreciava o humor de Gaston Lagaffe e as aventuras de Black e Mortimer, bem como os problemas existenciais dos super-heróis vestidos à maneira que povoam as edições mensais de Strange. A sua descoberta do trabalho de Giraud (também Moebius) durante a sua adolescência terá mais tarde uma grande influência no seu próprio trabalho. Com 20 anos, deixou Paris e mudou-se para a Bélgica para seguir o curso de ilustração no Instituto Saint-Luc, em Liège. Após três anos e finalizado o curso, começou a apresentar-se a várias editoras com um número variado de projetos, mas sem sucesso. Em 1996, decidiu apresentar o seu trabalho ao escritor Philippe Tome. Este apresentou a Meyer um argumento particularmente sinistro para trabalhar. Um ano mais tarde, lançam o primeiro volume de Berceuse Assassine, uma trilogia (1997 Dargaud, 2016 Europe Comics). Meyer fundou entretanto, com alguns outros autores, a “Parfois j’ai dur” workshop. Foi aí que realizou Des Lendemains sans Nuages (Le Lombard; Cinebook), que coilustrou com Bruno Gazzotti, sob argumento de Fabien Vehlmann. A seguir, ainda com Vehlmann, iniciou as séries de ficção científica IAN (Dargaud; Cinebook), a qual relata as aventuras de um ser de inteligência artificial, completado com pele e nervos humanos. Em 2008, com Xavier Dorison lançou o primeiro volume da série XIII-Mistery, uma coleção da Dargaud pela qual recebeu, em Bruxelas, o Prémio St. Michel. O ano de 2010 pareceu representar para Meyer uma reviravolta gráfica, ao efectuar Page Noire, com argumento de Denis Lapière e Frank Giroud. Em 2012, ele e Xavier Dorison voltaram a trabalhar juntos nas paisagens nórdicas do díptico Asgard, seguindo-se posteriormente a terceira colaboração na série Undertaker, a qual continua a conhecer junto dos leitores de vários países um crescente sucesso.

Undertaker vol. 4: A Sombra de Hipócrates
XAVIER DORISION, RAPLH MEYER
Editora: Ala dos Livros
Páginas: 56, a cores
Encadernação: capa dura
Formato: 235 x 310 mm
ISBN: 978-989-9108-10-3
PVP: 17,50€

SOBRE O AUTOR |

Nuno Pereira de Sousa
Nuno Pereira de SousaAdministrador
Fundador e administrador do site, com formação em banda desenhada. Consultor editorial freelance e autor de livros e artigos em diferentes publicações.