Trilogia Filipe Seems reeditada

Trilogia Filipe Seems reeditada

Reedição da Trilogia Filipe Seems, da autoria de Nuno Artur Silva e António Jorge Gonçalves.

Em maio, a ASA reeditou a Trilogia Filipe Seems, da autoria de Nuno Artur Silva e António Jorge Gonçalves. O tríptico é composto pelos álbuns Ana, A História do Tesouro Perdido e A Tribo dos Sonhos Cruzados.

Segundo a editora, trata-se da edição comemorativa dos 30 anos da trilogia, cujos álbuns foram lançados, respetivamente, em 1993, 1994 e 2003. Registe-se ainda que, antes da sua compilação no primeiro álbum, esta banda desenhada tinha sido publicada no semanário Se7e. E que teve também direito a ser adapta ao teatro. Aliás, em 2009, a ASA tinha editado uma caixa especial com os três volumes, que incluía um DVD com a peça Conspiração, um desenho inédito de tiragem exclusiva, de António Jorge Gonçalves, e um texto inédito de Nuno Artur Silva.

Para a presente reedição, António Jorge Gonçalves redesenhou algumas pranchas, devido a não se encontrar na posse dos respetivos originais.

Ana
Filipe Seems, um detective muito particular, escritor de bandas desenhadas animadas, é visitado nos seu escritório por Ana Lógica, uma fotógrafa que encontrou uma mulher igual a si, gémea, que desconhecia. Seems investiga o mistério das gémeas e encontra uma história que o faz perder numa Lisboa que parece existir na Lisboa que talvez não exista.

A História do Tesouro Perdido
Uma mensagem numa garrafa encontrada na praia põe Filipe Seems no rasto de um tesouro perdido. Seems não é o único interessado na descoberta e há mesmo uma expedição turística organizada e um canal de televisão que tem o exclusivo dessa caça ao tesouro. Mas as aparências podem iludir e o tesouro pode afinal esconder outro tesouro e uma outra história mais antiga e misteriosa.

A Tribo dos Sonhos Cruzados
Filipe Seems está perturbado por sonhos enigmáticos. Ana Lógica está obcecada por fotografar o que não se vê. As redes de conteúdos globais têm sido alvo de atentados que apagam todas as emissões e colocam no ar por todo o lado a frase “No More Images”. Ao perder-se nos túneis abandonados da cidade, Seems encontra uma cigana de olhos claros que com ele dança e lhe fala sobre a tribo dos sonhos cruzados, o vodu das imagens e uma borboleta que ele precisa seguir.

Nuno Artur Silva nasceu em Lisboa, em outubro de 1962. Autor e produtor de livros, peças de teatro, eventos, séries e programas de televisão. Apresentador de programas de televisão de cultura, de debate político e de humor. Foi fundador e diretor da Produções Fictícias, agência criativa; fundador e diretor do Canal Q; fundador e publisher do jornal satírico O Inimigo Público. Foi administrador da RTP (2015/ 2018), com o pelouro dos conteúdos. Foi Secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media no XXII Governo Constitucional (2019/2022). Recentemente, apresentou “Onde É Que Eu Ia?…” no Teatro Municipal de São Luiz e no Tivoli em Lisboa, um solo de stand up comedy, acompanhado pelo desenho em tempo real de António Jorge Gonçalves. Os seus dois últimos livros originais são para crianças: “Síul, Epilif e o Grande Zigomático”, com ilustrações de Pierre Pratt e “Como É Que Os Nossos Amigos Ficam Nossos Amigos – Teoria Universal da Amizade”, com desenhos de João Fazenda, ambos da Bertrand Editora.

António Jorge Gonçalves nasceu em Lisboa. Cria livros com palavras e desenhos, sozinho e com outros escritores. Concebeu um método de Desenho Digital em Tempo Real e manipulação de objetos em retroprojetor que utiliza na criação de espetáculos com músicos, atores e bailarinos. Desenhou pessoas sentadas no Metro em todo o mundo com projeto “Subway Life”. Fez cartoon político para o Público (Inimigo Público), Le Monde e Courrier Internacional, e foi premiado no WorldPress Cartoon. Foi galardoado com o Prémio Nacional de Ilustração 2014 (DGLAB). Leciona Banda Desenhada na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa.

Deixa um comentário