Análise de Noir Burlesco 1

… … …

Sem quaisquer letras antes ou depois, as reticências são silêncio, impasse, uma espera sem ruído ou o correspondente à letra “s” no código morse.

Ora, quando se conta uma história, quere-se ruído, quere-se uma voz narrativa que se instale no nosso cérebro e nos projecte imagens acompanhadas de som. Na 9.ª Arte (e na 6.ª), a esse som chama-se onomatopeia. É o bang! de uma arma a disparar, o crash! de um acidente de automóvel, o tic tac! de um relógio ou um mmmm! rouco e prolongado numa noite tórrida.

E quando as onomatopeias são usadas com muita parcimónia?

… … …

Os géneros ou os estilos literários e artísticos são compostos por uma série de características específicas que os definem. Essas características identificadoras ajudam a criar preferências entre os leitores e os observadores, mas rapidamente se tornam em clichés cansativos quando um género ou estilo se esgota a si próprio, deixa de ser inventivo e sai de moda.

E quando uma obra é a síntese de todos os clichés de um género?

… … …

Agora, imaginem uma Banda Desenhada onde a ausência de onomatopeias é gritante e tudo o que é cliché do filme ou do policial noir é utilizado para contar uma história.

É com estas duas premissas que folheio e início depois a leitura do primeiro volume de Noir Burlesco, o novo díptico de Enrico Marini que a Arte de Autor e A Seita acabam de publicar em coedição.

Os apreciadores portugueses de Banda Desenhada conhecem bem Marini através das séries Gipsy, Os Dossiers de Olivier Varèse, Águias de Roma, O Escorpião, Rapaces, e o recente díptico Batman – O Príncipe Encantado das Trevas. E sabem que o autor não desilude.

Mas será que Marini nos vai desiludir com uma sucessão de clichés? Um pastiche pouco inventivo, uma colagem sem nexo ou fio condutor?

Use os botões para navegar entre as páginas do artigo.

SEGUINTE »

SOBRE O AUTOR |

Francisco Pedro Lyon de Castro
Francisco Pedro Lyon de CastroColaborador
Amante da literatura em geral, apaixonado pela BD desde a infância, a sua vida adulta passa-a toda rodeado de livros como editor. Outra das suas grandes paixões é o cinema e a sua DVDteca.